Pular para o conteúdo principal

NÃO DÁ NEM PARA AJUDAR >> Clara Braga

Chegando em casa, ao estacionar o carro, ela foi abordada por um senhor. Ele precisava de dinheiro para completar o valor necessário para comprar uma bombinha de asmático. Sabendo da gravidade do problema, já que ela também era asmática, não demorou para responder: eu não tenho o dinheiro para te dar, mas eu tenho a bombinha em casa, espera um minuto aqui que eu vou pegar para você. Ao voltar com o remédio o cara tinha sumido, a bombinha nada mais era do que uma desculpa plausível.

Um outro rapaz foi abordado por um outro senhor que precisava urgente de um remédio para o filho. O remédio era caro, não estava disponível na rede pública e ele, recém-desempregado, não tinha dinheiro para comprar. Sabendo que saúde é assunto sério e, provavelmente se colocando na mesma situação, o rapaz levantou da mesa de bar onde estava e se ofereceu para ir até a farmácia comprar o remédio para o senhor. Após levantar, se virou para seguir para a farmácia que ficava ao lado, quando foi falar com o senhor para perguntar o nome do medicamento só conseguiu ver o vulto do homem que sumiu entre as mesas. Mais uma desculpa plausível.

Aquela mulher passa de mesa em mesa explicando o problema da sua filha recém-nascida e diz que ela só pode tomar um tipo de leite específico e, claro, nunca é o leite mais barato do mercado. Enquanto você procura seu dinheiro, a mulher se afasta e canta uma música religiosa. Conheço várias pessoas que ajudaram uma, duas, até três vezes. Mas chegou um ponto que ficou difícil, já tem alguns anos que essa história se repete, essa criança continua recém-nascida e, se você ajuda mesmo sabendo que a história é mentira, percebeu que ela nem canta mais a música. Pelo menos decidiu parar de apelar para o lado religioso.

Em outra situação, o homem, acompanhado de sua esposa e um neném de poucos meses no colo, explica que tem apenas 15 reais no bolso, mas precisa comprar um remédio para o filho e, além disso, precisa de passagem para chegar ao hospital. O filho tem uma consulta e ele não tem mais dinheiro, gastou tudo com outros medicamentos que controlam a doença da criança. Pelo que ele disse, naquele momento ele precisa de 45 reais, sendo que desses 45 já tinha os 15. O casal se comoveu vendo o neném, não era possível que alguém fosse tão cara de pau para mentir com uma criança no colo, completaram o valor que faltava. Mas parece que óleo de peroba é a única coisa que esse povo tem dinheiro para comprar. Observaram o homem por um tempo e viram que ele abordou pelo menos mais três pessoas. Para todas ele disse que precisava dos mesmos 45 reais, ele só esqueceu de falar o valor que já tinha conseguido, continuou falando para todos que tinha apenas 15.

Aquele surdo que entrega um panfletinho que ensina você a falar o alfabeto em libras, pois é, pasmem, não é surdo coisa nenhuma.

De todas essas histórias, me senti a sortuda. Fui a única com um resultado positivo na ajuda. Quando fui abordada em um bar por um senhor que precisava de fralda para o filho, disse que estava só com cartão, não tinha dinheiro, mas como tinha uma farmácia perto, não me importava de ir lá com ele comprar a fralda. Para minha feliz surpresa, ele não sumiu, não deu desculpas, não reclamou, nem nada do tipo. Foi comigo até a farmácia, agradeceu muito, pegou a fralda e seguiu seu caminho. Me senti orgulhosa da boa ação, já que parece que não está fácil nem para quem quer ajudar os outros. Mas, como o mundo não é um mar de rosas, a minha história não podia ser a única diferente. Assim que terminei de contar meu final feliz, fui informada: você sabe que normalmente esse pessoal de rua não nega fralda né, afinal fralda e cigarro funcionam como moeda de troca para eles.

É… depois perguntam por que ninguém confia em ninguém. De agora em diante, o lema é ajudar ou não sem peso na consciência, cada um faz sua parte. E para essas pessoas que enganam os coleguinhas, saibam que eu não desejo mal para ninguém porque energia é algo que volta, mas tô rezando para que o tal ser superior que tudo vê seja um ser bem bravo!

Comentários

Conceicao Belo disse…
É Clarinha, está difícil até pra quem quer ajudar as pessoas.
Comigo aconteceu de dar pão e banana pra um mendigo que dizia estar com fome e ele jogar fora dizendo que estava cansado de comer pão e banana.
Fiquei indignada!
Beijo

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …