Pular para o conteúdo principal

ONDE SE RECARREGA A PAZ DE ESPÍRITO? >> Mariana Scherma

Pela segunda vez na vida, eu fui assaltada. Nada de muito dramático: o sujeito me abordou na saída do trabalho e levou meu dinheiro e celular. Ainda ficou irritadinho porque eu, tremendo de medo, não achava a carteira nem o celular, perdidos no buraco negro que habita minha bolsa. Tinha pouca grana e meu celular valia menos que o dinheiro que eu tinha, ou seja, o sujeito conseguiu comprar meia dúzia de cigarros de maconha, uma pedra de crack e olhe lá (não que eu saiba o valor dessas coisas, tô só supondo). Mas esse tipo de gente não pensa no futuro, amanhã, quando seu estoque de substâncias ilícitas tiver chegado ao fim, é só ele abordar outra pobre alma, prestes a perder um bem muito mais valioso que um celular: o sossego de andar tranquilamente pelas ruas.

E é isso que mais me deixa brava com os assaltantes. O ato em si já é terrível, tirar de alguém algo conquistado com trabalho honesto vai ser sempre um crime nojento. Mas um ladrão acaba levando da gente uma tranquilidade que demora a ser alcançada outra vez. Eu moro pertinho do trabalho e ele me abordou no caminho que faço todo santo dia. Ele me tirou a paz que é andar pela rua com os pensamentos ligados no modo shuffle. Agora, ando repetindo a mim mesma: “tem alguém estranho atrás? Vai mais rápido! Olha pra trás de novo!”. Minha paz de espírito é um dos meus maiores bens. E agora, estou naquela fase em que meus pensamentos me fazem agir como se eu estivesse caminhando por um campo minado.

Saio à noite do trabalho, não tarde, mas já está escuro. E ouvi de um fulano algo como: “mas você estava pedindo! À noite, nessa rua?”. É uma rua pouco iluminada, ok, mas pedindo pra ser roubada?! Acho um insulto como algumas pessoas pensam. A violência nunca vai ser um fato banal pra mim. Eu me recuso a esperar ser assaltada em cada esquina, apesar de agora estar andando ainda mais prevenida, ou melhor, desprevenida: nada de documento, quase nada de dinheiro, zero cartões. Chave na mão. Na bolsa, só mesmo o que não rola carregar na mão e não tem valor. Esse medo que a violência nos faz sentir é a pior parte do assalto, não que exista uma parte melhor.

E o que fazer? Enquanto existir gente que acha mais fácil ganhar dinheiro tirando dos outros, que está com a consciência tão noiada que não vê problema em não ter consciência dos atos, o melhor que a gente faz é se recuperar rápido do trauma e contar com a solidariedade dos amigos. Eu, agora, volto de carona com minhas amigas queridas (que entendem minha tremedeira ao sair do trabalho e assustar às vezes com minha própria sombra, mas vai passar, eu sei. Já passou uma vez...). Tentar ver algo positivo do acontecido também é sempre uma boa: um monte de ex chato não tem mais meu número de celular (achei o ocorrido um incentivo pra mudar o número). Ah, e ganhar o apoio do vizinho gato, que tentou consolar uma chorona desesperada, não é nada mal...  Mas absolutamente nada que seja suficiente pra justificar a falta de paz que eu estou enfrentando.

Hoje em dia, é assim: se você nunca foi assaltada, as pessoas assustam como se você fosse um alien que acabou de chegar a Terra. Infelizmente. Pra melhorar? Mais educação, mais iluminação nas ruas, leis mais severas, salários decentes, menos impostos... Tem muita coisa que pode ser feita pra diminuir os crimes, mas ainda não inventaram um jeito de fazer brotar consciência em pessoas que atormentam sua tranquilidade. E isso, pra mim, é o mais urgente de tudo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …