Pular para o conteúdo principal

LIÇÃO DE CASA >> André Ferrer

─ Fui estragado para a política. Tudo o que os meus pais ensinaram, tantos valores, em todos aqueles anos, impossibilita-me a candidatura. Eis o motivo ─ alertou o rapaz na frente dos quatro senhores. ─ Diz respeito a não mexer nas coisas dos outros, a não prometer o impossível, a não enganar as pessoas, a nunca mentir. Peço desculpas aos senhores. Obrigado. Sinto-me honrado, mas não aceito.

Ele apoiou os cotovelos na mesa e descansou um braço no outro. Assim, encarou cada um dos quatro homens e, em três deles, pelo menos, descobriu uma vontade contida, mas notória, de empregar o qualificativo “moleque”. Charles era o mais novo naquela sala.

─ Estimado rapaz, a ideia foi minha. Tenho certeza de que você fará a diferença.

O presidente do partido estava nervoso, mas era um desses homens conciliadores. Apesar da surpresa, conservava o semblante tranquilo. Seus olhos vagavam ligeiramente de pessoa em pessoa como se assim pudessem construir pontes entre elas. O homem prosseguiu. Dirigia-se, agora, aos diretores do partido:

─ Amigos de luta, os motivos pelos quais eu indiquei o Charles são a sua honestidade e a sua força transformadora. Todos admiram este rapaz na comunidade! É o mentor da associação dos moradores. Idealizou e conseguiu realizar vários projetos.

─ Ele não quer. Esqueça.

─ Eu sou da mesma opinião: esqueça.

─ Andrade! ─ fez o presidente para um dos homens que se manifestara.

─ Sinto muito, mas teremos que encontrar, para este bairro, outro representante do partido na câmara.

─ Imagino, Dr. Andrade, que a sua sugestão seja o Pedro Grão!

─ Exatamente.

Aquela ideia não agradava ao presidente do partido.

─ Por favor, Charles ─ pediu, então, suplicante. ─ Pedro Grão, sem pestanejar, aceitará. Depois da convenção, nada mais poderemos fazer. E se você, rapaz, ficar arrependido? Pedro Grão jamais largará o osso! Pense bem.

─ Arrependimento! ─ disse Charles. No mesmo ato, ergueu um braço, puxou a manga da camisa e verificou as horas no relógio. ─ Fique tranquilo. Não existirá qualquer arrependimento.

─ Acho que é só ─ fez, então, o presidente do partido, que soltou muito ar dos pulmões. ─ Charles deve ter algum compromisso importante. Sugiro que o dispensemos. Ele ministra aulas numa escola de informática. Fique à vontade meu rapaz!

─ Obrigado. Na escola, por enquanto, eu só trabalho de manhã ─ disse Charles, que sorria. Levantava-se. Despedia-se. ─ Agora, estou atrasado para outro compromisso e, realmente, é um compromisso importante.

Majestoso, aquele prédio situava-se numa elevação logo na entrada do bairro. Tinha dois andares e abrigava o Q. G. do Dr. Andrade. O ambiente era climatizado.

Lá fora, o sol distorcia os contornos abrasadores do casario. Apesar do declínio, às cinco e meia da tarde, a luz cozinhava o amianto sujo dos telhados. Qualquer improviso de borracha e arame simplesmente derretia sob aquele halo intenso e vermelho que castigava o mundo. Diante do bairro, Charles comemorou a leveza deixada pelo abandono de um verdadeiro fardo e, em seguida, começou a descer. O calor aumentava durante o trajeto bem como as moscas e o cheiro das manilhas.

Por vários dias, Charles carregara um peso avassalador. Incomparavelmente bom, livrar-se daquilo! Nem a oposição da tarde ao ar-condicionado ─ brusca, cruel, violenta e atroz ─ equiparava-se ao suplício encerrado há poucos minutos.

A casa dele ficava cinco quarteirões bairro adentro. Enquanto vencia a distância, Charles procurava se distrair. Pensava no filho. Teria, já, concluído a lição de casa? O que aprontava o pequeno Lauro àquelas horas?

Comentários

Boa noite André

A carapuça sirva a quem dela necessitar.
Crônica lançada em momento muito adequado.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …