Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO DE DOMINGO >> Sergio Geia


No final da oitava volta, encontrei tio Milton saindo da igreja. Como sempre, perguntou de minha mãe, que luta contra um câncer, das crianças, e, por último, de mim. Tio Milton também não anda bem. Disse-me que é problema de intestino. Outro dia fez exames. Come pouco, mais cozidos, algum legume, vegetais “brócolis não”, nada de gordura ou abusos. Disse-me que no geral vai indo. Depois acrescentou: “como Deus quer”.

Tio Milton é o mais velho dos irmãos de meu pai. Ou seria tia Dayse a mais velha? Acho que sim. Tia Dayse era a mais velha dos irmãos de meu pai. Tio Milton veio depois. Viúvo, é meu vizinho aqui na JK. Lembro-me dos Natais na casa da minha avó, na professor Moreira. Tio Milton nos presenteava com uma caixa de Bis embrulhada em papel de presente. Todos os anos o presente não falhava. De tudo que ganhava, de brinquedinhos e badulaques, camisas e cuecas, era o Bis do tio Milton o presente que mais gostava.

Sua esposa sucumbiu ao câncer. Ele tinha experiência nesse tipo de batalha. Aliás, toda nossa família tinha. Perdemos tio Ademar, tia Dayse, tia Teresa — a esposa do tio Milton, e meu pai. Disse-me que tia Teresa submeteu-se a dez sessões de quimioterapia e radioterapia simultaneamente. Não aguentou. Nunca mais saiu da cama. O tratamento abriu feridas internas inimagináveis. Ela não conseguia comer.

Baixei no supermercado para uma comprinha. Mas, amigo, como as coisas andam caras!? Já viu o preço do azeite? E do condicionador? Desodorante então! Os produtos sobem todos os dias e o salário é uma galinha morta. Quem é servidor público então, como eu, tá danado. Aumentar salário de servidor público é um crime contra a humanidade.

Roseli, minha prima, esteve aqui em casa pra pegar um violão. Pediu emprestado. Disse que vai esperar pra ver se Brendinha engrena nas aulas. Pois dei de presente. Como diz um velho amigo, temos que simplificar as coisas, e hoje sou daqueles que têm mais passado que futuro. Já tenho um violão aqui na sala, que toco de vez em quando, pra que dois? “Emprestado não, Roseli. É presente meu”.

Fui almoçar com minha mãe no clube. Sonhava com feijoada gorda, torresminho, uns gominhos de laranja, cachaça pra abrir o apetite. Nada. Tive que me contentar com um bom churrasco. Bateu saudades do Pelourinho. Pois lá experimentei uma feijoada dos deuses, biscoito fino. O baiano sabe fazer uma feijoada carioca.

O clube anda cheio aos domingos. O calor empurra a criançada para a piscina. Mesmo assim minha mãe sentiu falta de encontrar amigos. A velha guarda não apareceu. Mas elogiou a coxinha, disse que o tempero estava bom. “Pois se você está dizendo, deve estar mesmo”. Ela me olhou torto.

De volta a casa dei uma espiada na televisão. Os programas de domingo estão ruins. Lembrei-me da manga. Sim, tinha manga na geladeira, uma manga-rosa que não amadurecia. No sábado, tratei de deslocá-la pra fruteira. Não é que deu certo? Estava boa a danada.

Deitei pensando na vizinha. Será casada? Solteira? Mas logo o pensamento me abandonou. Dormi.

Comentários

paulo pereira disse…
Em 1954 mudei-me para Taubaté. Precisava estudar.
Sempre fui muito chegado em futebol. Meu pai fora um bom jogador e eu pretendia ser igual.
Devo confessar que passei longe disto.
Mas, aqui chegando, fui procurar ver um jogo de futebol. Um primo me levou ao campo da predial, onde estava jogando um time chamado Comercial e, no qual, jogava meu tio, Edson Passarelli.
Claro que passei a torcer por este time.
No gol jogava um jovem minúsculo, magrinho, sem nenhuma força física. Quando vi aquele gloleiro entrando em campo, não acreditei.
Que bela surpresa! Ele pegou tudo. Era de uma habilidade incrível e de uma coragem sem igual.
Fiquei seu fã e, depois, ficando seu amigo, fiquei muito orgulhoso.
Ele se chamava Paulista e é o seu tio.
Zoraya disse…
gosto desses seus textos de memória familiar e cotidiano!
sergio geia disse…
Dr. Paulo Pereira, um orgulho ter o senhor aqui. Também me lembro de estar com minha mãe em seu consultório na rua Barão. O senhor me examinou e disse: "uma hepatitezinha". Fiquei um mês de molho rsrs. Sabe, Zoraya, é o que mais gosto de escrever. O cotidiano. Coisas simples, sem nenhuma relevância. Abraços e grato pelos comentários.
Fluiu bem a leitura do seu domingo, Sergio. :)
sergio geia disse…
Pois é, Eduardo, um domingo calmo, como deve ser todo domingo. Grato.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …