Pular para o conteúdo principal

A DEDICATÓRIA >> Whisner Fraga

O livro estava em destaque na estante e minha mãe ficava radiante quando alguém o via e perguntava qual assunto ele abordava. Ela aproveitava para mostrar a dedicatória na folha de rosto: "A queridíssima Izolina, com profunda admiração e carinho, de sua amiga, Fulana de Tal". Não me lembro o nome da autora e tampouco o título da obra. Em duas ou três vezes em que estive em Uberlândia, ela me perguntou se eu sabia algo sobre o autógrafo. Não, eu não fazia ideia.

Então ela relia o pequeno texto e tentava decifrar a idade daquelas frases. O livro fora lançado em 1973, disso eu me recordo bem, mas a bonita inscrição datava de 1998 ou algo do tipo. Questionava-me se era coisa minha, se eu solicitara à autora que assinasse. Não, não mesmo. Então ela pedia para que eu examinasse outra vez a letra, que era até familiar para mim, mas nada além disso. Daí, ela franzia as sobrancelhas, tentava recuperar algo perdido na memória e, com um suspiro doído, recolocava o exemplar em seu lugar de honra.

Em outra ocasião eu revia aqueles caracteres quando meu irmão chegou. Mamãe imediatamente requisitou a ajuda dele, que, sério, seriíssimo, alegou desconhecer completamente qualquer detalhe daquele oferecimento. Disse que talvez alguma amiga dela fosse a responsável. Dona Izolina o encarou, fez cara de descontente e concluiu que não era nada daquilo. Era um mistério, isso sim.

Como nada daquela história nos afetava, esquecíamos o assunto tão logo o livro de autoajuda era recolocado na prateleira. Só que, para minha mãe, a coisa toda fazia muita diferença. Para ela havia uma pessoa famosa, uma sábia,que a considerava amiga e que tivera a consideração de lhe escrever algo tão bonito, tão sensível. E ela não podia simplesmente esquecer que tinha uma conhecida tão chique. E me questionava: "Essa editora é conhecida, não é? É uma editora grande, né?" Sim, eu replicava.

Era setembro e combináramos, eu, minha irmã, sobrinha, irmão e mãe, de ir a um boteco vizinho para comer uns espetinhos e beber uma cerveja. Sempre que podemos vamos ao bar do Pedrão, que fica bem no centro da cidade. Naquela esquina, certa vez, sequestraram meu irmão e roubaram seu carro. Abandonaram a caminhonete em uma fazenda a 50 km dali - certamente eram bandidos fugindo de algum outro crime.

Acertamos de nos encontrar no apartamento de mamãe, que nunca havia mostrado a dedicatória à minha irmã. Aproveitou a ocasião, sacou a obra da estante e falou: "Você conhece essa pessoa? Sabe como foi que ela autografou esse livro para mim?" Ariadne começou a rir, continuou a rir, gargalhou e não queria dar uma pista sequer. Deixou Dona Izolina maluca. Ao fim de dez ou quinze minutos de tortura, ela soltou: "Essa letra é do Weslei". Minha mãe fez cara de "Como assim?" Certeza, a letra é do Weslei. Meu irmão, lá do canto, não se aguentava mais. Sim, a letra era dele. Depois de cinco anos de mistério, descobríamos que tudo não passava de uma sacanagem que meu irmão fizera com mamãe.

Comentários

Zoraya disse…
Ahhhh, genial! Morri de rir. Mas, vem cá, depois dessa sua Mãe deserdou seu Irmão, né não? Muito bom.
whisner disse…
Zoraya, até hoje minha mãe fica chateada quando tocamos no assunto. E, claro, como filhos, adoramos tocar no assunto... Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …