quinta-feira, 28 de abril de 2016

INSPIRAÇÃO REAL >> Mariana Scherma

No meu caminho de toda manhã — manhã bem cedo vale ressaltar — passo pela casa de um casal que acorda mais cedo que eu. Ele vai trabalhar e ela fica no abre e fecha de portão, mas o tchau não vem antes de um beijo apaixonado, desses bem dados, logo cedinho. Confesso que quando passo por eles ainda estou em semi-sonolência, mas acordo com essa cena. Eles não me conhecem, não sabem meu nome, nem eu o deles, mas ela já me cumprimenta com o maior sorrisão. Acho que o amor é combustível necessário para o bom humor.

Quando comecei a reparar no casal, estava calor e, vamos combinar, não é nenhuma grande dificuldade abrir o portão e tomar um ventinho fresco da manhã, certo? Mas ontem estava chovendo e ela estava lá de guarda-chuva. Mesmo sorriso. Mesmo beijo bem dado no marido. Mesmo cumprimento simpático pra mim. Mas hoje foi a prova de amor cabal: estava frio. Aquele frio que faz a gente querer mais cinco ou dez minutos de edredom e aconchego. Aquele frio que gera desculpas do trânsito ao despertador. Mas ela estava lá de casacão e mão no portão. Ah, sim, e sorrisão. E beijão no marido. E desculpa pelo excesso de ão.

Tenho vontade de fazer várias perguntas: juntos há quanto tempo? Você nunca deixa de abrir o portão? Quando vocês se conheceram? Foi amor à primeira vista? Quem tomou a iniciativa? Vocês já brigaram? Você abriria o portão mesmo depois de uma briga? Vocês têm filhos? Sei lá, um monte de perguntas, mas a maior resposta é o sorriso dela e dele, ao ir trabalhar. Um sorriso desses não tem a ver com coisa ruim, tem a ver com fazer a própria história, regar a relação com boas atitudes no dia a dia e essas coisas. Esses dois sabem da sorte que foi terem se encontrado nesse mundo abarrotado de gente que não sabe valorizar o sentimento. Serve de inspiração pra mim.

Obrigada, casal. Vocês me ensinaram que a rotina é uma beleza. E o amor é simples e necessário em cada momento do dia.

Partilhar

Um comentário:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

É, Mariana... Precisamos mesmo abrir o portão para o outro. :)