Pular para o conteúdo principal

COMO UMA LUVA >> Sílvia Tibo



Num dia desses, enquanto passeava pela página do facebook, me deparei com a seguinte frase, compartilhada por uma amiga: “Tem coisa que só sai da gente por escrito”. 

Não faço a menor ideia de quem seja o autor da mensagem, mas, ainda assim, tomei a liberdade de reproduzi-la aqui, entre aspas, porque seu conteúdo me caiu como uma luva. 

Nunca fui de falar muito. Na escola, era das mais quietinhas da turma. Escolhia sempre um lugarzinho mais ao fundo da sala, a fim de me concentrar sem ser vista. Quanto às dúvidas, tratava de ir anotando uma a uma ao longo das aulas e de encontrar resposta pra elas sozinha, pesquisando por aí, ou, em último caso, numa conversa reservada com o professor, quando a isso ele se dispunha. 

Nem mesmo o curso de Direito foi capaz de desenvolver em mim o dom da oratória. Ao longo dos cinco anos de faculdade, precisei passar por cima da timidez e me virar pra falar em público por inúmeras vezes. Mas, a despeito disso, jamais me considerei (nem me considero) boa nesse departamento. 

Invariavelmente, durante o curso, preferia as avaliações escritas, dissertativas, àquelas provas orais, durante as quais eu tremia dos pés à cabeça, antes que as palavras começassem a sair, aos trancos e barrancos, da minha boca. E a impressão que eu tinha, ao final da apresentação, era sempre de que alguma informação importante havia ficado pra trás, presa na garganta. 

É. No meu caso, acho que “quase tudo só sai por escrito”. Angústias, medos, decepções, assim como afeto, alegria, satisfação. Quase nunca consigo externar qualquer desses sentimentos através da voz. Por outro lado, basta ter papel e caneta ao alcance das mãos para que venha aquela coragem deliciosa de expressar tudo o que se passa na cabeça e, sobretudo, no coração. 

Ah... o coração! Não tenho dúvida de que o meu quase desconhece a linguagem falada. E talvez por isso escrever seja minha grande paixão. Sem dúvida, a escrita é, pra mim, a linguagem do coração. 

Comentários

odette castro disse…
Esta frase eh do transverso coletivo. Mal sabia que dali voce faria esta cronica tao linda...Parabens

Juraci disse…
E como você escreve bem... Exatamente, porque fala pelo coração!
Parabéns!!!
Beijão
Pai
Cynthia França disse…
Nossa, é exatamente assim que me sinto! Você disse TUDO! Parabéns pela crônica!
silvia tibo disse…
Querida Odette... eu, como sempre, fuçando seus 'posts', né?
'Brigada pelo carinho! E por ler meus rabiscos...rs.
Beijo grande.
silvia tibo disse…
Tks, daddy... ;0)
silvia tibo disse…
Cynthia,
Conhecendo as suas duas lindas obras literárias, não tenho dúvida de que você também fala pelo coração...
Beijo grande!
Zoraya disse…
Silvia, há algum tempo nao comento seus textos, mas aproveito esse para resumir todos os outros: ótimo além da conta! É sempre um prazer te ler.
silvia tibo disse…
Querida Zô!
Sempre generosa comigo, né?
Obrigada por gastar uns minutinhos lendo meus rabiscos...
É um prazer saber disso!
:)
Beijo grande!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …