Pular para o conteúdo principal

LIKE CRAZY >> Carla Dias >>



Vivemos em processo de idealização e desapontamento. Não há como negar que, sempre que possível, criamos versões para desfechos sobre os quais não temos qualquer poder de mudança, esperando sempre pelo melhor para nós mesmos e para quem amamos.

Não acho isso errado, contanto que saibamos lidar com os possíveis – e frequentes – resultados diferentes e, às vezes, até mesmo contrários aos esperados. É preciso saber desapontar-se.

Like Crazy (2011) aborda bem o tema da idealização, mas de uma forma quase hipnótica, porque, neste caso, o idealizado aconteceu, mas se perdeu nos acontecimentos.

No filme, uma jovem britânica conhece um jovem americano em uma faculdade em Los Angeles, nos Estados Unidos. Eles se apaixonam, ficam juntos durante o tempo que resta da faculdade e então o visto dela expira. Ela tem de voltar para a Inglaterra para fazer a renovação, mas vislumbrando o tempo que teria de ficar longe do seu namorado, decide adiar a viagem, perdendo o prazo para renovação do visto. Quando tenta entrar nos Estados Unidos, com visto de turista, descobre que aquela infração a impedia de entrar no país. A partir daí, Anna e Jacob passam a viver um relacionamento a distância.



Separar duas pessoas completamente apaixonadas por continente é lançá-las ao inesperado. Ainda que nelas sobreviva a noção de que o amor é tão grande que não há como se dobrar à situação, na prática a vida ensina que essa expectativa é das mais traiçoeiras. E quanto maior o amor, mais a falta talha desamparo no espírito desses amantes.

Like Crazy é um filme que lida com delicadeza das emoções mais facilmente decifráveis às que surgem quando o desejo não é atendido, mas sem perder a tensão quando acontecem. O diretor e corroteirista Drake Doremus fez um ótimo trabalho, o que ajuda a destacar as atuações dos protagonistas Felicity Jones e Anton Yelchin. Eles estão ótimos para um filme que dá destaque à atuação e com diálogos muito bem escritos.

É muito interessante a forma como o desfecho do filme é apresentado. Todas as situações que antecederam aquele momento apontavam para ele. Ainda assim, o diretor conseguiu chegar a ele de uma maneira peculiar. É possível enxergar, na cena final, o quanto somos movidos a expectativas que não estamos preparados para descartar, quando a não realização delas instala um vazio incapaz de ser preenchido com outra história, até aceitarmos que sim, a distância modifica relacionamentos.

E o Like Crazy que dá título ao filme é uma das coisas mais bacanas nele.

Comentários

Carla, você e essa sua talentosa mania de fazer a gente ter vontade de ver certos filmes que não veria de outra forma. :)
Zoraya disse…
Carla, Eduardo tem toda a razao. Mas eu tenho certeza de que o seu olhar e o seu escrever fazem de qualquer coisa algo muito melhor do que é na realidade. Acho que vou te pedir para resenhar alguns filmes pra mim. E sim, a distância faz toda a diferença. beijs
Carla Dias disse…
Eduardo e Zoraya... Acho que o meu hábito de escrever somente sobre o que gosto quando se trata de arte, acaba transmitindo a minha real empolgação com o que leio, escuto e assisto. Sei que gosto é pessoal, mas às vezes é isso mesmo... Deixamos de conferir certas cosias porque cada um de nós tem o próprio método de triagem. Acho que derrubei o meu, então, me arrisco a conferir tudo e selecionar o que me agrada.
Zoraya, pode mandar que eu resenho os filmes :)
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …