Pular para o conteúdo principal

LAURA, ISSO PASSA [Ana González]

Ela tem vinte e cinco anos. Clara e cabelos escuros na altura do pescoço. Maquiada, brincos e uma roupa alinhada. Era um almoço de aniversário, um churrasco no alto do prédio, com ampla visão do bairro e da cidade, o Museu do Ipiranga ao longe, com farta vegetação à volta, o céu azul e um calor convidativo à cerveja e à celebração.

Mas, ela era só tristeza. Dos lábios vermelhos de batom, saíram palavras de mágoa. O namoro tinha acabado havia quinze dias. E o que doía mesmo era a maneira como ele terminara o relacionamento. Foi se afastando, devagarzinho e depois, pelo telefone, rápido e sem muito tempo para conversa. Na verdade, isso era o grande desconsolo. Frustrante. Como? Sem explicação?

Durara por longos cinco anos e meio. Onde empacotar e guardar tanta memória? Em que desvão da vida enterrar um amor desastrado? Chegara a hora de revisão dos comportamentos: aquele dia, aquela conversa, aquele telefonema. Agora talvez tudo fizesse mais sentido.

Infelizmente, uma história pouco original. E a reação de Laura possivelmente também repetirá o lugar comum. Ela vai chorar, sofrer, conversar tempos longos com amigas, ao vivo e por telefone, skype e msn, envelhecendo e encorpando a tristeza e as mágoas, ouvindo as opiniões variadas, medindo e comparando as sugestões.

Entretanto, nada aliviará as sensações de altos e baixos, de humores e emoções voláteis, imagens a lhe visitar os olhos vidrados, a atenção distraída. Quem solucionará o problema? Quem lhe falará a palavra mágica que a libere da dor de amor?

Ninguém, Laura. Essa demanda será tempo perdido. As soluções são, em geral, paliativas e não vão á raiz.
 
Sei que será muito difícil você me ouvir, pois todo o contexto social lhe conta uma história diferente, que pesa em seu comportamento de forma muito sutil. Ouvi escapar de sua boca a reclamação com tom fatal: “Já tenho vinte e cinco anos.” Você talvez acredite mesmo que sua vida só será completa quando se casar. Talvez se sinta sem opções e - pior - velha.

Você se permitirá outras alternativas? A sugestão para abrir espaço entre sua dor e a realidade talvez não faça sentido. Se eu lhe pedir que coloque em outra perspectiva o sofrimento, no canto que lhe cabe, fará menos sentido ainda. Como observar de forma mais distante se dói tanto? É difícil relativizar o sofrimento neste momento de falta em que escorregamos para um buraco que se abre.

Em vão tento um diálogo mudo e me faço cúmplice a partir do feminino que nos une. Lembro neste instante de todas as mulheres que já se sentiram assim tão sem esperança em momento de plena juventude. Tão aberta à parceria e a uma vida a dois. O peso que sobrou para você, muitas mulheres já levaram e continuam levando nos ombros. Uma espécie de luto pela perda de um sonho, sem contar o abandono da própria identidade em relação a um conceito social cobrador e até repressor.

Laura, esse tipo de homem não dá. Você apostou muitas fichas nesse jogo. Foi fiel. Hoje, você pede revanche à vida: “Ele ainda vai se lembrar de mim.". Não vai, Laura. Ele vai tentar esquecer tudo e vai fazer novos relacionamentos, criar novas situações. Para se lembrar, teria que ser outra pessoa.

Seja você outra pessoa. Seja a mulher linda que você é. Lembre-se agora das mulheres de Atenas, das turcas de hoje, das mulheres de todos os tempos e de todos os lugares. Ponha-se ao largo dessa tormenta. Nem é necessário queimar sutiã ou dizer palavras de ordem. Faça uma revolução interna. Que seja breve este momento triste.

Depois dele, faça a sua hora de preparo para o momento seguinte, para o encontro com o masculino, em outra esfera de grandeza. Haverá outro homem à sua espera. Mude a cor do batom e refaça a maquiagem.

Isso, com certeza, vai passar.

www.agonzalez.com.br

Comentários

Anônimo disse…
Lindo Aninha!! Bjos
Pri
Ana Vargas disse…
Espero que a Laura guarde suas palavras no coração, Ana.
Elas valem muito.

Ana Claudia
Varlice disse…
O remédio para o mal da Laura, assim como para qualquer outro mal, tem um nome: tempo.
Ele passa, nós também passamos e os sofrimentos se tornam poeirinha na estrada de nossas vidas.
Zoraya disse…
Ana, cometário tardio. Que beleza de texto, hein? Bem podia ser dado como presente de 15 anos a todas as meninas, para se tornarem mulheres menos sofridas. Beleza!
Ana González disse…
Zoraya, não existe comentário tardio.O tempo é muito relativo..rs. Sua presença é importante. Isso sim é valia. Obrigada. Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …