Pular para o conteúdo principal

TALVEZ >> Albir José Inácio da Silva

Lá fora tem um sol desses de assar gringo sorridente. Eles se deitam de barriga pra cima e ficam lá sentindo o calorzinho e o ventinho, o calorzinho e o ventinho até que um deles grita, reconhecendo no outro a brasa em que se transformaram. Mas essa divagação sobre gringos é pra fugir do problema. Talvez a praia não fosse um problema, se fosse a única possibilidade.

Mas a praia não é a única possibilidade e, além disso, tem areia quente, raios cancerígenos e a água que pode estar contaminada. Talvez eu fique melhor lendo aquele livro que já comecei quatro vezes. Isso talvez signifique melhor descanso porque hoje é domingo e aquele bando de gente barulhenta da praia não descansa ninguém.

Mas talvez eu não esteja precisando de descanso nenhum. Preciso, isso sim, de atitude, movimento, para que a semana comece bem, com energia, e não se arraste sem graça e repetida como se durasse um mês.

Ou talvez deva mesmo ficar em casa, mas pra fazer aquele trabalho chato que já cobraram tantas vezes e eu não tenho mais desculpas. Ora, danem-se! Duvido que eles fiquem fazendo relatórios no domingo. O melhor é assistir televisão que não se precisa responder, nem se mexer, nem pensar; e descanso é isso, é um quase morrer.

Se alguém ligasse me convidando pra alguma coisa... Lembro que nas segundas-feiras há sempre gente comentando programas comuns, fulano ligou pra sicrano e fizeram isso e aquilo. Que inveja! Talvez eu devesse ligar pra alguém. Ou chegar na casa de alguém. Uma surpresa. Surpresas, outra inveja! Nada me surpreende. Tenho sempre que escolher o que fazer e aonde ir.

Enquanto não resolvia, fui andando até a praia pra ver se ela me convidava. Tudo estaria resolvido com um convite. Só ouvi a freada e um capacete que falava com a viseira levantada. O resto foi surpresa, cabeça rodando, muita atividade a minha volta, e a maca. Depois radiografias, curativos, injeções, comida ruim e gesso. Às dez da noite voltei para casa com uma bengala e um alívio: o domingo estava plenamente resolvido.

Amanhã vai ser mais fácil, com menos opções. O relatório alguém vai ter de fazer; a praia está descartada, com ou sem sol; e não vai ter trabalho por muito tempo. Claro que nem tudo está resolvido. Aquele livro continua lá, ameaçando - é uma vergonha não conseguir terminar um livro - além de não poder começar outro. E tem a televisão, que pra doente talvez seja o remédio mais indicado. Talvez.

Mas isso é assunto pra segunda-feira – cada dia deve ter seus próprios problemas – e pra hoje já foi demais. Eh, vida dura!

Comentários

Albir, sua crônica produziu em mim um som: o som do riso. Bom demais para uma segunda-feira. :)
Marilza disse…
Albir, começos são sempre dificeis, mas depois engatam....rs
Nick Pink disse…
Bem legal a crônica!
Melhoras pra você! rs

Abraços!

http://vivereler.blogspot.com/
albir disse…
Que bom saber disso, Edu.


Vai melhorar, Marilza, vai melhorar!


Obrigado, Nick, volte sempre.
Albir, você é ótimo! Adoro a dinâmica dos seus textos. O leitor fica ansioso pelo final e, ao mesmo tempo, fica triste quando chega ao fim, porque tem gostinho de quero mais. Muito bom de segunda-feira a segunda-feira. :)
albir disse…
Marisa,
até o personagem melhorou com o seu comentário balsâmico.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …