Pular para o conteúdo principal

SABER GANHAR >> Fernanda Pinho




Ganho muito mais presente do que eu espero e do que eu mereço. E isso vem desde sempre. Tenho várias fotos minhas em diferentes aniversários soterrada por uma montanha de presentes. Muitos repetidos. Sempre havia mais de uma pessoa interessada em me dar o brinquedo da moda. Mesmo depois de adulta e já tendo abandonado as festinhas, continuei sendo presenteada no meu aniversário e, principalmente, aleatoriamente. Vira e mexe ganho alguma coisa de alguém.

Já atribui isso à minha sorte, mas analisando bem, acho que existem outras explicações (se você não ganha muitos presentes e gostaria de up na situação, tome nota).

1 – Eu gosto de qualquer coisa. Me julguem, mas eu sou assim. Tenho uma tendência a achar que tudo está bom, bonito, barato. E quando chega até a mim sem o menor esforço da minha parte, melhor ainda. Além disso, em se tratando de presente, eu sempre levo em consideração o gesto, a intenção, o fato da pessoa ter pensado em mim e, se o carinho do outro não for motivo suficiente, o que será?. Pra não dizerem que não tenho personalidade, dou um exemplo: eu não gosto da cor azul. Então eu não compraria nada azul pra mim. Mas se eu ganho, uso até virar pano de chão.

2 – Faço coleção. De girafas. Se você não sabe disso, prazer, Fernanda. Todo mundo que me conhece já foi devidamente comunicado do fato e, sem querer, criei uma estratégia de marketing pessoal incrível. Me conhece e vê uma girafa? Lembra de mim. Então diariamente eu ganho fotos de girafas no mundo virtual e, frequentemente, no mundo real, ganho pelúcias, esculturas, chaveiros, bijuterias, camisetas e uma infinidade de objetos girafescos. Vejam bem, eu não peço, as pessoas simplesmente me dão e eu fico imensamente grata e feliz por isso. E aí chegamos ao terceiro tem.

3 – Eu demonstro satisfação com as coisas que eu ganho. Não fico inibida e não digo que não precisava (a pessoa sabe que não precisava. Mas resolveu me presentear por livre espontânea vontade, certo?). Minha única preocupação é conseguir demonstrar minha gratidão do jeitinho que eu a sinto. Sabe esse povo que mostra o presente pra todo mundo, que quer arrancar a roupa e botar a que ganho na hora? Sou dessas.  Às vezes até choro. Ser for livro, então, começo a beijar as páginas, uma sem-vergonhice danada.

E sabe o que eu acho? Que talvez tenha escrito os dois primeiros itens só pra dar emoção, porque sinto que  o terceiro é o fator determinante. Meu marido já comentou como quem não quer nada (ou talvez como quem quer ganhar mais presentes) que a mãe dele dá mais presentes pra mim que pra ele. Por que será?

Cena 1: Eu recebendo um presente de minha sogra:
Ai, que lindo, é a minha cara. Muito obrigada! Não acredito, lembrou de mim outra vez. Vou usar hoje, combina com minhas botas. Posso usar aqui no Chile e no Brasil também...

Cena 2: Meu marido recebendo um presente da minha sogra:
Obrigada, mãe. Vou ver se fica bom. Veio com nota fiscal para troca?

Quer dizer...

Menos mal que ele é assim só com presente. Com outras coisas costuma ser bastante grato. O problema é quando a pessoa é assim com tudo na vida.  Nada está bom. Tudo é insuficiente. Sempre existe um “porém”.  Recebe milagres e nem se dá conta, de tão ocupado que está procurando problemas. Todo mundo fala sobre saber perder. É importante, também acho. Mas talvez saber ganhar seja tão importante quanto. Uma hora a vida cansa de tanta apatia e ingratidão e para de dar presentes. Aí eu quero ver.


(Esse texto não tem nada a ver com o fato do meu aniversário ser agora em setembro. Juro!) 

Comentários

Zoraya disse…
Maravilha de crônica, Fernanda! Com sua licença, vou presentear um bocadão de gente que eu conheço e que se relaciona com presentes meio assim como seu marido, haha. Beijos, adorei
silvia tibo disse…
Adorei, Fê!!!
Delícia de texto...
São realmente poucos os que conseguem festejar e dar o valor devido aos presentes da vida... sobretudo àqueles aparentemente menores, rotineiros, que chegam assim, num dia comum...
Quando ultrapassarmos as barreiras do mundo virtual, prometo presenteá-la com um item girafalesco.
Beijo grande...
silvia tibo disse…
Adorei, Fê!!!
Delícia de texto...
São realmente poucos os que conseguem festejar e dar o valor devido aos presentes da vida... sobretudo àqueles aparentemente menores, rotineiros, que chegam assim, num dia comum...
Quando ultrapassarmos as barreiras do mundo virtual, prometo presenteá-la com um item girafalesco.
Beijo grande...
Adorei o texto! É exatamente isso que eu penso. Nem sempre o presente é de valor material, a verdade é que os sentimentos e os presentes do coração valem muito mais!


Abraços, Isabela.
www.universodosleitores.com
Fernanda Pinho disse…
Que lindos recados, meninas!
Sílvia, te conhecer, por si só, já será um grande presente que eu espero ganhar em breve :)
Beijos!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …