Pular para o conteúdo principal

HISTÓRIA DE PESCADOR >> Whisner Fraga

Gosto muito de pescar, acho até que já escrevi isso aqui outras vezes. Não que eu saiba a isca adequada para cada tipo de peixe ou seja perito em luas, marés, cardumes e anzóis. Meu negócio é jogar a linha na corrente e esperar que algo aconteça. Enquanto isso, os ruídos da natureza me acalmam. O rio Tijuco testemunhou
muitos desses meus pensamentos e de seu leito tirei muito piau e cascudo.

As pessoas não acreditam muito, portanto, quando eu digo que não gosto de água. Certa vez, eu trocava uma chumbada às margens deste rio que banha minha cidade natal, quando escutei alguém gritando. Era um moço que estava sendo arrastado pela correnteza. Eu vi que o sujeito submergia e voltava, os braços erguidos, tentando respirar. Várias pessoas o seguiam pelo barranco, alguns ensaiavam palavras de ânimo, mas percebi que a coisa estava feia. Ninguém podia fazer nada pelo rrapaz. Se não encontrasse nenhuma pedra pelo caminho, teria chances de sobreviver. Mas achou uma danada, bateu o peito na rocha e foi ancorar morto uns dois três quilômetros abaixo. Foi uma coisa chata de se presenciar.

Não sei se o ocorrido contribuiu com meu temor, mas evito nadar em piscinas muito fundas, em oceanos ou rios. Mineiro é espécie desconfiada e minha parte venho tentando fazer para não dar sopa ao azar. Mineiro é bicho contador de história e o ouvinte escolhe o tema: basta alguém prestando atenção para que a noite seja curta para tanto causo. Eu tenho quase certeza que estou me repetindo. Tenho a impressão muito nítida de ter tratado de todos esses assuntos. E mais: estou quase certo que o relato a seguir já foi narrado em algum outro momento. O jeito é tentar contá-lo de uma maneira diferente. Vou tentar.

Uma vez que estamos neste assunto, voltávamos do rancho, eu, meu cunhado e mais dois ou três amadores. Todos sabem que mineiro tem dois carros: um para a pescaria e outro para ficar na garagem. O primeiro é, normalmente, um veículo bem antigo e o segundo nem tanto. Vínhamos, portanto, em um Chevette 1976, o que significava, na época, 150 mil quilômetros rodados e vinte e poucos anos de uso. Havia um trecho curto de rodovia estadual a percorrer, de modo que a lei e a ordem não eram grandes problemas para nós. Mas neste dia um policial inexperiente resolveu nos parar. Descemos, para que ele pudesse inspecionar o veículo. É claro que faltava, desde o extintor de incêndio até o farol traseiro. Conversa vai, conversa vem, e ele chegou à conclusão que era melhor nos liberar para que não causássemos maiores problemas. Prometemos ir a setenta quilômetros por hora e juramos que faríamos uma revisão no Chevrolet no dia seguinte.

O problema foi na hora em que meu cunhado tentou virar a chave. Nada. Nem um barulhinho sequer. A bateria entregava os pontos. Chamamos o guarda e comentamos que se deixássemos o automóvel ali, dificilmente retornaríamos para resgatá-lo. Pedimos, com educação, que nos ajudasse a empurrar a máquina. Solícito, o representante da lei e da ordem veio em nosso auxílio e, ao ver que sujava as mãos, o uniforme e as botas, desabafou: antes não tivesse parado vocês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …