Pular para o conteúdo principal

MEMÓRIAS NÃO REVELADAS VÃO AO BORDEL III >> Albir José Inácio da Silva

(Continuação)

Dasdô olhou para Nicolau e viu que ele viajava. Nem a conversa tava rendendo. Não gostava disso, era honesta, queria dizer que ele estava jogando dinheiro fora, mas tinha medo que ele se aborrecesse de novo.

De fato, Nicolau penetrara no escuro de seus próprios pesadelos. Enquanto eram noturnos, ele os aguentou bem. Dormia mal, acordava pior, olhos inchados, adoecia, mas aguentou. Aí começou a vê-los acordado. Estavam em todos os lugares, às vezes com os mesmos rostos retorcidos daquela época. Podia ouvir-lhes a voz, os gemidos, as súplicas. Outras vezes enxergava-os já de cabelos brancos, andando pelas ruas com filhos e netos, como se um programa de computador os tivesse envelhecido. Ele fugia, entrava numa loja, mas lá estavam eles. Pareciam reconhecê-lo. Sorriam como se tivessem vencido, como se fosse ele o torturado. Como se soubessem do seu abismo. Não o olhavam com ódio, não o condenavam. Pareciam se divertir. Pareciam tranqüilos, como Dasdô ali em frente. Como o olhar de Dasdô. Ás vezes pensava que já conhecia aquele olhar.

Percebeu que Dasdô também cismava sozinha, mas era melhor assim, calada ela funcionava melhor. O que é que uma putinha de quinta poderia saber sobre problemas tão complexos? Voltou às suas dores.

Seus pesadelos não eram remorsos. Se fez alguma coisa errada, se exagerou, se cometeu alguma injustiça foi por que é humano. Humanos erram. A vida não é justa. A justiça não é justa. A história não é justa porque escolhe seus bodes expiatórios para fingir que faz o que não faz, que compensa o dano, para parecer que tudo se equilibra. Não é nenhum monstro só porque eventualmente ressuscitou alguém para obter mais informações. Informações às vezes imprescindíveis para a recuperação da ordem, da decência e da moral. Isso é cumprimento de dever, e cumprimento de dever não pode ser crime.

Reparou que Dasdô ficou deprimida depois que falou de solidão, pesadelos e pecados. Ela não tinha culpa dos seus problemas, e ele se esforçou:


- Não reclame não, Maria das Dores, vocês estão cada vez mais valorizadas. Formam associações, têm representantes nos parlamentos, reivindicam direitos trabalhistas. Algumas trabalham em lugares luxuosos com cachês cada vez maiores.

Isso era o que mais doía nele. Até as prostitutas tinham a sua dignidade. E eles? Desempregados, humilhados, perseguidos. A humanidade resolveu que não são mais necessários, são uma mancha na sua história. Esquecem-se dos serviços prestados durante a santa inquisição em defesa da fé, da justiça e da verdade. Esquecem-se de quem os defendeu, neste país e na América Latina, dos comunistas que ameaçavam a pátria, a família, a religião e a livre-propriedade. Esquecem-se de que, ainda hoje, esses trabalhos são necessários para salvar reféns e desmontar quadrilhas. Trabalho que tem de ser feito clandestinamente em salas à prova de som nas delegacias. Mesmo os governantes que reconhecem a importância dessa atuação, quando há denúncias, negam, dizem que vão punir e que não admitem tais práticas. Hipocrisia é a palavra de ordem do momento!

Dasdô voltou a segurar sua mão. Dessa vez ele não puxou. Olhou-a nos olhos e só não conseguiu sorrir. Tirou do bolso umas notas amassadas que colocou sobre a mesa. Ambos miseráveis. Levantou-se. Ela ainda lhe segurava os dedos.

- Não some não, Seu Nicolau, que eu vou ficar aqui tentando me lembrar de onde eu conheço o senhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …