Pular para o conteúdo principal

O EMPREGO >> Albir José Inácio da Silva

Foi o último a chegar, assustado, não, desamparado. Todos conheciam sua ojeriza por assuntos de morte: enterros, capelas, cemitérios. Parava de freqüentar uma casa quando sabia que alguém tinha morrido lá. Mas nesse velório não teve como não ir. Felício era amigo de infância. Os outros até respeitavam sua aversão, mas não dessa vez: quando pretextou reumatismo, ameaçaram ir buscá-lo.

Se Alfredo – troquei o nome porque ele não me perdoaria – se desesperava só com essas conversas, imagine o leitor como estava se sentindo diante da materialidade da morte. Sofreu a vida toda com esse tema, que parecia ser o preferido de seus amigos. Não sei se gostavam mesmo ou se, sádicos, se divertiam com o sofrimento dele. Não perdiam oportunidade para falar da “indesejada das gentes” – poetizavam - enquanto Alfredo se contorcia. Felício, o agora velado, era o mais entusiasmado.

Alfredo também sofria de desemprego há quase um ano, com contas atrasadas e aviso de despejo. Há dois dias Felício chegou no bar com um sorriso e uma novidade: emprego, bastava procurar aquela pessoa naquele endereço, e entregou-lhe o papel. A tarde podia ter terminado assim, mas bastou uma distração e o tema morte estava na mesa.

Alfredo ia se levantar, mas sentiu no bolso o papel de emprego. Resignou-se. Sofreu. Felício, megalomaníaco, falou das vantagens de se morrer na zona sul, da dignidade com que se morre lá, do choro contido, sem escândalos. Lembrou os trajes elegantes e o mais importante: enterro no São João Batista, entre as celebridades. Enfim, já que se tinha que morrer, que fosse ali.

Beto da Muda discordou. O melhor lugar para se morrer era a Tijuca, com suas igrejas e seminários, suas tradições e seu ambiente familiar. A morte de um ente querido na Tijuca não era sentida só pela família, mas por todo o Bairro. Felício replicou. Na religiosa Tijuca morria-se com culpas e arrependimentos. Sempre se está em pecado naquele lugar de penitência e confissão. Eu não me pronunciei porque não havia um único lugar em que eu desejasse morrer.

Mas o garçom, íntimo e apressado, não entendeu o “morrer bem” e disse que o melhor lugar para isso era a Baixada. Lá morria-se fácil, sem médico, sem saneamento, com chacinas e epidemias. Difícil era para quem ficava e tinha que encomendar o morto. Mas os políticos ajudavam. Sempre se conseguia uma cesta básica de enterro. Ninguém teve paciência nem tempo de explicar porque outra mesa já reclamava o garçom. Não suportando mais, Alfredo conseguiu gemer um agradecimento pelo emprego e saiu.

Agora ali estávamos para a última homenagem a Felício. A cerveja, que fazia os outros mais falantes, mais emocionados, parecia mergulhar Alfredo em mais depressão. O tijucano da Muda não o perdoou.

- Tá certo que isso aqui é um velório, não é pra ninguém ficar alegre. Tá certo que você não goste de enterros, muita gente não gosta. Mas dá pra melhorar essa cara? Parece que tá aqui obrigado. Nem a viúva você cumprimentou. Que falta de consideração! Principalmente com Felício. Ele não era teu amigo? Não te ajudou tantas vezes? Agora mesmo ele não te conseguiu um emprego?

Como se estivesse no próprio enterro, Alfredo balbuciou:

-É, conseguiu!

E tirou do bolso um crachá de ajudante de necrotério do IML.

Comentários

Esse é o Albir. Nosso grande cronista do pequeno cotidiano! Maravilha de crônica!
Carla Dias disse…
Bacana, Albir! Impressionante como você escreve tão bem sobre assuntos comuns a todos nós, como a morte. Obrigada por isso! Beijo.
Zoraya disse…
Humor negro minimalista. Bom demais, como sempre, Albir! Beijos
albir disse…
Edu, Carla e Zoraya,
se não houver outros motivos para escrever, a leitura de vocês basta.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …