Pular para o conteúdo principal

A ATMOSFERA LOUCA DE UM BANHEIRO DE ACADEMIA >> Mariana Scherma

Reza a lenda de que os homens sentem uma curiosidade monstra de saber o que as mulheres tanto conversam no banheiro. Confere? Bom, eu só frequento banheiros femininos desde que nasci por razões óbvias e, confesso, ando meio cansada desse bate-papo, principalmente no banheiro da academia, onde a gente toma banho – fator que prolonga um pouco mais as discussões de mulherzinha. Admito que nunca aprendi nada nesses momentos entre uma passada de xampu e outra de condicionador. Só desenvolvi a curiosidade de saber o que os homens conversam no banheiro masculino, na esperança de ser um papo mais divertido. Porque você sabe, a grama é sempre mais verde do outro lado...

Alguma coisa na atmosfera do banheiro da academia deve forçar as mulheres a falar de dieta, comida e quem pode ou não usar calça legging. Acho que não é culpa nossa essa paranoia, deve ser o vapor dos chuveiros pós-ginástica, só pode. Dia desses, quando entrei esbaforida para o meu banho, a cena foi impagável. Uma mulher no centro da roda e outras quatro em volta recebendo dicas de regime: “não compre pacotes grandes de bolacha, compre aqueles individuais da Bel Vita, assim você não come o pacote inteiro!”. “Não coma bolachas recheadas, duas delas fazem você perder todo o seu treino”. Ainda não sei, mas acho que a fulana tem ações da Bel Vita, sei lá... Tentei vestir minha capa da invisibilidade e fui correndo pro chuveiro, mas me detectaram e me chamaram pra conversa: “o que você come no café da manhã?”. “Como uma banana com iogurte e tomo café”, respondi já entrando no chuveiro. Mas elas não se contentaram, queriam saber qual iogurte, se é light ou não e blábláblá. Ah, e se coloco açúcar ou adoçante no café. Porque se eu coloco açúcar, também perco meu treino. Oi?

Só sei que quando terminei o banho, a fulana do meio da roda estava passando uma receita de torta de brócolis com ricota para suas seguidoras. Nisso, entrou uma outra mulher no banheiro e sugeriu que ela fizesse com queijo cottage light, que tem menos gordura ou menos algo do tipo. Menos sabor, de certo. Será que toda academia tem esse bate-papo? Será que quase toda mulher no mundo é viciada em falar de regime? Será que as intelectuais também conversam sobre como cortar calorias? Fiquei pensando se as grandes pensadoras que fazem academia se juntam nesse tipo de conversa. Como se o banheiro da academia tivesse uma dimensão que deixa toda a intelectualidade de fora... Será que se a Simone de Beauvoir, se fizesse academia, trocaria receitinhas e sugestões da Bel Vita da época com as colegas? Eu sou o tipo de pensadora que só pensa besteira, sou uma intelectual bem meia boca, mas tenho a maior preguiça dessa conversa de regime. Malho porque adoro a sensação de endorfina, pra repetir a sobremesa no domingo e – de forma nenhuma – compactuo com essa turma do banheiro. Ah, não mesmo.

E aí, fico viajando na cena: imagina se um homem desavisado entrasse no nosso banheiro e ouvisse a conversa. Sentiria tédio ou fome, no mínimo. Porque, pra mim, falar tanto de comida me faz sentir fome, só isso. Na sequência, ele contaria aos amigos o tipo de conversa que existe no banheiro das mulheres e o mito talvez morresse aí. Mas não rola generalizar os banheiros e as mulheres, porque eu ainda acredito que exista algum banheiro de academia por aí no qual as mulheres contem piada, falem um pouquinho de futebol e nem sonham em falar mal da roupa da fulana de corpo sarado. Se ela tem corpo sarado, ela pode usar legging. Ela pode usar legging branca se ela quiser. Se ela não tem, também pode. Ninguém paga as contas dela. Seria um banheiro dos sonhos. Se alguém souber de alguma academia onde role esse tipo de conversa, por favor, me avise. Enquanto isso, vou entrando muda e saindo calada, mas cheia de dicas sobre regime e com vontade de comer a bolachinha Bel Vita.

P.S.: fui fazer meu café e quase desisti do açúcar pra "não perder meu treino". Mas acho que café com adoçante não é coisa de Deus, não...

Comentários

Naiara disse…
Vc acha mesmo que a culpa dos papos do banheiro é da fumacinha....a culpa é do patriarcado minha querida, teorias feministas....
lukas disse…
Kkkkkk gostei muito da cronica :)
Eu sempre quis saber o q as mulheres falam no baheiro,apesar de ja se ter uma,aliás,várias ideias
Zoraya disse…
òtima, Mariana. Só tenho uma notícia ruim: parece que esse papo indigente não se restringe mais aos banheiros de academia não. Já sentou perto de uma mesa só de mulheres no bar? A coisa tá feia...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …