Pular para o conteúdo principal

VOCÊ DUVIDA? MAS FATO É: EU SEI CAMINHAR
>> Carla Dias >>


Eu gosto de caminhar. Falta-me, confesso, o tempo dos calibrados pela disposição. Morro de inveja de quem não usa a frase “trabalho demais, então, não dá”, porque ainda não encontrei esse botãozinho que se aperta para que dê. Minha amiga diz que tudo gira em torno de um botãozinho sapiente que nos desperta para capacidades que julgávamos impossíveis: o início da dieta, a visita aos pais, a confissão de amor secreto, a caminhada, a primeira de.

Eu já caminhei muito nessa vida, pode acreditar, porque não tenho motivo para mentir. Caminhei por prazer, mas também por necessidade, usando aqueles passos que nos cansam, antes mesmo de acontecerem, como se fossem inapropriados para a jornada.

Antes que reverberem advertências: não tenho preguiça de caminhar. Na verdade, é algo que me dá muito prazer, principalmente porque tenho gosto pela observação da arquitetura das casas, dos prédios, do residencial e do comercial. Gosto de observá-los, enquanto passo por eles, música se engraçando comigo pelo fone de ouvido. Até a arquitetura das pessoas eu gosto de observar. Assim como as casas e os prédios, elas têm personalidade. Algumas revidam meu olhar com indiferença, outras, com curiosidade. Há aqueles que sorriem para mim a troco de contemplação. Em dia de boa sorte, há pessoas que me dizem gentilezas, emendando, mesmo sem saberem, a minha fé na humanidade.

Caminhar também incita o meu sonhamento. Quer me ver sonhar acordada é me botar para caminhar um caminho longo, longo, mas que não grite por retorno imediato. Retornos imediatos me fazem sentir cansaço antecipado. Aí já viu, descaminho. E a vida fica apressada, como se disputasse uma maratona.

Já caminhei muito para mostrar novidade a quem dela não sabia, como um novo restaurante, uma nova casa de show, e a melhor de todas: aquela padaria. Parar no meio do caminho para um café espresso ou expresso ou expressivo ou apenas experimental, gastar tempo com conversa fiada em cadência de agradamentos, que eles combinam lindamente com o perfume e a quentura do café.

Agora mesmo eu estou caminhando. Enquanto teclo meus pensamentos, caminho. Pode não ser a caminhada que se encaixe, perfeitamente, na sua concepção de caminhar. É que a literalidade tem seus momentos de preguiça e permite metáforas. E este é um milagrezinho que me apraz.

Caminho sem que tempo me segure pelas mãos, temperatura e temporais me impeçam de dar o passo. Nem mesmo o cansaço, o excesso disso e daquilo dos afazeres cotidianos me seguram. Eu caminho. Minha alma caminha. E apesar de ela não colaborar com a minha forma física, eu só desejo bem a ela. Desejo longas, atrevidas, inconstantes, infiéis à simetria, lúdicas, inspiradas, musicais, gentis, desbravadoras, sábias, catárticas caminhadas.

E quem quiser, pode me acompanhar.

carladias.com.br

Comentários

Analu Menezes disse…
"(...)a literalidade tem seus momentos de preguiça e permite metáforas. "
Genial, moça. :D
Eu também caminho, mas diferente de você não olho pra ninguém, sigo meu percurso sem me ater a quem o cruza...gosto da noite, justamente porque não tenho que encarar ninguém, me sinto, talvez, mais protegida, por incrível que pareça...
Fernando Pacman disse…
Passando para conhecer o blog e já aproveitando para parabenizar pelos seus textos, são excelentes. Faz com que possamos refletir um pouco e isto é sempre muito bom.

Estou seguindo seu blog para acompanhar as atualizações e sempre que puder fazer uma visita.
Abraços

http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/
Carla Dias disse…
Analu... Eu já fui das que não observavam as pessoas a minha volta, ou no meu caminho. Posso lhe garantir que não é preciso encarar, e que contemplar vale a pena. Beijo.

Fernando... Muito obrigada! Fico feliz que tenha gostado.
Já dei uma passeada pelo seu blog. Bem bacana, viu? Vamos nos visitando :)
Abraço!
Zoraya disse…
Carla, Querida, você se superando a cada dia. Caminhe em direçao ao livro...
Carla Dias disse…
Zoraya... Caminharei :) Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …