Pular para o conteúdo principal

INCURSÃO XVII: DA MÁQUINA DE ESCUTAR CACOS DE VIDRO >> André Ferrer

“Suspiros, choros, gritos escutei ressoando no ar baço de estrelas, de quanto ao começar também chorei ­ Línguas várias, horríveis falas delas, e palavras de dor, acentos de ira, vozes altas e roucas, batedelas de mãos com mãos, tudo em tumulto gira, naquela aura sem tempo destingida, como areal que um turbilhão aspira.”
(A Divina Comédia, Inferno, Canto III – Dante Alighieri)


Era agradável caminhar num dia quente como aquele. De quando em quando, a luz do sol penetrava o dossel de coníferas e o nosso corpo ficava ainda mais ansioso durante a caçada ou a pescaria.

Atravessávamos a floresta em alerta máximo. A qualquer momento, um cervo ou galinha selvagem poderia surgir. Tirante o peso das mochilas e dos rifles, a paisagem e o gozo daquele intento nos aliviava. Era muito bom que as agulhas de pinheiro crepitassem sob os nossos pés calçados com mocassins. Há vários centímetros do chão verdadeiro, a sensação era de voo. Decerto que voávamos auxiliados pelos despojos da floresta. Uma camada de matéria orgânica desprendida do cume das coníferas a nos elevar ainda no primeiro ensaio. E seriam tantos os voos futuros! Cada vez mais alta, com motivações bem distintas da caça e da pesca, a nossa equipe repetiria a caminhada no correr dos tempos.

Ao meu lado, um ser tão brilhante, que eu mal conseguia firmar os olhos na sua direção. Era de cor violácea e turquesa e mudava de cor enquanto me obrigava a olhar mais adiante: um ser opaco, ainda assim iluminado, flutuava sobre o solo verdadeiro na mesma altura em que eu e o ser brilhante estávamos – a uma distância, é necessário dizer, bem maior do que a de costume nas pescarias e caçadas do passado – e isto deixava nós três emocionados – havia outros, eu sentia, mas não lograva identifica-los.

O mais opaco era também o tagarela: recebia-me, sempre, com alguma frase edificante e, várias vezes, já repetida.

“Fora da caridade não há salvação”, era uma das preferidas.

O ser iluminado, azul e violeta, fazia-me refletir profundamente sobre a virtude do silêncio.  “Quem sabe, Alan Moore tenha visitado este plano, tamanha a semelhança do meu amigo de pescarias com o célebre Dr. Manhattan!”, eu pensava.

“Indiferente. Totalmente indiferente”, fez o brilhante para o ser opaco. “Escute uma coisa, humanista crédulo e irracional. Pare de repetir sandices! Assim, você interfere na educação do nosso protegido terreno. Cale a boca! La embaixo, a tolerância já basta... Já é um tipo bem justo de caridade. Suportar o mundo e os homens chega a ser heroísmo.”

Em outro episódio – não menos “quadrinesco” –, vi-me numa geringonça voadora. Seu interior, tão exíguo quanto ao dos nossos helicópteros militares. A minha “equipe” andava prestes a saltar a guisa de boinas verdes, marines ou o que o valha, porque um avião tinha despencado. Assim, o sujeito opaco incumbiu-me do porte de uma caixa – a tal máquina de escutar cacos de vidro.

Eu estava apavorado. Como ser menos evoluído, missões assim me pareciam confusas e misteriosas. Um homem que não teme ações do gênero, definitivamente, ou está livre das vicissitudes materiais ou está muito perto disso! Não era o meu caso. Portanto, amarelei no momento do salto. Centenas de metros abaixo – muito mais alto, evidentemente, do que uma pútrida camada de folhas podia alcançar –, um avião de carreira jazia destroçado. Almas em cinzas, dentro e fora da área de impacto, aguardavam o resgate. O Dr. Manhattan podia vê-los. Eu e o outro não podíamos ver nem ouvir.

Então, o “brilhante” afastou o “opaco”. Pediu que cessasse a tagarelice. Riu-se dele e de meia dúzia das suas frases prontas.

“Acalme-se”, disse para o trêmulo, que era eu. “Pense naquele regato onde pescávamos”, sugeriu.

Quando isso acontece, meus sonhos terminam calmamente. Acordo. Lembro-me apenas de fragmentos que, durante o dia, tento emendar e dispor com algum sentido. Naquela manhã, foi exatamente assim.

Dr. Manhattan atirou energia sobre mim. Lembro-me de ter entrado nos destroços. Ajudei o irmão “opaco” – grande atirador e recordista da modalidade fly fishing –, a montar a máquina. Estávamos sozinhos. Logo, Dr. Manhattan agia no resgate porque apenas ele podia vê-los. Da nossa parte, juntamos as tais amostras de vidro moído e colocamos no compartimento analítico do aparelho.

Indescritível.

O coro das vítimas do acidente, instantaneamente gravadas nos cristais de silicato, ainda ecoa, terrível, real, suplicante, dentro da minha cabeça.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …