Pular para o conteúdo principal

SAM ESCOLHEU SUAS ARMAS >> Carla Dias >>


"C'mon get up, get dressed
The world is spinning
Full of kindly beings
The one you love will love you back
And no-one's spoiling anything
Everything's just right
It makes you want to fill your lungs and sing
And ooh ...You silly pretty little thing"
Bob Geldof, da canção Silly Pretty Thing


Acordei pensando sobre esse filme que assisti semana passada. Acordei pensando como se o tivesse sonhado, sabe?  Ele tratava da história de um homem que chegou ao fundo poço, aos cafundós do abismo, ao fim do fim da linha por causa das drogas. Então, um dia ele pensou ter matado um homem e decidiu aderir à religião da esposa, que enquanto o marido estava na cadeia, deixou de ser stripper e foi cuidar da vida e da filha. 

O mais interessante é que, em determinado momento dessa aceitação de Deus, ele resolveu construir uma igreja que recebesse a todos os que as outras não aceitavam. Porque se Deus deu uma chance a ele, como não daria às prostitutas e aos drogados, aos bandidos em busca de salvação? Deus pode sim ser o aceitador de tudo e todos, mas não os homens. É diferente converter bandidos, enquanto eles estão na cadeia, de aceitá-los, ainda em processo de compreensão da sua expiação espiritual, ou seja, ainda detentores do cargo de marginais. 

A igreja vingou, mas nenhum pastor quis participar dela. Foi assim que o criminoso se apossou da palavra.

Mas não é a religiosidade desse homem que me inquieta. O que ele fez, depois de se estabelecer e se tornar dono de uma empreiteira, é que me fez repensar alguns causos. E isso acabou no continente africano, no Sudão, para ser mais exata.

Agora, talvez seja o ponto em que você está pensando que será muito chato ouvir falar, mais uma vez, sobre as necessidades da África. E que não tem mais paciência para ver aquela foto da criança sendo observada pelo abutre, nem mesmo ouvir falar em mais um Live Aid by Bob Geldof. Eu adoro o Bob Geldof... Ótimo músico e, principalmente, um verdadeiro humanitário.

Redenção (Machine Gun Preacher/2011), que é estrelado por Gerard Butler e baseado na história de Sam Childers. Sim, ele existe, e ao ouvir falar, na igreja que frequentava, sobre a situação da África, decidiu se voluntariar para um programa de reconstrução de casas em Yei, no Sudão do Sul, em 1998, em plena guerra. A partir daí, não houve quem tirasse a África de Sam. Ele voltou ao Sudão, construiu uma clínica e depois um orfanato em área de risco, mas que somente ali atenderia quem realmente precisava dele. A milícia rebelde estava matando e sequestrando as crianças. 

Sam Childers

Houve um momento em que Sam se sentiu muito perturbado com a história que assistia no Sudão. Ele chegou a hipotecar a casa e a vender a sua empresa para conseguir dinheiro para o trabalho voluntário, criando uma situação difícil para a esposa e a filha. Ele era diferente de um pastor convencional, porque amante que era das armas, ele as empunhava para defender as pessoas, e principalmente para reaver as crianças órfãs sequestradas. E são essas crianças, a forma como elas são agradecidas a ele e compreender a dor, que ele retomou o seu caminho. Sem abandonar as armas, claro. 

É verdade... A miséria não ronda somente a África. No Brasil, há pessoas que não têm o básico para viver, crianças que necessitam lidar com a fome e com o descaso. Mas a questão que me faz pensar que pessoas como Sam Childers e Bob Geldof sejam necessárias, pessoas que olham para além das fronteiras de seus países de origem, é que há lugares, como o Sudão e a Etiópia, em que somente a política bem aplicada e os projetos sociais efetivos não podem resolver o problema. Onde a bondade, o humanitarismo e a coragem de estrangeiros de trafegar por lugares em guerra fazem toda a diferença.

A foto do abutre e a criança foi registrada pelo fotógrafo sul-africano Kevin Carter, em 1993. Foi publicada pelo jornal New York Times e  ganhou o Pulitzer, em 1994. A menina sudanesa estava tentando chegar a um posto de alimentação. É uma das imagens que mais tocaram as pessoas sobre a situação da África. Bob Geldof continua a sua batalha humanitária e não se esqueceu da África, assim como Sam Childers. O orfanato que ele construiu continua na ativa.  

Bob Geldof

Hoje eu acordei com esse filme na cabeça, mas talvez eu tenha sonhado sobre o assunto. E o que experimento agora é a sensação de que, apesar de saber que ainda falta muito para a situação da África se acertar, ainda há esperança. Graças a Sams e Bobs e Ghandis e Betinhos e Martins e a mim e a você que, na pequeneza do que podemos fazer, sonhamos o mundo melhor. 



Sam Childers / Machine Gun Preacher - machinegunpreacher.org



Comentários

albir disse…
Fico pensando, Carla, que além do que essas pessoas fazem pelos que estariam mortos, eles nos tornam menos medíocres até no conforto de nossas casas, porque dignificam a raça humana e porque nos sacodem. Beijo.
Zoraya disse…
Ssonhamos só nao, Carla, fazemos também. E comeamos mesmo pelos sonhos, que são a matéria da vida. Muito obrigada por esse despertar delicado. Beijos
Carla Dias disse…
Albir... Concordo plenamente com você. Beijo.

Sim Zoraya. Somos sonhadores fazendo acontecer. Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …