Pular para o conteúdo principal

ARAPUCA >> Kika coutinho

Eu morava em um apartamento muito pequeno quando conheci o meu amor. Foi para esse mesmo apartamento que ele se mudou de vez quando nos casamos. Ainda me lembro das flores amarelas que reluziam sobre o sol quando chegamos da nossa lua-de-mel. A cama arrumada, a casa toda enfeitada, repleta de mudas de amor-perfeito que nasciam aos montes nas nossas pequenas janelas. Era primavera naquele meu outono inesquecível.

Nesse mesmo apartamento, eu aprendi a fazer ovo frito, omelete e penne. Errei um milhão de bolos, acertei algumas massas. Nesse apartamento, assistíamos seriados em domingos intermináveis, comendo M&Ms que escapavam entre os lençóis. Lá, brigamos um pouco e rimos muito. Lá, eu chorei sozinha, no chão de um banheiro frio, por um teste de gravidez que dava negativo. Lá, eu chorei sozinha, no chão de um banheiro frio, por um teste de gravidez que, enfim, dava positivo...

Mudamos desse apartamento para a rua de cima e, com um barrigão de sete meses, despedi-me do nosso minipalácio aos prantos, mesmo sabendo que iríamos para uma mansão duas vezes maior que aquele pequenino ninho.

Na casa nova, desisti de cozinhar, perdi os DVDs de seriados e iniciei os infantis. Na grande TV que instalamos na sala, conheci Cocoricó, Galinha Pintadinha e Palavra Cantada.

Nesse apartamento novo, de dois quartos, descobrimos o preço inacreditável das cortinas, dos armários e dos porta-toalhas de banheiro.

Lá, cheguei com um pequeno bebê nos braços, assustada e feliz, angustiada e ansiosa. Andando na sala enorme do nosso pequeno castelo, varei madrugadas cantarolando, balançando um bebê que chorava, ou chorando com um bebê que balançava. Nesse lugar, nessa morada acolhedora, fomos apresentados aos transtornos e delícias de ter empregada e babá.

Era o mesmo bairro de sempre e, enquanto caminhávamos pelas ruas arborizadas, sonhávamos com os próximos apartamentos, sempre vizinhos àquele. “Nunca vamos sair dessa região”, dizíamos com a firmeza tola dos jovens, sem saber que a vida é armadilha, arapuca perfeita dentro de cada "nunca" que soltamos solenemente, como donos do tempo e do destino.

Hoje, sentada no chão de uma sala vazia, em meio a caixas de papelão, papel bolha e fita adesiva, assisto a minha filha brincar com a mudança. Mais uma mudança, agora para o outro lado da cidade. Contrario tudo que sempre preguei. Onde eu estava com a cabeça?, pergunto-me vislumbrando as árvores que despontam na minha varanda. Como foi que decidimos sair daqui? Pergunto para o meu marido, que encaixota os cintos.

Não há resposta, concluo horas depois, já dentro do carro, enxugando uma lagriminha teimosa. Saio do bairro, cheia de saudades e gratidão. Como fui feliz aqui, penso, no longo caminho que divide a casa velha da nova.

Quando chego ao nosso próximo palácio, muitas outras árvores me recebem. É um dia de sol e calor, e eu sorrio agraciada pelo sol da manhã. Acho que vou viver aqui para sempre, falo em silêncio, enquanto abro a enorme janela da sala e vejo uma infinidade de crianças brincando no parquinho. Mal me lembro que a vida é armadilha...

Minha filha acena do térreo, no colo do pai, e eu me encanto com as arapucas preciosas da vida

Comentários

Kika, também sinto dificuldade em deixar uma casa para trás. Boa sorte à família real em seu novo palácio. :)
Fabi/Bia disse…
Kika, amada. É bom ter um lado camaleoa e ver que sim, nos adaptamos às novas realidades e até as brindamos depois. Nem precisa ser muito tempo depois! :o)
O sol e as árvores já deram as boas-vindas à família linda que vcs são. Eu só complemento de maneira simples mesmo com um "welcome to your new home sweet home", já que ali os encontrarei para minhas aulas preciosas com o Bruno, tão querido. Aula esta em que vc palpita, ri junto, participa... e a doce Sofia circula chamando nossa atenção distraindo o aluno, a professora e a nossa convidade especial.
Desejo um universo inacabável de alegrias na nova casa!
Amo vcs!
Bia
Alice Sousa disse…
Kika, que lindo o texto... parabens pela casa nova bjos Alice (Ribeirão)
fernanda disse…
Super te entendo, Kika. Só me mudei uma vez na vida e até hoje sonho com a casa velha. Sinal de que valeu à pena aquela época, né? Boa sorte na casa nova! Muita paz pra vc e sua linda família!
Bjos!
CAFÉ COM ROSAS disse…
Olá,

Sou sincero. Nunca havia visitado o seu blog. Comento apenas para divulgar o meu novo blog. Além de ter alguns textos que venho escrevendo recentemente para o site Horns Up, tem algumas cronicas bem legais.

Um abraço e desculpe-me a sinceridade!
Guilherme Fernandes
http://cafecomrosas.blogspot.com/
Anônimo disse…
Kika!!!!
Que delicia de texto e de coração que sente as coisas de forma tao especial. Que maneira bonita de ver a vida...nos mudamos em setembro, dai deste seu novo jardim. E sei bem o que esta dizendo. O cheiro desta mudança nos fez ver as coisas de maneira ainda mais peculiar, e as novidades apresentadas nos fazem sentir que as "arapucas" as quais se refere, sao maravilhosas oportunidades. Bem vinda ao seu novo jardim!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …