Pular para o conteúdo principal

DAS COISAS BÁSICAS DA VIDA >> CLARA BRAGA

Quando o despertador toca começa a rotina. Levantar, escolher qual roupa limpinha vou usar, ir ao banheiro e ter sempre papel higiênico. Depois do café é só escovar os dentes com a escova nova, com o tubo de pasta cheio. E se for dias de glória, na gaveta sempre tem um absorvente novinho em folha para segurar o dia. Aliás, se o dia for muito longo, na bolsa vai outro também limpinho, junto com um creme de mão e um álcool em gel para garantir a higiene caso vá fazer uma refeição fora de casa.

Pasta e escova de dentes, papel higiênico, creme, absorvente, desodorante, perfume, álcool, todos objetos tão comuns e tão básicos no nosso dia a dia que ninguém para e fica refletindo muito a respeito deles, a não ser quando falta.

Ninguém pensa no quão importante é o papel higiênico até ele acabar e você ainda estar lá, sentadinho no trono. Ou no quão importante os absorventes são na vida da mulher, até ele vazar te deixando suja e o pacote da gaveta estar vazio! Ou ainda aquele jantar surpresa que seu namorado programa para quando você sair do trabalho e você, desprevenida, percebe que precisa renovar o desodorante, mas não tem um em mãos.

Enfim, poderia citar várias situações desconfortáveis e, ainda assim, nenhuma seria considerada um problema gigantesco, afinal, com uma ida à farmácia já se resolve tudo. E é exatamente por essa facilidade e pelo uso automático desses objetos que quase ninguém para e pensa que, para outras pessoas, todos esses itens são artigos de luxo!

Sim, mais perto de você do que você imagina tem uma mulher que não sabe quando a próxima menstruação dela vai descer, mas sabe que, quando acontecer, ela não vai ter um absorvente para colocar, isso se tiver uma calcinha.

Eu mesma confesso que nunca tinha pensado nisso até ver uma reportagem genial no jornal. Duas meninas, após serem abordadas em mesas de bar por mulheres de rua em busca de absorvente, começaram uma campanha muito legal. Elas juntam bolsas que não usam mais, enchem com esses itens básicos e saem na rua distribuindo para mulheres em situação de risco. Me apaixonei instantaneamente pela campanha, é o melhor exemplo de que para fazer sua parte e ajudar o próximo é só querer, não tem desculpa de dinheiro ou de tempo. Nada mais prático do que pegar uma bolsa que você não usa e encher de itens que você já vai ter que comprar mesmo, afinal, você não vai ficar sem. Deixar a bolsa dentro do carro e quando vir uma mulher que necessite desses itens, você doa. Não precisa ligar para lugar nenhum, não precisa ir doar em um local específico, não precisa entrar em contato com ninguém para ir buscar a doação, é só fazer seu kit e doar quando puder para quem julgar necessário. Poderia ser mais lindo que isso? Acho que não!

Depois de ler sobre essas mulheres no jornal, já vi diversos grupos se movimentando para fazer a mesma coisa. Achei realmente muito interessante, afinal, se pensamos em doação e pessoas necessitadas, pensamos logo em ajudar com comida, dificilmente pensamos em gestos simples como: brincar com crianças carentes, passear com cachorros abandonados e que estão sendo cuidados por ONGs, disponibilizar um tempo para ler livros para pessoas cegas, enfim, é tanta coisa que essa desculpa de dinheiro e tempo começa a se mostrar cada vez mais furada.

E é por isso que hoje, aproveitando esse dia da mulher, estou montando meu kit para doar e convido todos a fazerem o mesmo, aliás, é muito bonito ver que além de estarem cada vez mais conquistando seus espaços, as mulheres estão se unindo para ajudarem umas as outras, acabando de vez com o clichê furado de que as mulheres só se enxergam como rivais e nunca como aliadas. Ajude quem precisa, faça sua parte e vamos em busca de dias das mulheres com mais amor e menos clichê.

Comentários

Analu Faria disse…
Tem uma campanha de doação permanente tb :) Se quiser, depois te passo o endereço do grupo.
Ana Braga disse…
Oi Clara, nunca mais comentei nenhuma crônica mas não quer dizer que não te siga. Esta, especificamente me deixou para variar chorando. Amo a sua sensibilidade e o uso que você faz dela na sua existência. Vou fazer isso agora! Estarei preparada para fazer a minha parte.
Bom exemplo, Clara. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …