quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

DEAR IDOL... >> Carla Dias >>

Eu gosto muito do programa American Idol. Para os que não sabem do que se trata, é um reality show voltado para a música, onde são selecionados cantores que podem se tornar o novo ícone musical americano. Entre alguns dos vencedores das nove edições já realizadas, estão Carrie Underwood, diva da música country, e a moça-rock.n-roll Kelly Clarkson.

O Brasil topou a franquia e fez a versão Ídolos, exibida atualmente pela TV Record. Confesso que não caí nas graças da versão brasileira, não acompanhei, assisti a pouquíssimos episódios. O derivado realmente não me ganhou.

Atualmente, a décima edição do American Idol, apresentado, desde a primeira edição, por Ryan Seacrest, está na fase das audições, quando são escolhidos aqueles que irão para Hollywood, antes de serem definidos os que serão os participantes oficiais. Nesta parte, uma labuta para os jurados, aparece de tudo: pessoas sem a menor noção de como interpretar uma canção, algumas com o ego tão em dia que nem enxergam a falta de talento, e aqueles que, se não estão prontos para o mercado fonográfico, falta pouco para chegarem lá. Sem contar os que nos tiram o fôlego em minuto e pouco de interpretação a capela.

Até a sétima edição, eram três jurados: Randy Jackson, produtor musical premiado e músico que já tocou e/ou gravou com Mariah Carey, Celine Dion e Madonna, entre outros. Paula Abdul, cantora e dançarina, conhecida por hits como “Forever you girl”, do disco homônimo, lançado nos anos 80, e o inglês mal humorado Simon Cowell. Na oitava edição, Kara Dioguardi, compositora que ganhou diversos prêmios com canções gravadas por grandes intérpretes americanos, entrou para o júri. Paula Abdul foi jurada do American Idol até 2009, sendo substituída pela comediante a apresentadora Ellen Degeneres, em 2010, quando Simon Cowell, o jurado que todos amavam odiar, anunciou que não voltaria na temporada seguinte.
A temporada seguinte é a que o canal Sony vem apresentando aos sábados e aos domingos. E tudo isso para chegar aos jurados atuais...

Randy Jackson continua na empreitada e Jimmy Lovine, aclamado executivo e produtor musical, deve aparecer nos próximos episódios, talvez após as audições. Jennifer Lopez, cantora e atriz, é a nova aquisição do American Idol, e fechando a tampa, com toda pompa, ao menos para o meu gosto, Steven Tyler, letrista, compositor e vocalista do Aerosmith.

Ok... É o Steven Tyler... Tudo isso por causa do Steven Tyler...

Em 1989, os músicos da minha primeira banda me emprestaram vários discos. Na época, meu conhecimento musical, como apreciadora mesmo, era restrito ao que assistia na televisão ou ouvia nas rádios mais populares. Era o rock das bandas que estouraram nos anos 80, como Paralamas do Sucesso e RPM, um pouco do hard rock da mesma década, como Golpe de Estado e as gringas Bon Jovi e The Cult. Eu não conhecia Led Zeppelin, Mutantes, Supertramp, Secos & Molhados.

Entre as músicas que me eram apresentadas, a cada ensaio e a cada insight dos meus amigos hippies preferidos, estava uma que me arrepiava escutar. Lembro-me de tagarelar comigo mesma sobre ela... De onde veio? Como? E, com meu precaríssimo inglês de escola pública, não conseguia entender nada do que era dito, mas a melodia, a voz, a combinação dos instrumentos. Apaixonei-me.

Adoro o Aerosmith, e para mim, Steven Tyler tem uma voz única, assim como sua performance no palco. Hoje consigo entender o que ele canta, já sei o que diz aquela canção. E lá no American Idol, comove-me vê-lo por outro prisma, nessa proximidade de reality show que permite, de verdade, que a pessoa seja quem é. Aliás, reality show só existe porque as pessoas são quem são, e isso nem sempre adoça o paladar alheio.

Sou fã do programa American Idol, mas confesso que tem sido ainda mais bacana assisti-lo por conta da presença do Steven Tyler.




Partilhar

5 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Oi, Carla!
Houve um tempo em que eu ouvia repetidamente "I don't want to miss a thing", que, além da melodia arrebatadora, ainda tem um trocadilho maravilhoso com a palavra "miss".
Agora, a principal criação do Steve Tyler não é música nenhuma, e sim a Liv Tyler, filha dele, que é linda linda linda! :)

albir disse...

Carla,
você dá tantas dicas que eu preciso arranjar tempo para acompanhá-las.
Mas, por favor, continue!

Jujú disse...

Oi Carla,

Nossa, concordo totalmente com você! Eu adoro, adoro, adoro American Idol, acompanho há uns 7 anos, quase todas!

E achei que com a saída do Simon, essa temporada ia ser um saco, mas...lá fui eu ver pra crer!

Steven Tyler é a melhor aquisição de todos Idols! Meu marido e eu rimos o tempo inteiro com as caras, bocas e comentários do grande ídolo. E de repente, na sua loucura ele se mostra tão doce com os participantes! Me cativou! Se eu já era fã do seu grupo e suas músicas, agora sou fã dele! De carteirinha!

Adorei o texto!

Carla Dias disse...

Oi, Eduardo!
Escrevo ao som de “I don’t want to miss a thing” que é mesmo uma belíssima canção. E devo concordar com você... Liv Tyler é linda mesmo! E “Janie’s got a gun” e “Livin’ on the edge” são fantásticas também.

Albir... Continuarei!

Oi, Jujú!
Também achei que com a saída do Simon a coisa ficaria ruim. E eu adoro ser surpreendida! Fico feliz em ver que misturar Jennifer Lopez com Steven Tyler está sendo tão legal.
Eu adorei ver o Steven, aquela figura rock’n roll, chamando a atenção do Randy para não dizer assim, na lata, que a pessoa não tem futuro na música. Onde já se viu acabar com os sonhos dela? Mas o que mais me deixa feliz, é quando ele realmente gosta de um dos concorrentes... É claro o quanto ele está apreciando aquela pessoa, e depois, sim, ele é um doce!
Que bom que você e o seu marido me entendem : )
Beijos!

Jujú disse...

Hahaha...é verdade, é muito bom mesmo, ele dizendo aos participantes que eles são bons, só não para o American Idol! Um querido!

Sim, te entedemos, e concordamos com vc! rs

Beijos