Pular para o conteúdo principal

DISTRAÇÕES | 1 DE 3 | ELE >> Carla Dias >>


Mundo é vastidão além da sua compreensão. Por que pediram que falasse sobre sua visão do mundo, quando ele vive há trinta e sete anos na mesma cidade? Claro, conhece outros lugares, já saiu de férias algumas vezes.  Mas MUNDO? Como escrever eloquentemente sobre um lugar que não se conhece inteiro e que, por onde se esteve, foi de passagem?

Lembra-se de estar de passagem por muitos lugares. Mais do que por lugares, por pessoas. Esteve de passagem pela vida de muitas pessoas. Nenhuma o fez sentir vontade de ficar. Para muitas, ele até conseguiu fazer algo positivo, banalidades que ganham importância quando se visita lugares onde a violência é amplificada pela pobreza. Fez algo de bom às pessoas que esperavam nada dele. Algo de bom que ele nem sabia que era algo de bom. Banalidades, como o dia em que caminhava pela praia, lugar belíssimo que servia de cenário para suas férias, que pagou em dez parcelas de mais dinheiros do que deveria gastar com prazer. Encontrou lá um menino e sentado na areia, de cara para o mar, ali pelos cinco anos de idade. Perguntou se ele estava perdido, e ele disse que estava cansado. Perguntou a ele do quê? O menino olhou para ele com olhar opaco: de fome. Pagou almoço para o menino, um lanche gigante, que o moleque engoliu numa tacada só. Daí, o olhar dele já não estava mais opaco. Daí, o menino sorriu e saiu correndo pela praia. Não estava mais cansado. Foi bonito vê-lo chutando areia.

Depois disso, ele deu de pagar comida pra tudo quanto é pessoa que dizia ter fome. Nem sempre era algo agradável, que nem todos são meninos como aquele da praia. Houve quem agradecesse, assim, com olhar marejado e bucho cheio. Houve quem menosprezasse o feito, como se ele estivesse fazendo nada mais que a obrigação. Houve quem, depois de bem servido, desse chute na canela dele, para pegar o dinheiro de sua carteira.

O que ele aprendeu é que, independente se pagava comida para quem não tinha como comprá-la ou para quem tinha, mas não gostava de gastar seus trocos, cada um reagia de uma forma. Será que isso tem a ver com o lugar no mundo de cada um ou o quê?

Não entende por que pediram para ele falar sobre o mundo. Ele não conhece o mundo, só algumas partes dele, não há como dizê-lo inteiro. Mas pessoas, aí sim, ele pode falar sobre algumas pelas quais passou. Mesmo que seja breve essa passagem, ele tem a capacidade e de sabê-las e repertório para falar sobre elas.

Pensar o mundo lhe custou noites de sono. Quem diria que sua decisão de alimentar pessoas o traria a este momento. Mas a verdade é que ele não se dedicou ao mundo, sabe que não conseguirá fazê-lo. Dedicou-se às pessoas que foi encontrando pelo caminho.

Para um auditório lotado e silencioso, ele fala sobre como tudo começou. Conta sobre o menino na praia e seu olhar opaco. Sobre como olhares opacos o deixam triste e vazio, feito o estômago das pessoas que alimentou. Confessa que não tem muito a dizer sobre o mundo, que tentar fazê-lo com propriedade seria ir contra o fato de que conhece pouco dele. Mas se quiserem saber, ele pode contar a história de cada uma das pessoas que alimentou, das que agradeceram e das que desdenharam do gesto.

Sabe que o que dizem por aí sobre ele ser um visionário. Acha tudo isso uma grande bobagem. Continua a passar pelas pessoas e isso é solitário. Seu sonho é um dia encontrar alguém que lhe peça para ficar. Alimentar quem precisa de alimento, se ele pode, por que não o faria? Se isso se tornou algo maior do que ele, ótimo. Se outras pessoas desejam seguir o exemplo, boa sorte para cada uma delas.

O que ele sabe é que o mundo é enorme, mas, às vezes, ele encolhe até caber na necessidade de quem está ao nosso lado, a quem podemos socorrer. Distrair-se com a grandiosidade é menosprezar as mudanças possíveis.

Aplaudido de pé, ele só consegue pensar que tentar explicar o mundo é uma distração. Falar sobre aqueles que ajudou diretamente é realização.

Distrações o inquietam.

Imagem © Francis Picabia

carladias.com

Comentários

Me tocou aqui, Carla: "tentar explicar o mundo é uma distração". :)
Carla Dias disse…
Tenho me pegado realmente pensando assim, Eduardo. Acho que há momentos em que devemos deixar de tentar explicar para que o mundo nos surpreenda. Para que possamos surpreender a nós mesmos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …