Pular para o conteúdo principal

ENTRE PANELAS, PRATOS, TALHERES E MÚSICAS >> Sílvia Tibo

Fiquei feliz demais quando fui aceita aqui no Crônica do Dia. Embora escrever esteja entre minhas grandes paixões (do que, aliás, só me dei conta há pouco tempo), não me imaginava incluída em um grupo de escritores de verdade. Desses “propriamente ditos”, se é que alguém me entende.

Mas, a despeito da alegria de ter sido tão bem recepcionada por aqui, uma coisinha, lá no fundo, me preocupou assim que vi meu pedido sendo aceito pelo Edu, nosso editor. A famosa “pulga atrás da orelha”. Daquelas que coçam, coçam e coçam. Sem parar e sem sair do lugar (com o perdão da rima pobre, óbvia e sem graça).

Pensava eu, com meus sempre inquietos e ansiosos botões: onde é que vou arrumar assunto pra tanta crônica? Afinal, o compromisso assumido era de um texto por quinzena, aos domingos, e sem data pra acabar, o que (pensava eu) seria muito pra quem não escreve por profissão, mas tão somente por pura e despretensiosa paixão. 

Para a minha tranquilidade, desde então, cheguei a todos os domingos (dias gentilmente reservados pelo Edu para as minhas publicações quinzenais) com um texto mais ou menos preparado. Afinal, sou a “programação” em pessoa. E como tal, detesto (ou pelo menos evito ao máximo) ter que resolver qualquer tipo de problema ou cumprir qualquer obrigação que seja na última hora. A não ser aquelas que chegam de surpresa, sem aviso prévio, às quais não há mesmo como se antecipar. No mais, vivo sempre com uma programação em mente. É assim no trabalho. É assim em casa. É assim com a família, incluindo aqui o quase-marido, os amigos do coração e o filhote de quatro patas.

Retomando o caso, o fato é que até ontem à tarde, euzinha aqui (a mesma “programada” do parágrafo anterior) simplesmente não havia encontrado, nas muitas pastas do computador, qualquer texto mais ou menos pronto ou quase acabado que pudesse ocupar hoje a página do Crônica do Dia. Talvez pela emoção e pela desconcentração diante do casamento que se aproxima. Talvez pela expectativa de, na ocasião, rever pessoas queridas. Talvez, ainda, pelos dias de férias e descanso tão esperados que virão em seguida. E certamente por tudo isso, junto e misturado. Muita coisa pra uma só cabeça e um só coração. Sobretudo quando esse coração é daqueles que se derretem com facilidade.

Mas, para a minha surpresa, eis que, em pleno sábado à tarde, depois de um franguinho ensopado (bem à mineira, com o tempero de casa) e ao som da banda preferida, as palavras surgiram, enquanto a louça ia sendo lavada, o quase-marido cochilava no tapete e o cachorro se distraía com o novo brinquedo adquirido. 

Às vésperas da união das escovas de dente, as palavras ignoraram a falta de concentração desses neurônios aqui, assim como a emoção e a ansiedade desse coração já derretido. E assim, elas realmente vieram. Foram surgindo aos poucos, naturalmente, no caderno velho que há tempos me acompanha, enquanto eu fazia um balanço da vida, na cozinha, entre panelas, pratos, talheres e músicas.

Pensei no que foi. Pensei no que está por vir. Algumas experiências frustradas, como é natural (e acontece até nas melhores famílias). Muita saudade guardada, porque a vida assim o quis. Mas, ao mesmo tempo, a vontade imensa de trilhar novos caminhos, com o companheiro escolhido, partindo do zero e sem ponto de chegada. Tantos desejos, tantas pretensões, tantos projetos para o resto da vida. Da vida que, agora, será compartilhada e dividida. Mas também que, acima de tudo, será somada.

São desejos e pretensões de felicidade, na acepção mais pura da palavra. A felicidade que vem das pequenas coisas, dos minuciosos detalhes. E que surge não só pelo que se recebe, mas sobretudo pelo que se dá, pelo que se oferece.

Ao final das reflexões, repito as palavras que escrevi ao Edu, quando solicitei a concessão de alguns dias de férias aqui do Crônica do Dia: Espero, do fundo da alma, que as escovas de dente se encaixem direitinho. Com falhas, buracos e percalços, como é inevitável (e bem sabem os já efetivamente casados). Mas, acima de tudo, com a disposição e a vontade de preenchê-los e superá-los.

Comentários

Anônimo disse…
Que lindo ! !
O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser. Felicidades nesta nova jornada à dois. Espero que sejam felizes como sou nestes meus 15 anos de casamento com o mesmo MARIDO!!!
silvia tibo disse…
Obrigada, Ana!

Pela visita e pelos votos de felicidade...

:)
Leonardo disse…
Oi, pequenina!
Que sua vida a dois seja linda como as linhas que você escreve.
Bjos,
Léo
Fernanda Pinho disse…
Ah, Sílvia, te entendo perfeitamente. Tanto que eu escrevia semanalmente e, pouco tempo antes de casar, tive que pedir ao Eduardo pra diminuir minha frequência. Eu também sou do time das programadas e já estavam ficando doida com as emoções pré-nupciais.

Aproveite muito esse momento, que seu casamento seja imensamente feliz. Mas não some muito não, tá? Tenho certeza que a vida a dois irá inspirar ainda mais textos incríveis.

Beijos!!
Gabriela Balbino disse…
Que lindo Silvinha! Adoro seus textos e suas crônicas! Sou fã! Ainda bem que vou presenciar de pertinho esse momento tão feliz e importante na sua vida e poder te desejar pessoalmente tudo de melhor nesse mundo nessa nova fase que esta prestes a se iniciar na vida de vocês! Beijos, Gabi!
Karoline disse…
Tenho a certeza de que a vida à dois te trará muitas, mas muitas alegrias!
Amei o texto, como sempre!
Beijinhos!
Karoline
Bom casamento, Sílvia!
E até o retorno das férias. :)
Um punhado de arroz pra vocês dois...
Luciana Lima disse…
Sempre com disposição e vontade para preenchê-los e superá-los... E terás um casamento feliz, prima querida! :)
albir disse…
Parabéns, Sílvia! Felicidades pra vocês, e até a volta. E obrigado por dividir conosco um momento tão caro.
Zoraya disse…
Silvia, mil felicidades, que suas escovas de dentes sejam trocadas periodicamente por modelos cada vez melhores e sempre de encaixe perfeito. Repito o Albir e também agradeço por dividir momento tao lindo e especial, e vê se nao demora, pois suas crônicas me são muito caras! (em algum momento dessas férias vocês vão passar pelo Rio?. Beijos
silvia tibo disse…
Querida Zô!!!
Em tempo: não passamos pela cidade maravilhosa dessa vez, infelizmente...
Mas não faltarão oportunidades, espero eu... E então, podexá que te cutuco aí, viu?
Obrigada pelo carinho de sempre...
Grande beijo!
silvia tibo disse…
Obrigada a todos pela leitura... E pelos votos de felicidade para as escovas de dente...
:)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …