Pular para o conteúdo principal

PEQUENAS GUERRAS FRIAS >> Fernanda Pinho




De repente, você faz um comentário aleatório e uma pessoa do seu círculo de convivência tem certeza de que foi uma indireta e fica ofendida. Você não sabe de nada até encontrar a tal pessoa e receber um tratamento um tanto quanto frio. Mas você não leva desaforo pra casa e decide esfriar do seu lado também, não sem antes soltar umas farpas por aí. Farpas estas que podem se encaixar na situação. Ou não. E quando pensa que não, você tem praticamente um inimigo, sem nem saber o motivo.

Eu, que já passei por situações de, sem ter a menor ideia do porquê, notar algumas pessoas reagindo à minha existência como se eu fosse o Jason na sexta-feira 13, sou adepta do ir direto ao ponto. Chego e pergunto qual é o problema. Normalmente, as coisas se esclarecem. Porque sempre que cheguei ao ponto de botar a roupa suja pra lavar foi com alguém por quem eu tenho alguma consideração. Se não tenho nem consideração, tô nem aí para como a pessoa reage à minha existência.

Acontece que nem para todo mundo é fácil encarar a situação de frente. Existe trauma, existe timidez, existe vida sem graça (pra quê esclarecer a situação se esse é o único assunto que movimenta meus dias?). E aí, na maioria das vezes, fica o dito pelo não dito. E o não dito, quase sempre, é um mal entendido monstro. Porque se não foi dito, podemos imaginar qualquer besteira. E assim somos, 90% dos humanos: por que eu vou canalizar minha imaginação escrevendo livros, produzindo filmes ou fazendo descobertas fantásticas para a ciência se eu posso usar toda ela para especular o que os outros conspiram sobre mim? Estamos sofrendo de carência, estamos sofrendo de mania de perseguição, estamos achando que tudo é feito de caso pensado para nos atingir e por isso produzimos mal entendidos em larga escala.

Sobretudo agora, com o aval das redes sociais. A pessoa escreve “o pica pau é mau” e vai ter pelo menos uns dez pra pensar “hummm...acho que esse pica pau sou eu”. E assim é dado o primeiro ponto para tecer essa rede de guerras não declaradas que – eu já vi acontecer – pode até destruir amizades. Por isso eu sou a favor da criação de um tribunal das pequenas grandes causas. Cada uma das partes apresenta suas versões, suas defesas, seus sentimentos envolvidos e o juiz absolve todo mundo da angústia de não saber onde a relação se perdeu.

Mas, como o tribunal é só mais um fruto da minha imaginação equivocadamente aproveitada, pensemos em soluções alternativas. A pessoa falou que ia te ver e não foi? Talvez ela esteja doente, trabalhando ou tenha ficado presa no engarrafamento. Ou, quem sabe, nem tenha percebido que você a convidou para ir na sua casa. Seja mais convincente na próxima. Você ligou três vezes e a pessoa não atendeu? Já ouviu falar que celulares estragam? A pessoa não reagiu com euforia a um presente que você deu? Não julgue. Você nunca vai ter certeza do que acontece no fundo do coração do outro. A pessoa escreveu que o pica pau é mau? De repente ele só está falando do desenho e não lembra que você existe há um mês. Acho que usar um pouquinho da nossa imaginação para o bem, com o perdão da rima, não faz mal a ninguém.

(Atenção: O conteúdo acima é uma opinião pessoal e intransferível sobre situações genéricas. Não devendo ser considerado como indireta para ninguém).

Comentários

silvia tibo disse…
Adorei, Fernanda!
É aquela coisa, né... tem gente que acha que o mundo gira em torno delas... e que as outras pessoas não têm nada melhor e mais útil a fazer do que passar a vida conspirando contra elas...
Você já leu Sun-Tzu-A Arte da Guerra?
Aquela ideia de que "o inimigo está sempre a postos e pode atacar a qualquer momento!"
Mal sabem, tais criaturas, que há muito o que se ver e se fazer para além do próprio umbigo...
Beijo!
:)
Symon Murilo disse…
Certamente um dos melhores que aqui achei! Muito bom!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …