Pular para o conteúdo principal

POKER NA ESCOLA >> André Ferrer

A polarização da sociedade em relação à política tem levado grupos e indivíduos ao embate. Algumas vozes, emitidas de setores diversos, já clamam pela moderação entre governistas e opositores. O perigo de confrontos é uma realidade; não obstante, depois da instalação de uma Comissão de Impeachment em Brasília.

No diálogo, a posição clara de cada um é fundamental. Sem isso, não se tem um diálogo, mas um jogo em que o blefe é livre. Por exemplo, a Ordem dos Advogados do Brasil se manifestou a favor do afastamento da Presidente da República. Todos os dias, a imprensa divulga a tomada de posição de algum setor importante da sociedade, sendo contra ou a favor, o que é extremamente democrático, promove a transparência e previne atos criminosos; inclusive, possíveis atos “anônimos” que, a exemplo de inúmeros ocorridos nas décadas de 1960 e 70, apenas serviriam para aumentar a tensão social e atirar uns contra os outros. Na política brasileira atual, jogar poker é o mesmo que fazer terrorismo.

E a escola das crianças? Como fica a escola, nos seus níveis fundamental e médio, em plena crise política? No que se refere a um apaziguamento social, o seu papel é incerto.

Dentro ou fora do regime democrático, a escola é um instrumento ideológico. Animam-na, todos os dias, os conflitos originados na sociedade e, preponderantemente na democracia, o equilíbrio das forças. A escola, nesse sentido, pode até ser vista como um microcosmo — um micropaís —, contudo a vigilância em relação a licenças poéticas deve sempre existir. Toda e qualquer instabilidade no equilíbrio abrirá espaço para “jogadores”.

Durante a recente ocupação de prédios escolares, no estado de São Paulo, evidenciou-se um grande interesse político dos jovens.

Naturalmente, sob o desenrolar da Operação Lava Jato, as ocupações escolares de 2015 e 2016 despertaram uma espécie de desconfiança quanto à instituição escolar. Diversos movimentos, especialmente nas suas intervenções digitais, passaram a denunciar a escola como espaço destinado ao proselitismo marxista. O surpreendente despertar para a política, daqueles jovens, teria origem nos últimos 13 anos de ostensiva doutrinação.

Realmente, o fenômeno é de difícil análise e o atual cenário, contencioso e confuso, guarda estreitas relações com essa dificuldade. Um indício de que se joga poker na escola seria, mesmo, o fato de que se joga, e muito, fora dela? Eis a dificuldade tanto para quem defende como para quem denuncia. O caos, afinal de contas, integra o jogo.

Em Gramsci, o pulo do gato da revolução tem hora e lugar para acontecer. Hitler, ao contrário do que muitos dizem, não conquistou um país com a sua oratória, mas conquistou um povo enfraquecido econômica e culturalmente; um povo em que a limpeza ideológica já se estabelecera; enfim, Hitler pôs de joelhos uma multidão alemã da qual os alemães de hoje sentem vergonha.

Gramsci e Hitler pertencem a capítulos diferentes da História. Cada um tem a sua particularidade no socialismo. Um foi principalmente teórico — um anônimo na virada dos 1800 para os 1900. Outro botou a mão na massa.

Contudo, há um ponto em que esses dois se sobrepõem. Um ponto elementar e pueril.

Elementar, porque anima toda a Gênese das Revoluções, desde o Cerco de Massada até a França dos Enciclopedistas. Pueril, porque justifica a vergonha dos alemães em relação aos seus avós. Ambos, Gramsci e Hitler, defendem um aparente diálogo enquanto o que ocorre é uma suja partida de poker. A questão é que os outros jogadores não sabem disso.

Em plena democracia defendida por eles — mas só como ardil —, a população custa a descobrir que o blefe sempre foi livre.

Comentários

Estimulante reflexão, André!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …