Pular para o conteúdo principal

UM DIA DA CAÇA - OUTRO, DO CAÇADOR
>> Zoraya Cesar

O ídolo dos amigos. O Papa-Todas, o Irresistível, o Pegador eram alguns dos epítetos do nosso protagonista de hoje. Vamos chamá-lo de Luizão, porque o nome verdadeiro é confidencial. Objeto de inveja dos amigos casados, que não tinham condições de viver vida tão excitante, e dos solteiros, que, por mais que tentassem, não chegavam nem perto do sucesso numérico de Luizão, que açulava essa inveja contando todos os detalhes sórdidos de suas aventuras.

Mas suas conquistas eram de qualidade, dizia. Não se dava ao trabalho de seduzir qualquer uma não, a graça, para ele, era fazer com que mesmo as mais astutas e experientes caíssem em sua teia. Aos quase 40 anos, solteirão convicto, jamais se apegara a qualquer das vítimas enganadas. Gabava-se de poder conquistar a mais empedernida ou séria que fosse, fazê-la se apaixonar perdidamente, para só então levá-la para a cama (ou carros, praias, escadarias de prédios comerciais, banheiros públicos ou privados... a cidade era cheia de opções) e descartá-la como de um lenço de papel assoado. Seu prazer era a conquista, a estratégia, as dificuldades e a vitória final, a entrega do corpo apaixonado da mosca, digo, moça, aos prazeres da carne. Um predador moderno: elegante e amoral.

Esclarecido o caráter de Luizão, não percamos tempo com análises ociosas. Vamos aos fatos.

Um dia – como costumo dizer, sempre tem “um dia” – Luizão chegou com os olhos brilhando de excitação (sei que é um chavão dos mais repetidos, mas não pude resistir): por intermédio de Maurício, um dos amigos de sempre, conhecera Ivonete, dona de salão de beleza, que estava de casamento marcado para dali a alguns meses, apaixonadíssima pelo noivo – assim mesmo, no superlativo. O alvo perfeito, babava.  A estratégia aplicada para fazer Ivonete trair o noivo antes do matrimônio já estava preparada: far-se-ia (uau, uma mesóclise!) passar por coitado largado pela noiva no altar, mulheres adoram coitados.

E Luizão contava os avanços, os recuos, o lento mas gradual envolvimento de Ivanete, que agora aceitava um pouco menos recalcitrantemente os agrados e presentes de Luizão, ouvia-o emocionada falar da noiva ingrata, compadecia-se de seu falso sofrimento.

Até que Luizão anunciou, a boca cheia do riso canalha, que no dia seguinte ela iria à sua casa. E lá encontraria jantar romântico, velas, champagne (de Champagne mesmo, Luizão não economizava para alcançar seus intentos), presentes e, claro, declarações de amor e lençóis de linho. "Semana que vem eu conto", prometeu, "mais um capítulo da vitória da experiência sobre a virtude".

Na semana seguinte àquela que seria a noite memorável, Luizão não apareceu nem deu notícias. O celular só caía na caixa postal, seu perfil sumira das redes de relacionamentos. Os amigos chegaram a pensar que o noivo traído descobrira tudo e armara uma vingança.  Maurício, no entanto, o único que não parecia preocupado, ao contrário, sorria misteriosamente, como se soubesse de alguma coisa muito engraçada e particular, tranquilizou a todos, afirmando que Luizão estava muito bem e que, no dia seguinte, iria encontrá-lo na hora do almoço.

Assim dito, assim feito. Maurício encontrou nosso protagonista sozinho, cabisbaixo, olhando para a comida sem tocá-la.

– E aí, amigão, você sumiu...

Luizão olhou para ele, com raiva, os olhos fundos, a pele baça.

– Você sabia, não é? Fez de propósito – respondeu, a voz sumida dentro da boca.

Mauricio riu.

– Que Ivanete era um travesti? Claro que sabia! – e ria de chorar. – Achei que seria engraçado um travesti enganar um garanhão experiente que nem você. Mas não se preocupe, ela é perfeita demais, engana todo mundo, eu também embarquei nessa – Mauricio agora gargalhava. – Não leve tão a sério, cara, faz parte da vida, é mais uma historia pra contar...

Luizão continuava de cabeça baixa, enquanto o outro falava e ria. Então, num movimento brusco e violento, agarrou Mauricio pelo colarinho:

– Imbecil, você estragou minha vida, vou te matar, estou apaixonado, entendeu? Apaixonado pela Ivanete. E ela me dispensou, não quer nada comigo – gritava em pleno restaurante, cuspindo raiva no rosto de um aparvalhado Mauricio, que começava a ficar ligeiramente azulado.

(Termino a história aqui, creio que não há mais nada a dizer. Conclusões, lições de moral, se a vida vingou-se de Luizão, se cada um tem o Maurício que merece, tudo fica a cargo do Leitor. Afinal o amor, quando acontece, é inexplicável, e sabemos nós que todo mingau tem seu dia de araruta. Mas, se você ficou curioso em saber o que aconteceu depois, é só perguntar, prometo que conto.).

Comentários

Anônimo disse…
Hahaha não precisa nem contar o que aconteceu depois... dá pra imaginar... o Luizão assumiu o seu lado gay e desistiu de importunar as pobres mulheres incautas. Resolveu se assumir e trabalhar fazendo strip tease numa boate de copacabana... rs
aretuza disse…
Mas e aí? Vai ter segundo capítulo? Com final feliz para Luizão e Ivanete!!!!

P.S essa história de digitar as palavras-chave do blog está cada vez mais complicado! pede para simplificar esse negócio!
Vc cria personagens como ninguém... já pensou em escrever uma peça?!
albir disse…
Zoraya,
muito bom! Faço coro com os pedidos de continuação da história.
Beijo.
Lincoln disse…
É Zô.... Que imaginação !!! Um final que não dava prá prever... Mas a vida é assim mesmo... Imprevisível !!!
Sim, Zoraya, um dia é da caça, outro do caçador... e o dia seguinte, é de quem? :) Muito bem construída a crônica!
Cecilia Radetic disse…
Oi Zo, como sempre uma delícia ler suas crônicas.
O amor quando acontece pega desprevenido até quem se ache imune.
Anônimo disse…
gente, que triste! se o universo masculino estiver mesmo se dividindo entre cafajestes e gays e se os cafajestes estiverem se tornando gays, o que será e nós?

Ana

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …