Pular para o conteúdo principal

DIÁLOGOS >> Carla Dias >>


Eu queria saber escrever roteiro. Já escrevi aqui sobre a minha tentativa em escrevê-lo, e venho alugando a paciência de um amigo roteirista há um bom tempo com esse meu desejo. Dei-me conta, por exemplo, de que comecei a escrever esse roteiro em 2001. São doze anos brincando com a mesma história, escrevendo e reescrevendo, melhorando conforme vou aprendendo. O enredo não mudou, mas como acontece aos meus romances, eu vou lapidando a forma de contá-lo, até chegar a uma versão que me apeteça.

Há um problema que tenho a respeito de roteiros: eu adoro diálogos, algo que venho suprimindo da minha prosa nos últimos anos, mas que em roteiros caem lindamente. Só que, como aquele meu amigo pobre coitado por me aguentar e roteirista me disse, um filme tem a ver com imagens. Não que os diálogos não sejam importantes, que a trama não tenha de ser muito bem amarrada, mas é preciso dar ao espectador com o que encher os olhos.




Em momentos de reflexão desse calibre, sempre penso no Woody Allen, que como roteirista e diretor faz filmes com grande destaque para os diálogos. Também gosto dos filmes de Edward Burns, mais conhecido como ator e por filmes como Uma vida em sete dias (Life or Something Like It/2002) e Vestida para casar (27 Dresses/2008). Desde Os Irmãos McMullen  (The Brothers McMullen/1995), sua estreia como roteirista e diretor, eu venho acompanhando seu trabalho.

Para uma escritora que raramente fala sobre atributos físicos de seus personagens, e que muito pouco descreve cenários em seus livros, embarcar na onda do roteiro é um pouco complicado. Na vida, ao entrar em um lugar cheio de pessoas, vocês podem ter certeza de que não prestarei atenção às paredes do lugar, às cores das cortinas, ao tipo de piso, modelos de roupas e por aí vai. Certamente, dançarão diante dos meus olhos os gestos dessas pessoas, suas feições, a forma como se movem pelo recinto. Ressoarão na minha memória suas palavras, a intensidade com a qual falam sobre seus ideais. Sobre isso eu falaria com a maior propriedade em outro momento. Sobre o lugar, certamente teria esquecido até o endereço em algumas horas.



A ideia de escrever um roteiro me ajuda de muitas maneiras. Primeiro, é divertido aprender, então dificilmente ficarei entediada com as tentativas. Frustrada, certamente. Entediada, nunca. Se enquanto escrevo a minha prosa, a história passa em minha cabeça como cenas de cinema, e com a maior desenvoltura, ao tentar escrever um roteiro eu me pego tropeçando no caminho e nas palavras, o que é irônico, não? Acho que se meus pensamentos pudessem ser fotografados, enquanto escrevo, eu teria um filme pronto.




Algo que nunca muda com as minhas revisões, não importa a linguagem que eu use, é a ideia original. Depois de colocados no papel, os personagens e seus destinos continuam os mesmos. A forma como eles acontecem é que pode sofrer algumas mudanças.




O que posso dizer é que, se um dia eu me tornar uma roteirista e alguém se interessar em levar a história para as telas, bem, a produção vai adorar saber que gastará pouco com locações e figurino.




Comentários

Anônimo disse…
Para uma escritora que raramente fala sobre atributos físicos de seus personagens, e que muito pouco descreve cenários em seus livros, embarcar na onda do roteiro é um pouco complicado. Na vida, ao entrar em um lugar cheio de pessoas, vocês podem ter certeza de que não prestarei atenção às paredes do lugar, às cores das cortinas, ao tipo de piso, modelos de roupas e por aí vai. Certamente, dançarão diante dos meus olhos os gestos dessas pessoas, suas feições, a forma como se movem pelo recinto. Ressoarão na minha memória suas palavras, a intensidade com a qual falam sobre seus ideais. Sobre isso eu falaria com a maior propriedade em outro momento. Sobre o lugar, certamente teria esquecido até o endereço em algumas horas.

Céus... eu não preciso nada além disso.... (ok, peço desculpas pela minha mediocridade, mas que isso é tudo ninguém pode negar....)

Abs,
Vera Menezes
albir disse…
Enquanto isso, Carla, vai nos mostrando suas tentativas. Se não estiver bom pro cinema, vai estar ótima pros seus leitores.
Carla Dias disse…
Vera... Obrigada pela visita. Um beijo.

Albir... Ufa! Ainda bem que não serão roteiros perdidos :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …