Pular para o conteúdo principal

QUINZE ANOS >> Sergio Geia


 

Eu preparava a pequena lista havia dias: cerveja, coca-cola, pratinhos para bolo, velas, copo de cachaça (pois tenho aqui em casa apenas dois e precisava atender bem os meus convidados, apreciadores de uma boa cachacinha); presunto, queijos, patês e salsicha para o cachorro quente. Mais à noite, pegaria o bolo, de chocolate com morangos, encomendado na véspera.
Uma festa simples. Na verdade, uma singela comemoração para não passar em branco. Já são quinze anos, e, se estou aqui, mais entusiasmado com a vida do que antes, se estou aqui assistindo a vida correr, a evolução, os progressos, a vibração e a vida não para, a vida voa, e tudo vai ficando pelo caminho , é preciso comemorar.
Há quinze anos acordei com dor de cabeça; era um sábado alegre, promissor, quente, primaveril. E com a cefaleia, insistente, a sensação de aperto no peito, de dor na nuca, de esgotamento profundo. Na farmácia, fui aconselhado a procurar um pronto-atendimento. Nessas alturas, a pressão atingia os píncaros.
Há quinze anos nascia em mim, não uma cardiopatia grave, mas o que a medicina denomina de hipertensão arterial. Nasciam também algumas necessidades especiais, como a ingestão contínua de comprimidos um composto de carbonato de magnésio, gelatina, laurilsulfato de sódio, amido, amidoglicolato de sódio e estearato de magnésio; a necessidade de redução permanente de sal, de controle do peso, de alimentação saudável.
Quando bateu a doença, o Geia ficou atônito, sem saber o que esperar da vida. É comum ouvir que alguém tem pressão alta; grande parte da população tem. Mas quando aconteceu com o Geia os dias ficaram estranhos. Questionamentos como por exemplo “E a cachaça? A cerveja? O futebol? Vão ficar pelo caminho?”, a questão da idade “Uma doença dessas, tão cedo, seria sinônimo de encurtamento da vida?”, a submissão a um rigor de tratamento até então desconhecido, apenas para manter a pressão em níveis aceitáveis, uma vez que hipertensão não tem cura.
Mas a vida seguiu, o Geia seguiu, sem abandonar os hábitos prazerosos que a vida oferece, mas também sem deixar de se cuidar, e quinze anos se passaram. Nasceu há quinze anos no Geia uma doença crônica, silenciosa, perigosa, ardil e controlável. Mas também nasceu você.
Depois de pequenas agruras, de inquietações, de dissabores por conta de um mundo que da noite para o dia tornou-se cinza, o sábado foi terminar na antessala de um hospital, à base de chás, calmantes e de grande tensão. Não por causa da pressão, mas por sua causa. Na virada do sábado pra domingo, nascia você, e o mundo, alguns minutos atrás, estranho, acinzentado e feio, parecia recuperar todo o seu colorido, a sua beleza, a sua graça.
Vendo o seu sorriso doce agora, você com quinze anos dentro desse vestido floral e leve, sinto que a cada novo começo meu encantamento por você só aumenta; você me encanta. Seus olhos negros e vívidos, sua força brutal, sua afeição por tudo que a vida tem de belo e bom, suas posições firmes contra tudo que a vida tem de feio e ruim, numa idade tão tenra, essa precocidade que talvez só a mulher tenha, me faz acreditar que você é muito especial, e que especial é a sua missão nessa vida dura e confusa.
Eu preparava para a tua festa a pequena lista havia dias: cerveja, coca-cola, pratinhos para bolo, velas, copo de cachaça; presunto, queijos, patês e salsicha para o cachorro quente. Mais à noite, pegaria o bolo que você havia escolhido, de chocolate com morangos, encomendado na véspera.
Uma festa simples (você não quis aquela festa grandiosa, com damas, príncipes e tudo). Na verdade, uma singela comemoração para não passar em branco esse momento singular de sua vida. Já são quinze anos, e se estou aqui, mais entusiasmado com a vida do que antes e cada vez mais encantado com tudo o que é você, se estou aqui assistindo a sua vida correr, a sua evolução, os seus progressos, a sua vibração e a vida não para, a vida voa, e tudo vai ficando pelo caminho , é preciso comemorar. 

Ilustração: www.mensagenscomamor.com

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …