Pular para o conteúdo principal

O PEDIDO >> Fernanda Pinho




O pedido de casamento começou a se desenhar quando ele ligou para minha casa e me disse que precisava falar com a minha irmã. É claro que minha intenção era perguntá-la depois qual era o assunto. Mas o destino parece torcer para o romantismo pois fez com que um primo meu chegasse na minha casa justo nessa hora, de modo que fui atendê-lo e me esqueci por completo do telefonema. Como é fácil fazer surpresa pra gente lerda. E como é fácil quando se tem uma cúmplice sagaz como minha irmã que, sei lá porque cargas d'água, sabia com precisão o número do meu dedo (eu, por minha vez, nem sabia que dedo tinha número).

Três semanas depois ele desembarcou no Brasil, com o anel e duas horas de atraso. Só quem já namorou à distância sabe o que duas horas de atraso significam. A sensação que se tem é que vai chegar seu aniversário de 80 anos e seu amor não terá desembarcado. Tamanha ansiedade fez com que, ao ler "avião no pátio" no painel do desembarque eu fosse acometida por uma vai-ser-inoportuna-assim-lá-longe dor de barriga. Pensei em esperá-lo antes de correr para um banheiro, mas logo constatei que se o fizesse encenaria uma situação extremamente constrangedora, se é que vocês me entendem. Não teve jeito, lá fui eu, suando frio, pro banheiro do aeroporto.

Claro! Foi a conta de eu entrar no banheiro e ele aparecer, segundo me contou minha mãe, que estava me acompanhando. Primeiro ele levou um susto ao não me ver, depois ouviu a explicação da minha mãe e riu, achando aquilo bem "típico de mim". Quando saí do banheiro, o vi de longe. Ele também me viu. Corremos em slow-motion para os braços um do outro, os sinos badalaram, tocou Every Breath You Yake, e todas as pessoas do aeroporto desapareceram. Menos os pais dele que estavam logo atrás. "Uai, seus pais também vieram?". "Vieram te fazer uma surpresa". Eu entendi que a surpresa era exatamente aquela: a presença dos dois ali. Mas não era bem isso, o que eu só fui entender à noite.

Havíamos planejado de, na primeira noite dele no Brasil, sairmos para jantar, só os dois. E assim teríamos feito se eu soubesse que devemos colocar água no carro. Pois é, eu não sabia e o carro deu tilt no meio do caminho. Alguns transeuntes tentaram nos ajudar, minha irmã e cunhado vieram em meu socorro, mas nada adiantou. Tivemos que chamar o reboque que demorou cerca de duas horas pra chegar. Já eram quase meia noite e ainda estávamos eu, minha irmã, meu cunhado, meus pais (que resolveram ir atrás) e ele (com o pedido de casamento no bolso) morrendo de frio numa rua erma de Belo Horizonte.

Quando, enfim, conseguimos voltar para minha casa, fomos surpreendidos por uma faixa na fachada do prédio. Era uma homenagem da minha mãe para minha irmã, que colaria grau no dia seguinte. Eu já estava começando a achar que tudo era um sonho. Daqueles confusos, em que eventos desconexos como diarréia em aeroporto, reboque de carro, homenagem pra irmã e o amor vindo com os pais de outro país só pra ter ver convivem naturalmente.

Se era um sonho, a melhor parte ainda não havia chegado. Quando, enfim, conseguimos nos sentar no sofá da minha casa para conversar (enquanto todos da família já haviam ido dormir), ele me fez um pedido. Não, ainda não era esse. Ele me pediu um copo de água. "Vem comigo, vou pegar pra você". "Ah, busca pra mim, eu fico aqui". "Não,você tem que pegar a água. Não quero você com frescura aqui em casa". "Por favor, pega pra mim. Tenho preguiça". "Ok, ok. Mas é a primeira e última vez que faço isso, tá?". Lá fui eu, tosca e reclamona como sempre.

E então eu voltei com a água. Voltei para a sala, mas não precisamente para o planeta Terra. Fui subitamente transportada para uma outra dimensão ao vê-lo me estendendo a mão com uma caixinha. O misto de choque com miopia me fez levar uns bons segundos para entender o que estava acontecendo. Precisei dar um zoom com a visão naquela caixinha preta e ainda não foi suficiente. Era necessário que ele dissesse alguma coisa. E ele disse:
- Casa comigo.
Minha boca disse sim. E minha alma, precipitada que só ela, casou-se com ele ali mesmo, naquele instante.

Dois dias depois o pedido foi formalizado entre famílias. Os pais dele foram até a minha casa pedir minha mão aos meus pais como, em pleno 2012, ainda manda a tradição chilena. Bom, eles chamam de "tradição chilena", eu chamo de compromisso, respeito, seriedade, hombridade e amor.

Pedido feito, pedido aceito. Meus pais não poderiam dizer "não" para uma pessoa que eu, tenho certeza, disse "sim" antes mesmo de nascer. 

Imagem: sxc.hu

Comentários

Paula irmã disse…
Foi um dos dias mais emocionantes da minha vida também!
Eu, que esperei 5 anos pelo dia que colaria grau, vi meu sonho virar ainda mais história de novela...
Foi tudo tão esperado, e ao mesmo tempo tão inesperado... Um bombardeio de emoções que, definitivamente, não esquecerei jamais.
Esta sexta-feira e os dias que se seguiram foram os mais felizes e emocionantes do ano, o que dirá da minha vida. Eu choro só de lembrar, acredita?
Zoraya Cesar disse…
Nossa, tenho até vergonha de falar depois de ler tanta intimidade. Entao, vou resumir: há muito nao lia história tão linda. Adoro romances. Obrigada por dividir conosco. E FELICIDADES!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …