Pular para o conteúdo principal

FIM DO MUNDO >> Carla Dias >>

Essa coisa sutil, vestida em panos esvoaçantes, representada pelos sorrisos enquadrados na beleza do cometimento. Nós flutuamos e solícitos de que para hoje já basta de arremedos e remendos. E os pés oferecendo a dança, à mercê da espontaneidade que só existe na ausência das amarras.

Mesmo que venha até nós esse ser labiríntico, vestido de pesos e medidas, arqueado de tão cansado que anda. Mesmo que ele se arraste até nós, e cochiche em nossos ouvidos por pura crueldade abastadamente alimentada, que isso é provisório, vai passar e deixar só o pó com seu peso quase nulo, sua capacidade férrea de remeter às solidões. Ainda assim, escolheremos o aconchego da esperança que mora na possibilidade de acontecer diferente. Um diferente capaz de inspirar felicidade. Porque o mundo já anda repleto de algozes com suas técnicas requintadas de fazer sofrer, de ceifadores de sonho alheio, divulgadores do ódio.

Por que não vivermos margeando algo menos apocalíptico? Desligar a tevê quando o programa usar a dor de alguém para melindrar sua necessidade de aumentar ibope. Não permitir que comentários grotescos ganhem poder ao repeti-los, ainda que em tom de censura. Prestar atenção ao que dissermos, porque às vezes é preciso um toque de doçura que endosse o nosso ponto de vista. Há uma linha tênue separando o direito ao pensamento livre, à liberdade de expressão, e essa linha é o direito do outro de fazer o mesmo. Para que ele entenda esse direito sendo respeitado, e o respeite de volta, é preciso não se impor quando a situação pede troca.

Jamais nos livraremos do limite. O que aprendemos é a não limitar o que nos é de direito, de viver, de ser.

Tudo bem pensarem que somos seres vivendo sob a batuta da ingenuidade. Que nosso alvoroço interno nada mais é que material para poesia ruim, declamada por ébrios para desiludidos. Porém, quem ousa experimentar dificilmente se sentará todos os dias à mesa do fracasso e da dor. Haverá essa fome por delicadezas, por respeito, pela alegoria dos silêncios provocando as palavras, incitando-as a libertar benquerença.

Porque viver sendo ladeado, o tempo todo, pela imbecilidade que catequiza os extremistas, pela descortesia dos que se intitulam dignos de um poder absoluto e inquestionável que não existe, amém. Pela falsidade do amor do “eu te amo” para roubar do outro a dignidade, o dinheiro, às vezes até mesmo a vida. Porque viver assim, submisso ao medo de que, dia desses, tudo se torne um fim previsto, catalogado nos livros sagrados, cuspido pelos governantes, ditado pelo medo de mudança, não é viver.

Talvez não lhes interessem saber, mas para nós as entrelinhas têm valor. As frestas iluminam e no raso quaramos profundidades. Diferenças constroem igualdade, lonjuras operam o milagre de criar diversidade. Lonjuras são belamente apreciadas porque alimentam a pluralidade cultural. Em outros casos, melhor concluir proximidades ao tom dos abraços. E cada dia é uma chance de nos desapegarmos do constantemente funesto.

Não que o mundo vá se tornar um eterno parque de diversões. Sempre haverá com o que nos condoermos, porque nascemos isso e aquilo, e isso significa que erraremos e muito, durante a nossa jornada. Mas podemos fazer melhor do que nos sentarmos e assistirmos o mundo sofrer de descaso. Porque o fim do mundo acontecerá se o deixarmos de lado.

Fim do mundo é estagnarmos diante do que nos afronta e fere.

Fim do mundo é não viver.


PROCURA NO GOOGLE - KLEBER ALBUQUERQUE
 
Atividade realizada com os alunos do 4º ano A - 2013 da EMEF Prof. Francisco da Silveira Bueno - DRE Ipiranga São Paulo, projeto didático: A Comunicação Escrita Através dos Tempos: das Cartas de Paulo de Tarso aos e-mails pessoais e pesquisas no Google.



Imagem: sxc.hu

Comentários

Zoraya disse…
Carla, essa está indescritivelmente linda, linda, linda. Obrigda por mais esse presente
Carla Dias disse…
Zoraya... Eu que agradeço. E um beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …