Pular para o conteúdo principal

EM DEFESA DA POESIA SANGUÍNEA
>> Leonardo Marona

Quero começar falando de Marllamé. E o que é Marallmé? Certamente não é Mallarmé. E Mallarmé, o que seria? Nada além de alguém que poucos leram, e um dos maiores escritores de todos os tempos – antes de tudo, um dos maiores inventores. Indo mais fundo, o que é Mallarmé senão um erro de nome, um “começar-errado-um-texto-pensando-em-algo-além-de-nós”. Mallarmé é um gênio justamente porque é um alarme falso, um aviso de que, por melhor que fosse, não, isso não era coisa para ser aguentar por muito tempo. As invenções têm esse dilema incrível. São tão intensas e profundas que ferem de bom grado a existência, mas, como não são a existência e sim uma luta contra ela, elas jamais poderão ser duráveis como escudo, porque se deterioram conforme a existência – substância maleável – vai mudando de espécie e exigindo um novo nome de combate. E queremos, todos aqui, corresponder às armas da nova violência enternecida.

E não podemos apenas ser o que sofremos. Não conseguimos, a forma é pouco, queremos algo mais próximo da pele. Não nos envergonhamos mais dos antigos clichês. Lutamos em vida contra o adiamento do sangue, somos as veias entregues às rasas vielas, e no fundo nos envergonhamos, e isso completa o nosso ciclo anti-geométrico. Porque somos bons, somos bons à Dostoiévski, passíveis de riso, e seremos capazes de fugir dos monstros da estrutura formalizada, e não importa muito que tenham feito isso antes, isso será feito sempre, em algum lugar, e isso nos basta por ora, para fazer também. Não se cobrir com o cobertor de musgo da felicidade antecipada pela forma, faremos isso mesmo com os cotovelos esfolados. Somos bons porque sabemos bem demais que não podemos nos orgulhar de muito pouco.

O problema é que anos de movimento em direção à forma do que sentimos fizeram com que fôssemos ensinados diariamente assim, formalizando relações estéreis e cuspindo na poesia, que a melhor coisa vergonhosa que uma pessoa pode fazer. Tudo em detrimento do que transborda de cada um de nós em vergonha, porque é demais, e de forma alguma seria formal.

Mas acontece que agora temos os novos poetas. E qual dos novos poetas sabe ler o que diz Mallarmé? Que me explique, se quiser, um novo poeta a como ler Mallarmé, e eu direi: Se for para não entender nada, prefiro Augusto de Campos, que sei lá quantos anos têm, mas posso saber num minuto. E esse é o problema da – digamos – nossa geração. Vive-se o problema do minuto. Num minuto podemos saber o que quisermos, e por isso quereremos pouco. Mentiremos sobre isso, mas quereremos pouco. Mas em momento algum nos perguntamos o que será de nós nos minutos que não escolhermos. Ou seja, Mallarmé instaura, por fraqueza de espírito, em suma por medo, a poesia de escritório, a técnica do espírito. Isso é lindo, se visto com distanciamento e um talento comedido. Mas pode ser a morte para os que já nasceram com a verve em volta do pescoço.

E com isso – como com Proust, como com Shakespeare, como com Laurence Sterne, como com Homero, e até como com Dostoiévski – ficamos importantes demais para sermos vivos. E, acima de tudo, comemos com todo mundo. Com essa ideia de que podemos ser o que não somos, quase como um fetiche de coisa alguma. No nosso caso, que vivemos de livros, existe esse triste buraco entre o leitor e o escritor (e aqui falo, desde o início, como leitor), que impede que um se inteire totalmente do mais importante, o que causa a dádiva. E o que prendemos com esses tais encanadores perspicazes de dádiva, que as colocam entre anos e dedicam com bigodes para sentar sobre bíblias, é repatriar a nossa própria emoção em diáspora.

E por que escrever um poema, a não ser por um motivo profundo, de fácil escape? Resolver com erros o irresolvível fato. Mas os realizadores de formas não querem mais do que tradição. A dádiva, o espanto, eles só existem agora nas relações virtuais, namoro entre fantasmas. Somos capazes de formar mil grupos, mas não podemos mais tocar no que um pensa. E calha que, para isso, a forma é o mais eficaz disfarce. Nos ajuda a ocupar boas mesas e, quem sabe, dando alguma sorte, acordar a tão famosa crítica. Ao passo que – tradição por tradição – não existe nenhuma outra mais antiga do que a dor do Homem sobre a Terra, com um porém: a tradição da dor humana sobre a Terra não pode ser, nem jamais será, formalizada em castas de conhecimento formal. Em suma, um sujeito ambicioso pode jurar a si mesmo e aos outros – e até convencer muitos – que sofre como Gogol, que padece do Mal de Lautréamont, o que por si só já seria uma parvoíce, mas geralmente passa pelo crivo geral porque o próprio crítico, o próprio editor, em geral eles tomam um empréstimo, através da análise da forma, da “dor bem sucedida” dos que os antecederam. E com isso não há grandes complicações, a pessoa janta mais tranqüila e jamais sente frio no verão. Ah, mas como é fria no papel a dor alheia quando formalizada ao ponto da incompreensão!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …