Pular para o conteúdo principal

UMA HISTÓRIA INCOMPLETA >> Whisner Fraga

Hoje estivemos, Ana, Helena e eu, visitando Araras, uma pequena cidade do interior paulista, que está investindo muito em educação. Fui à inauguração de um polo da Universidade Aberta do Brasil, que reúne sete ou oito renomadas instituições de ensino, que estão apostando na educação a distância. Não vou discutir, neste momento, questões pedagógicas ligadas à qualidade da formação, mas adianto que sou a favor desta modalidade de aprendizagem e que acredito que ela pode ajudar a sociedade brasileira a se tornar mais igualitária.

Fato é que houve muitos discursos, uns protocolares, outros comportados demais e ainda alguns bastante chatos. O espaço que abriga o polo recebeu o nome de Dirçon Kammer, um famoso educador da cidade, professor de metade das celebridades do município, de maneira que boa parte dos presentes havia sido aluna do saudoso mestre.

Em uma fala emocionada, o prefeito, que também tinha sido discípulo de Kammer, relatou um fato que lhe ocorreu. Quando tinha quatorze anos, o pai o chamou para uma bronca: todos os irmãos trabalhavam, de modo que ele já passara da época de trazer um dinheirinho para casa. Escola era luxo, a família precisava primeiro de comida. Não ficou muito claro, mas nos pareceu que o prefeito teve de abandonar a escola por um tempo. Acontece que Dirçon ministrava aulas de Artes e o seu querido pupilo deixara um quadro por terminar.

O professor então terminou a pintura do menino e correu à sua casa para entregá-la a ele. Eu não sabia como a história terminaria e, para minha decepção, ela não acabou mesmo. Depois que o quadro foi entregue, não se soube de mais nada. O que queria dizer isso? Que o tutor quis dar algum tipo de lição? Que ele teria alertado o rapazinho que se não tivesse desistido da escola, ele mesmo poderia ter finalizado a obra? Que as próximas pinturas teriam de ser arrematadas pelo próprio autor? Que alguém está sempre completando algo por nós? Talvez nunca venha a saber.

Depois, fiquei imaginando o velhinho, de bengalas, chegando com dificuldade ao consultório médico de seu ex-aluno. Sim, porque o menino se tornou um renomado doutor. E, ao adentrar o prédio, pedir ao homem de branco para ver aquela antiga pintura, certamente dependurada ao lado de vários diplomas, num espaço de honra. Mas não soube se isso acontecera. Não soube, no dia de hoje, o sentido daquele enredo.

O que sei e que posso dizer é que o discurso foi emocionado e emocionante. Vi várias pessoas da plateia chorando. O tom de voz não era para menos: estávamos na presença de alguém que domina a prática de falar com público. Eu, que gosto de histórias, fiquei parcialmente decepcionado. Parcialmente, porque é sempre interessante escutar alguém que conhece os segredos da oratória. Mesmo que ele falasse em mandarim, língua que ignoro por completo, eu apreciaria seu discurso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …