Pular para o conteúdo principal

A TARTARUGA >> Sergio Geia


Comprei uma tartaruga. De carapaça marrom, com bolas avermelhadas dispostas em forma linear. A cabeça não é alaranjada, nem marrom-avermelhada. É verde. E com grandes olhos negros. Não tem pescoço. Pelo menos não o vejo. O que vejo são quatro pernas grossas e fortes. E um rabo.

Nessa minha vida já vi muitas tartarugas andando por aí. Normalmente, a tartaruga é um animal lento, macambúzio, desanimado da vida. Tem ritmo próprio, e devemos respeitar. É certo que quase sempre dá preguiça apreciar uma tartaruga comendo ou andando; pelo menos assim são os relatos que me chegam de vez em quando, de amigos meus que já viveram a experiência.

Pois a minha tartaruga é bem diferente dessas. É alegre. Eu nunca tinha visto uma tartaruga alegre. A minha é. Ela chega até a sorrir. É bem verdade que quando a comprei, as suas irmãs também pareciam ter a mesma alegria, o mesmo entusiasmo com a vida. Decerto é coisa de genética.

Ela fica paradinha na sala fazendo não sei o quê. Eu passo de um lado, e ela me acompanha com a cabeça. Eu volto, ela volta junto. É uma grande companheira e já me afeiçoei a ela no dia que veio pra cá. Se bem que sou daqueles homens que se afeiçoam fácil a um animal de estimação. Já tive dois. Dois cães. Gato não. Não gosto. Peixe também não. Muito menos hamster. Nunca pensei em ter uma tartaruga. Pois não é que a vida me pregou a peça, e cá estou com a minha!

Veja só. Agora que estou a escrever sobre ela, ela está aqui, sobre a minha mesa de trabalho, me acompanhando com sua cabecinha sempre balançando, como se estivesse a concordar com tudo que digo sobre ela. Vou escrevendo e falando em voz alta. Ela, com os olhos grudados em mim, balança a cabeça. Está certo que dela só falo bem, e aí, até um adorno de sala haverá de concordar.

Pois, amigo, não é que me esqueci de avisar dona Zezé, pessoa que me ajuda aqui em casa com a limpeza e os serviços domésticos, sobre a nova moradora? Fui trabalhar, deixei o dinheiro na estante, e só lá pelas cinco lembrei da coisa toda. Aí já era tarde. Como encontrei tudo do jeito de sempre, casa cheirosa e limpa, a tartaruga no lugar, achei que as duas se entenderam.

E realmente foi verdade. Se bem que dona Zezé me disse que levou um baita susto quando viu a pequena. Ela passava com a vassoura e a cabeça ia junto. Ela voltava e a tartaruga a acompanhava. Uma graça. Depois a examinou com cuidado, e viu que sua cabecinha estava presa na carapaça com um pequeno arame, o que a fazia se movimentar ao sabor do vento.

Só sei que as duas se entenderam e isso é o que importa. Já imaginou se desse lide?


Ilustração:http://www.supercoloring.com

Comentários

Wilson disse…
COMO SEMPRE, MAIS UMA CRÔNICA MUITO BOA. É UM PRAZER LER E SE DELICIAR EM LINHAS.
Zoraya disse…
Sergio Geia!!! que coisa, vc me pegou! mto legal kkkk
sergio geia disse…
Queridos Wilson, Eduardo, Zoraya, Darci, grato mais uma vez pelos comentários. Pois é rsrs, mas ela é uma graça kkkk
Cristiane Amarante disse…
Q legal! Vem aqui em casa q a minha morde até seu calcanhar...rsrs
Sueli Rodrigues disse…
Pois não me pegou não! Eu desconfiei foi cedo. Sua tartaruga é muito diferente. Mas foi muito legal,muito criativo. Parabéns!
sergio geia disse…
Grato, Sueli. Cris, já estou com medo rsrs
Anônimo disse…
Quando chegou pela parte que conta que o pescoço dela lhe acompanhava, ja comecei a perceber que não era real essa tartaruga rsrs! Mas muito criativo! Meus parabéns!
sergio geia disse…
Obrigado, amigo, pela leitura e pelo comentário. É verdade, há pistas na crônica que entregam. Venha sempre e poste seus comentários, isso é muito legal. Gde abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …