Pular para o conteúdo principal

BOLETIM: AMO >> Carla Dias >>


Calou-se ao encará-la. Ela a quem ele corteja com o olhar. Pensou que daria o próximo passo, que diria a ela o verbo conjugado em declaração do que ele traz no engasgo: amo.

Pensou que renunciaria à condição de companheiro de trabalho, conquistando um espaço afetivo nessa jornada comercial que dividem com devoção.

Ausente da companhia dela, ele que é moço que não desvela emoções que nele latejam, permite-se ser tomado pela provocação desses sentimentos. Senta-se na confortável poltrona da varanda. Observa árvores e pássaros e ventos e silêncios. Encanta-se com a lua e imagina coisas.

Não gosta de pensar que imaginar coisas seja o mesmo que sonhar acordado. Sabe que imaginar coisas é o mesmo que sonhar acordado ao imaginar coisas sobre ela.

Imaginou uma viagem por todas as capitais do mundo. Ela sorrindo com os lábios e os olhos. Ele sentindo o corpo dela estremecer ao observar a paisagem cobiçada pelo antigo desejo de conhecê-la. Refestelando-se um na carne do outro. Comprazendo-se um na existência do outro.

Discutindo... Porque o drama existe na vida de quem a vive.

As discussões sempre a levavam a alfabetizá-lo, valendo-se da candura para abordar reprimendas. Ele a aliciava com o despudor da solidão. Um verbalizava o que deixava o outro desconfortável. Algumas coreografias eram criadas para a exaltação do que os unia. Apesar de ignoraram o quê. Havia entre eles o conforto de não se importar com o desconforto. Não se o olhar de um navegasse no do outro sem censura.

Imaginava beijo, abraço, desavenças, reconciliações... Adorava reconciliações, porque elas permitiam que abraçassem a fragilidade e reverberassem a crueza dos seus predicados.

A varanda é cenário recorrente da imaginação dele. Soubesse ela das vezes em que se deitaram naquele chão para trocar confidências e sacanagens. Bebericar vinho, café, palavras inéditas.

Soubesse da dedicação dele em fazê-la feliz.

Há nela a sombra dos que vivem a ruminar lamentos. Sobriedade a define e ele gosta disso. Acredita que há nela o que ser descoberto. Imagina-se descobrindo.

Calou-se ao encará-la. Assustou-se com a realidade de nudez pálida. Abismou-se com a ousadia a buscar por espaço. Libertar a imaginação para dizer a ela todos os sentimentos que acumulou é uma coisa. Estar na presença dela, e pousar o olhar sobre a maciez de sua tez, desqualifica-o para o posto de aventureiro.

Questiona um relatório e ela explica o motivo de estar certo. Ele sabe que está certo. Sorri e pede desculpas pelo inconveniente.

A voz dela é a que ressoa em sua cabeça. Ela já não diz. Ele escuta. Tornou-se habilidoso em imaginá-la, como se ela vivesse em um filme a se repetir em sua memória inventada.

Imagem: Seated Woman © Stanton Macdonald-Wright

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
A Rainha do lirismo em ação novamente. Sem dramas, sem melodramas, e com a dor pungente do vazio e da solidão. Carla, cada vez melhor!
Carla Dias disse…
Zoraya... Obrigada por mais uma leitura e o comentário tão delicado. Beijos!
Ah, Carla... e quem nunca amou assim? :)
Carla Dias disse…
Quem não se rende ao amor, Eduardo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …