Pular para o conteúdo principal

O SAXOFONISTA >> Sergio Geia




Era uma crônica sobre patos; na verdade, sobre um programa que assisti hoje na televisão: a senhora numa casa aprazível cuidando de patos. A reportagem mostrava patos selvagens; por lá apareceram e por lá ficaram. A proprietária tratou de aprender a cuidar, consultou veterinário e autoridades. Alimenta o amor até quando resolverem bater asas. Mas eis que no meio de uma introdução que estava a rascunhar, chega até mim a melodia arrastada de um saxofonista.

Tenho conhecimento de que ele se instala na praça todo sábado, com sua tralha e seu instrumento; fica lá o dia inteiro, lutando dignamente pelo seu ganha-pão. Ao que parece é um bom músico. Tem repertório, maneja bem o instrumento. Executa diversas notas com boa técnica. Ao seu redor as pessoas se achegam; timidamente, um ou outro deixa uma moeda.

A música chega suavemente aqui. No barulho da casa quase não a ouço. Quando tudo para, aí sim a percebo. Tenho certeza que muitos gostariam de usufruir desse privilégio: deitar-se, ter às mãos um livro, uma música boa. Que privilégio... Disse-me uma amiga que mora lá perto, que aos sábados é como se o músico estivesse em casa. Quantas vezes não se sentou à mesa, acompanhada de um bom vinho e Chopin?

Um grupo de moradores local, seus vizinhos, me contou certa vez que um abaixo-assinado foi entregue em mãos ao próprio senhor Secretário de Cultura do município. O objetivo, segundo eles, era fazer com que a cidade, tão carente de cultura, investisse mais e melhor em cultura regional, prestigiando principalmente os artistas de rua. “É um desperdício sem tamanho um talentoso saxofonista como ele ficar amarrado todos os sábados aqui, sendo que tantos palcos espalhados pela cidade poderiam receber um pouco de música boa”, disse-me um deles.

No que assenti: “De fato, somos carentes de cultura. E música clássica nos bairros, não haveria de ter projeto melhor; um projeto valioso e, acredito, de custo baixo. Por que não levar Chopin, Beethoven, Tchaikovsky, Johann Strauss, Vivaldi, ou mesmo artistas populares como Elton John ou Dire Straits até os confins do glorioso Belém, da Gurilândia, do Barreiro, da Estiva, na melodia arrastada de um exímio saxofonista?”.

Na certa, pensei, o pobre músico por si só não teria condições de tocar em outros lugares. Precisava de incentivo. Seu pratinho de moedas estaria sempre cheio com o investimento municipal. A cultura chegaria ao povo e não apenas a alguns privilegiados.

“E qual foi a resposta do senhor Secretário?”, perguntei.

“Disse-me que o município já tem projeto nesse sentido. Que haveria até um edital aberto para os artistas, mas que dependia de inscrição do próprio artista”.

Assim, meu amigo falou que agora o grupo estudava uma forma de chegar até o bom saxofonista para estimulá-lo a participar. Entristecido, ele encerrou a conversa:

“Já me acostumei. Aos sábados vou pra roça. Não quero nem saber”.


Ilustração: Carruço (www.carruco.com)

Comentários

Zoraya disse…
Pois é. E aposto q o saxofonista passa necessidade, eqto uma porção de descerebrados sem talento ganham fortunas nos emburrecendo todo dia. haja vista a programação musical das emissoras de tv.
paulo pereira disse…
Em frente `a minha casa mora um saxofonista. Ele gosta de tocar, sempre `as tardes, principalmente nos fins de semana. Eu paro o que esteja fazendo, me deito no tapete, fecho os olhos e cochilo. Ele toca valsas, chorinhos e melodias consagradas. Não é da rua, pelo contrário, é um dentista famoso e competente. Toca em festas, aniversários e casamentos. Seu nome é Hilário. Cito o nome porque falo bem dele e porque ele merece.Nem imagina como me alegra tanto!
sergio geia disse…
Concordo, Zoraya. Obrigado pelo comentário, Paulo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …