Pular para o conteúdo principal

AMOR A JATO >> Albir José Inácio da Silva

Virgílio virgulava a manchete com palavrões, e a indignação dos outros o acompanhava num jogral que era também comemoração. Cidadão de bem fica feliz de ver na cadeia ladrões, corruptos, estelionatários e outros espertos. Comemoravam a prisão do sacerdote que prometia trazer em três horas a pessoa amada, em troca de módica contribuição para agradar as entidades.

Mas não havia consenso. Daniel, ativista de defesa do consumidor, exasperava-se:

- Seus métodos de cobrança são um absurdo!

Espumava com as ameaças de que Lúcifer em pessoa se encarregaria das punições espirituais se não fosse entregue a seu preposto o justo pagamento pela imediata devolução da amada. Pagamento antecipado ainda por cima. Se não bastassem tais pressões, Pai Brutus saía em campo para cobranças mais dolorosas. O contrato tinha de ser cumprido, mesmo modificado unilateralmente com acréscimo de parcelas, porque não estava sujeito à lei dos homens.

Tânia, intelectual que recuperara um namorado com a ajuda de uma cigana, ponderava:

- Talvez na ânsia de fazer justiça por defraudações sofridas, o povo aplaude, com afoiteza e alguma injustiça, o enquadramento pela polícia de um bem intencionado cupido que passa a vida a reunir amantes desgarrados.

Ela desfilou injustiças praticadas por agentes públicos e privados: o cidadão paga à Companhia de Águas e Esgotos por água que nunca bebeu e por manilhas que só lhe esgotam a paciência; paga por saúde e previdência, mas morre na sala de espera e antes de se aposentar; paga por milagres que nunca vê em prestações a perder de vista; vota em representantes que se especializaram em fraudar o erário; paga por segurança e recebe espancamento de quem deveria garantir-lhe a integridade. E acrescentou:


- O que é uma cobrançazinha a mais que nem é para ele, é dos santos? Quem garante que ele não traria no prazo, completado o arranjo? Quem sabe se as entidades não pediram sucessivas oferendas que o obrigaram a pedir mais dinheiro? E por que a versão da polícia é melhor que a dele?

Geraldo, romântico que até então não tinha posição na contenda, pendeu para o lado de Tânia.

- Muita gente traz o amor em três dias e recebe aplausos. Por que querem puni-lo por trazer em três horas? Pode parecer pouco tempo, principalmente se o amor estiver no Acre ou no Japão, mas pensem comigo: alguém que consegue transformar um coração para fazer amar o que já não ama e consegue fazer voltar o que partiu, que dificuldade teria para providenciar um simples teletransporte?

Virgílio amassou o jornal e Tânia concluiu, intelectual e vitoriosa:

- É a punição da eficiência.

Comentários

Zoraya disse…
Albir, esse final foi perfeito!Adorei a ideia. E muito legal o fato de justamente a intelectual da história ter recuperado o namorado com a ajuda de uma Cigana (será que era Mme. Cora?). Bom demais, como sempre. Beijos
É por essas e outras, Albir, que é melhor deixar o amor ir de vez em vez de querer trazê-lo de volta. :) Muito divertidas as falas de seus personagens.
albir disse…
Claro que é Mme. Cora, Zoraya. È uma honra dividir personagem com você. Beijos.


Trazer amor de volta pode ser muito perigoso né, Edu?
Zoraya disse…
Albir, a honra é minha, muita! Eu estava brincando, mas gostei da ideia. No momento em que você quiser, ficarei orgulhosissima.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …