Pular para o conteúdo principal

PASSOS >> Carla Dias >>


Há muitas coisas acontecendo. Há muitas pessoas circulando por aí. Há milhões e milhões de histórias se desenrolando nesse agora, enquanto pensamos nas muitas coisas que acontecem — com um alcance que inclui somente aqueles sobre os quais temos conhecimento — e nas pessoas à nossa volta. E os milhões de histórias, das quais sabemos tão pouco, que esse pouco se torna um parente direto do quase nada.

Assim seguimos: minimalistas flertando com superlativos.

Há o que acontece enquanto caminhamos, alheados, rumo aos lugares aos quais decidimos pertencer para sempre, amém. Ao meu lado, você caminha com mais pressa. Incomoda-me essa urgência, que sou dos contemplativos, gosto de botar reparo na rotina, de gastar tempo a apreciá-la. Já você... Ah, você...

Às vezes, seguro sua mão e puxo o freio. Você me encara como se quisesse me fuzilar por tirá-la do seu ritmo. Depois, desvia o olhar de mim, e em vez de se adequar ao meu ritmo, como metaforicamente eu pedi, ou que cheguemos a um acordo e ao sempre providencial meio-termo, você acelera e eu lhe alcanço.

Eu sempre lhe alcanço.

Sejamos claros, de clareza iluminadora: quantos passos nos mantêm distantes um do outro? Seriam os que colocam a mim na banca de frutas, enquanto você pondera sobre entressafra com o pessoal da banca de legumes?  Ou aqueles que sempre me prendem na cozinha, entre a pia e a porta de acesso à área de serviço, enquanto você desfila na sala de estar dos amigos?

Quantos passos seriam necessários para que voltássemos a nos encontrar?

Porque há muitas coisas acontecendo e ao mesmo tempo. Muitas dessas muitas coisas eu prefiro deixar do lado de fora de mim. Dentro de mim, somente coisas que permito entrar, e quando não, as que me tomam, deixando-me sem a menor chance de lutar contra, de prosperar na revanche. Coisas que me endoidecem, enfurecem meus sentidos, atrapalham minha plenitude planejada cuidadosamente, como foram os armários da cozinha, e que clareiam o recinto — esse lugar cheio de sombras que me sitia — com suas luzes extravagantes.

Como o sentimento que me habita, mas é por você que respira. Ele que se achegou a mim sem que eu tivesse vontade de recebê-lo. Bem quando eu precisava de silêncio, ele chegou aos berros. Desarrumou minha casa interna, elaborou um plano ousado e conseguiu... Arrancou-me de mim.

Fez-me vibrar por nada. Durante muito tempo. Até perder o fôlego. Até perder a hora de ir para o trabalho. Até perder a noção de tempo e espaço. Até conhecer intimamente a saudade. Até desejar o que jamais desejaria, em nome da autopreservação existencial. Até esvaziar garrafas de vinho. Pacotes de bolacha. Armário de roupas. Bolsas e bolsos de casacos. Até me apaixonar por canções de amor. Canções de dor. Canções de guerra. Longos poemas. Até me doer o silêncio durante a espera pela sua chegada, que quando acontece, mesmo que você não me ofereça nem mesmo um olhar, eu respire o alívio dessa volta.

Há muitas pessoas circulando por aí.

Aqui...

Aqui...


Imagem: A Naiad © John William Waterhouse 

carladias.com

Comentários

Lilu disse…
Estruturadamente passional. Apaixonadamente com-passado. Gosto muito.
Carla Dias disse…
Oi, Lilu.
Fico feliz que tenha gostado. :) Beijo!
Pérola, Carla: "Assim seguimos: minimalistas flertando com superlativos."
Carla Dias disse…
Obrigada, Eduardo. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …