Pular para o conteúdo principal

HERÓIS E NABABOS >> André Ferrer

O esporte que faz a cabeça de crianças e jovens, o nosso esporte nacional, tem os dois pés na malandragem. Exemplos contraindicados à formação cidadã fatalmente constituem a alma brasileira. Muito da nossa concepção de mundo fica, portanto, reduzida em termos de símbolos botequinescos.

O futebol e a sua cultura da malemolência ilustram os mais variados discursos, da sala de estar aos palanques oficiais. Tanta informalidade, assim, torna quase impossível não considerar o futebol como algo à parte nos Jogos Olímpicos.

Aliás, o que de fato maravilha nas Olimpíadas é a característica de alto rendimento presente em quase todas as modalidades. No meio de tantos milésimos de segundo, concentração e disciplina, o futebol parece mais um objeto estranho. Não há termos plausíveis de comparação e, neste aspecto, os jogadores de futebol são verdadeiros nababos ao lado dos atletas.

O primeiro medalhista dourado da natação brasileira está fora das Olimpíadas do Rio de Janeiro. Uma segunda medalha de ouro até poderá surgir na piscina, mas não pelos braços de Cesar Cielo. Na última semana, logo depois da prova que o desclassificou, o nadador surgiu aos prantos na TV e na Internet.

Inevitavelmente, ele foi bombardeado com palavras de otimismo e incentivo. Nas suas vistosas bancadas ou nos rodapés dos noticiários digitais, um batalhão de comentaristas tratou logo de abraçar o nadador exatamente como está acostumado a abraçar jogadores de futebol em plena secura de gol. Todos equivocados. Cheios de boa intenção, mas equivocados. Não pelo ato em si, mas pela forma levemente despreocupada e até festiva empregada naquele discurso “bola pra frente”. Com certeza, uma das metáforas mais usadas neste botequim de dimensões continentais. Algo que todo infeliz dá lá o seu jeitinho de encaixar em qualquer contexto.

A grande sutileza, nisso tudo, está no fato de que, na vida de um atleta de alto rendimento, o próximo domingo no “Maraca” pode, eventualmente, não acontecer no próximo domingo, mas só dali a quatro anos. Tempo, muitas vezes, que supera os anos restantes para o fim de uma carreira. Desejar força para um atleta de alto rendimento é diferente de fazer o mesmo para um jogador de futebol.

Em termos gerais, a reação diante da desclassificação de Cielo — seja do público, seja de formadores de opinião — revela um grande engano brasileiro. Escancara os nossos equívocos, como nação, a respeito de esforço, prêmio e mérito.

Comentários

Boa reflexão, André! :)
Tem um livro muito bom a respeito da nossa mentalidade futebolística, VENENO REMÉDIO - O futebol e o Brasil, do José Miguel Wisnik
http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=11050

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …