Pular para o conteúdo principal

APENAS TRÊS LETRAS E UM TIL [Maria Rita Lemos]

Três letras e um til, somente, e formo a palavra “não”. Simples assim? Nem sempre. Pensando bem, pode ser que você seja aquela pessoa que está o tempo todo ajudando todo mundo a fazer tudo, o possível e o nem tanto, sem esperar nada, sem receber nada em troca. Pode ser você aquela que empresta dinheiro para amigos, parentes e até inimigos, quem sabe? E por isso vive pendurada no cheque especial, devendo você mesmo aquilo que salvou tanta gente de sentir na pele e no bolso... Talvez você, com sua santa bondade, tenha aberto mão, por amor a amigos e parentes, por estar devendo o que emprestou a eles, daquela viagem maravilhosa com a qual você sonhou tanto, daquele carro que sonhou em trocar este ano, daquele Natal em Natal, só para lembrar uma única viagem...

Você aprendeu, a vida toda, recitou um antigo mantra, que dizia, milhões de vezes, que os problemas das pessoas são muito mais sérios que os seus, que é preciso pensar primeiro nos outros.... pois esqueça, enquanto é tempo!

Aprenda a escrever e falar “não”, são só três letrinhas e um til! Está certo, todos e todas temos problemas, mas dificilmente podemos ajudar a alguém se nós mesmos estivermos nos afogando! Quando viajamos de avião, em qualquer vôo, mesmo que doméstico, uma das primeiras lições que aprendemos, ainda antes de decolar, é que, em caso de pânico no vôo, o oxigênio cairá diante de nosso rosto, e se precisarmos ajudar alguém, é necessário que antes coloquemos nossas próprias máscaras salva vidas, ou não poderemos ajudar, nem a nós mesmos nem a ninguém! Primeiro respiramos, depois ajudamos a respirar, dizem as comissárias de bordo, quando estamos voando, e dizem os experientes marinheiros, quando estamos no mar!

Quando esquecemos de nós mesmos, estamos longe de poder ajudar a alguém. Será que não está na hora de ver que há pessoas que tiram proveito de sua generosidade, fazendo de você a provedora (ou o provedor) de todos os seus desejos, sem pensar, nem um único momento, em quanto pode ser importante para você realizar também alguns de seus sonhos? Essas pessoas, infelizmente, podem estar muito mais perto do que você imagina, infelizmente. Mas existem, são reais, e vão se comportar exatamente assim, enquanto você deixar as porteiras abertas para que isso aconteça.

Há pessoas que realizam, e outras que vivem da realização alheia. Esses são os verdadeiros “vampiros espirituais”, que só existem porque há pessoas, talvez exatamente como você, com o pescoço esperando para ser devorado, apenas achando que estão ajudando aos que necessitam. Incapaz de dizer “não”, as três letrinhas que têm um til no meio, cada vez mais você se torna vítima de doenças, porque seu corpo, fragilizado, começa a mendigar o amor que você dá aos outros, e nega a si mesma. Preste atenção: aquelas pessoas que se magoam quando você lhes diz “não”, quando o momento é de negar, são exatamente as mesmas que tentam dominar você, fazendo de tudo para que volte atrás, manipulando seu enorme sentimento de culpa. Quando e se isso acontecer, não recue. Não dê seu pescoço ao vampiro, nem seja agressiva ou indelicada. Firme, mas decididamente, deixe claro que você não vai voltar atrás em suas decisões, e se for possível e/ou necessário, afaste-se dessa(s) pessoas(s). Se não for possível, por algum tempo. Se for possível, definitivamente.

Comece agora a dizer NÃO, quando “não” é a palavra necessária naquele exato momento, do qual você está se lembrando agora. Dê valor ao que você é, ao que você sente e pensa. Ame a você mesma, para poder amar aqueles que estão em seu caminho, e que merecem seu amor

Comentários

Debora Bottcher disse…
Oi, moça,
'Texto-alerta', eu chamaria esse... As pessoas têm muita dificuldade em dizer 'não' e acabam sugadas por outras em muitas ocasiões, fazendo o que não querem, às vezes nem podem. Eu já aprendi o valor dessa palavrinha, mas vez ou outra ainda me pego na armadilha de querer agradar ou não criar entraves. Mas é preciso saber os limites - nossos e os alheios e, no segundo caso, quando os alheios não os percebem, mostrar a eles a linha invisível do 'PARE AÍ'. :)
Beijo, bonita.
Oi, Maria Rita!
Se tem uma forma de dizer não que aprendi depois de tantos horror e iniquidade por parte dos meus pares mais próximos, foi afastando de pessoas assim. Acho mais sutil. Pelo menos as que me sugaram tanto na vida entenderam(nem falo tanto de coisas materiais). Eu tenho uma enorme dificuldade em negar, mas tenho uma facilidade maior de me magoar com gente oportunista.
Abraços, ótimo final de semana.Paz e bem.
Fernando disse…
Chantagem emocional! Algumas pessoas se utilizam desse mecanismo de manipulação para conseguirem o que querem. Ainda mais quando o sentimento de culpa predomina na pessoa que se submete a esse tipo de situação. Belas palavras.
Maysa :) disse…
Vc conseguiu descrever exatamente o horror de ser 'bonzinho' para os outros, o ser humano e sua capacidade de ser inimigo de si próprio. Excelente!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …