quarta-feira, 24 de abril de 2013

PERSPECTIVA >> Carla Dias >>

Vai que você passe, arrastando seu passado escandaloso, recheado de tropeços e amores, arraigado em sorrisos e desaforos. Que dance a dança dos mistérios, e investigue a história dos soluços, alimente universos paralelos, e ameace o choro se ele acontecer sem consentimento.

Com sentimento...

Vai que você reze por medo, desbrave o mundo com elegância, desça do salto da esperança, só para encarar o derradeiro. Grite por ajuda ou brincadeira, gargalhe diante da fatalidade. Revire gavetas, procure tesouros escondidos em bocas alheias, venda paixões imaginárias a troco de nada e redenção. Que mude tudo de lugar só para garantir tropeço.

Caia aos pés dos recomeços.

Vai que você passe, exalando o perfume das tragédias, trançada em panos da comédia, fazendo-se de vítima da felicidade. Das obras tortas da felicidade. Da indecência da felicidade. Da sagacidade da felicidade. Da falta que faz a felicidade.

Quando ela se perde da gente.

Vai que você cometa crime, mate o dó e o ressuscite lágrima, deságue mares no chão da sala, assista chuva cair nos telhados. Deite-se no chão para alcançar o céu, varra a casa para pagar o aluguel do tempo gasto com nada. Colha segredos dos que lhe dão confiança. Cozinhe a comida para a fome das crianças que não teve, more em varandas, em quintais, em cativeiros.

Em prisões que lhe provocam medo.

Vai que você quebre a banca, as regras, a cara amarrada de quem lhe fere. Fale com o espelho sobre a imagem de quem ama. Negue ao espelho a imagem que lhe cabe. Core diante da palavra afeto, sonhe secretamente com a palavra alento, refestele-se na palavra vento. Engula palavras em verso, cuspindo-as em ritmo de tantra.

Assanhando o consentimento...

Que lhe conceda o direito de habitar meus pensamentos, de abraçar meu coração com as mãos, criar silêncios no meu dentro. Tecer a si na minha memória. Fechar a casa e ir embora.

Deixando-me a ver navios e horas... Que não passam.

Imagem: sxc.hu

carladias.com

Partilhar

7 comentários:

Simples assim... disse...

Belíssimo!

Élida disse...

Simplesmente lindo!
Fui me sentindo leve a cada palavra, quando vi... havia levitado!!

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Isso é o que eu chamo de obra-prima. :)

Carla Dias disse...

Simples assim, Élida e Eduardo... Obrigada pela leitura, pelo mergulho, pelas gentis palavras. Beijos.

Zoraya disse...

Carla, tá ficando difícil falar das suas crônicas, confesso que nao tenho palavras. Beleza indescritível talvez chegue perto, mas nao muito. Obrigada.

Dani Petronieri disse...

ADOREI...Cada frase!!!

Carla Dias disse...

Zoraya... Já ficou difícil lhe agradecer a gentileza. Faltam-me palavras... Beijo e fique com o um terno obrigada.

Dani... Que bom! Obrigada, viu? Beijo.