Pular para o conteúdo principal

SÓ ACONTECE COMIGO >> Fernanda Pinho



À que saiu de casa toda arrumada e levou banho de poça d'água. Ao que levou um pé na bunda às vésperas do casamento. Ao que acabou de receber e teve todo o salário roubado. À que se apaixonou tarde demais por alguém que já foi apaixonado por ela. À que engravidou na primeira transa. Ao que quebrou o dente da frente no dia em que ia dar uma palestra. À que ficou menstruada no dia em que resolveu sair de roupa branca. Ao que desistiu de investir em um negócio e depois acompanhou o seu sucesso. Ao que foi demitido no dia do aniversário. Ao que foi confundindo com um terrorista ao tentar entrar nos Estados Unidos. À que teve as malas extraviadas durante a viagem. À que desmaiou durante a primeira visita à casa do novo namorado. Ao que ficou doente justamente quando conseguiu tirar férias.

A todos estes só parece restar uma curiosa alternativa: a de se consolar se julgando importante demais e proferir a famigerada pérola: só acontece comigo! "Só acontece comigo" tem cara de um ato de desespero mas é, na verdade, um ato de egocentrismo. É como se, se apegando à ideia de ser exclusivo em algum nível para o universo, a pessoa se sentisse menos desgraçada. Mas, olha, sem querer ser desagradável nem nada (não é mesmo essa minha intenção. Tanto que eu iria postar essa crônica semana que vem, mas decidi me adiantar pra não estragar o carnaval de ninguém), gostaria de partilhar uma descoberta feita às duras penas. Chupa essa manga, meu caro: não, não acontece só com você!

Você pode, sim, ser um azarão, frequentemente contemplado pelas ironias da vida. Mas isso não significa que você seja especial para o mundo, a ponto de todas as forças do universo conspirarem para que algo aconteça única e exclusivamente na sua vida. Já parou para pensar há quanto tempo esse planetinha está orbitando por aí? E já parou para pensar em quantas pessoas já passaram por aqui desde então? Quer dizer, cogitar a ideia de que qualquer coisa, por mais absurda que seja, tenha acontecido só com você é se achar importante demais.

Mas sabe qual é a parte boa? Sim, tem uma parte boa (não precisa ficar triste pensando "ah, acabei de descobrir que não sou importante, por causa de uma crônica boba. Só acontece comigo..."). A parte boa é que, não sendo único, exclusivo e especial, significa que você não está sozinho! Você é só um grão de areia mas, olha aí, com outros milhares de grãos de areia em volta de você. Saber que outras pessoas passaram e passam por situações semelhantes às nossas e continuam por aí, vivendo e até felizes, é reconfortante. Ter em quem se espelhar para seguir em frente é um alento muito mais interessante do que viver acreditando que, enquanto a gente dorme, as estrelas conspiram contra nós.

O mundo não está te perseguindo! Pare de correr e dê um delicioso abraço nele.

Foto: www.sxc.hu

Comentários

Fernanda, seu parágrafo final é praticamente a descrição de um sonho repetido que eu tinha quando criança.

Ah, mas que tem coisa que só acontece comigo, isso tem. :)
albir disse…
Fernanda,
acho que não vou te dar a mínima bola. Verdade que gosto dos abraços. Mas preciso de alguma exclusividade neste mundo. Nem que seja por quinze segundos. Depois embarco na solidariedade.

Texto primoroso.
Muito bom, Fernanda! O mundo não tá nem aí pra gente, como gostaríamos de conceber. Tem muita gente até que gostaria que ele coubesse todinho em seu umbigo. Nós é que temos que driblar, driblar, remexer a cintura e mandar a bola pra frente. Viver é sofrimento o tempo todo. A gente é que tem que procurar se livrar disso, senão não estaríamos procurando felicidade por todos os cantos. Abraços. Paz e bem.
Samara disse…
Queria ver os que dizem "só acontece comigo" brandarem a frase também quando coisas boas lhe acontecem. Mas é bem verdade que uns são mais sem sorte que outros. Ah se é.
Amada, tem coisas que só acontecem comigo e eu conto tudo pra você! rsss.... Mas no caso eu não acho que seja perseguida pelo mundo, acho que sou é sortuda e privilegiada... o que não deixa de ser umbiguismo feliz. Beijo!!!
Juliana disse…
Hahahahaha...

Adorei o texto, amiga! Realmente há momentos na vida que temos essa sensação de que aquilo só acontece conosco! Mas GRACIAS, não é só com a gente! E a vida segue!rs

Adorei a ideia de parar de correr e abraçar o mundo! Acho que vou aderir!

Beijos
vanda disse…
è brincadira, me diz que nunca aconeceu alguma coisa equivalente na vida de alguém, eu mesma me deparei com várias dessas, mas não achei que era o fim do mundo, apenas era um começo, de repente você se assusta mas depois você ri, acho que é por ai que você se consola e não acha que é so com voce que acontece estas coiss de louco.
Marilza disse…
Fernanda, muito bom o texto. Realmente, a gente sempre acha que tudo de ruim acontece com a gente. E o mundo não gira em torno de nós....graças a Deus! Vou correr pro meu abraço!
fernanda disse…
Muito obrigada pelos comentários, gente! Esqueci de dizer que esse texto era dedicado a uma pessoa que acha que tudo é com ela: eu! rs
Bjos!!!
Cristiane disse…
Bah, mas tchê! Eu j-u-r-a-v-a que só acontecia comigo!!! Você destruiu os meus castelos de areia :D

Brincadeiras à parte, belo texto! Difícil condensar tanta informação em texto curto, simples e, como disse o Albir, primoroso. Este é um deles. Daqueles que a gente lê assim, de um "tapa" e muito tempo depois ainda pensa nele. Como tem gente que acha que o mundo orbita em torno do seu umbigo, não?!

abraços,

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …