Pular para o conteúdo principal

O MERGULHO >> Fernanda Pinho




Eu sempre acreditei em paixão à primeira vista. Mas não em amor. Sempre mesmo. Sustento essa teoria desde quando eu não tinha muita experiência para falar sobre uma coisa nem outra. Porque, sei lá, eu acho que a primeira vista oferece informações que só alcançam um nível mais superficial, que seria o da paixão. Um nível delicioso, de causar frio na barriga, tremor nas pernas e taquicardia mas, ainda assim, superficial como flutuar em águas rasas.

Claro que nada impede que a paixão à primeira vista evolua para um amor criando a romântica ilusão de que desde a primeira troca de olhares os agraciados em questão se amaram. Mas na prática, a teoria é outra coisa.

Porque a gente se apaixona por palavras ditas com intenção de causar efeito, por uma voz sedutora ao telefone, por um sotaque, por olhos puxados, pelo cheiro da pele, por um aperto de mãos firmes, por um beijo (ou pela promessa de muitos beijos), por um toque eletrizante e, nessa empolgação, você pode até soltar um “Eu te amo”. Eu fiz isso e, agora, revendo aquele momento, eu sei que ali eu estava era muito apaixonada. Amar, eu amo agora.

Tenho certeza que é amor quando diariamente eu recolho as roupas dele espalhadas pelo quarto e diariamente me pergunto como alguém é capaz de espalhar tanta coisa num espaço tão pequeno.  Tenho certeza que é amor quando me esforço para dormir em meio a ruídos de gritos e tiros, para que ele não precise desligar o videogame. Tenho certeza que é amor quando sinto minha cara queimando diante da tranquilidade dele em fazer qualquer tipo de pergunta a qualquer pessoa. Tenho certeza que é amor quando me vejo (eu, que até ontem não sabia fritar um ovo) reinventando receitas para agradar a um paladar tão diferente do meu. Tenho certeza que é amor quando ele teima comigo em alguma coisa e eu, igualmente teimosa, me vejo tentada a ceder. Tenho certeza que é amor quando ele costura o trânsito com o som do carro em último volume tocando Fear Factory (e se você não sabe o que Fear Factory, procure no YouTube e você também terá certeza de que é amor). 

Porque à primeira vista não tem roupa espalhada no chão, videogame, perguntas indiscretas, gosto estranho pra comida, teimosia e Fear Factory (nem minha TPM, minha mania de ler até de madrugada com a luz acesa, minha memória doentiamente boa e minhas oscilações repentinas de humor) . À primeira vista é só você, ele e todas as mensagens que seu corpo consegue emitir para despertar no outro uma paixão. E se tudo der certo, é guardar fôlego e preparar para o mergulho. O amor é muito mais profundo. 

Comentários

Raíssa Daldegan disse…
Fernanda que texto lindo, sempre me emociono com seus texto, queria saber escrever meus sentimentos assim. Eu me apaixonei à primeira vista, ninguém acredita, mas foi. Porém concordo que a paixão se vai e fica o amor, que é muito do que você disse, as pequenas coisas do dia a dia. Parabéns pelo texto, lindo, lindo.
Zoraya disse…
Todo mundo pensa que amar é fácil, é só gostar e pronto. E você mostrea, linda, lindamente que amar é antes de tudo um ato de coragem. E também de desapego, pois escutar uma banda chamada Fear Factory durante um segundo que seja já é um ato de amor e tanto! Continue corajosa e escrevendo lindamente!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …