Pular para o conteúdo principal

MAUS ENTENDEDORES
>> Eduardo Loureiro Jr.

Tenho evitado falar mal. De livro, de filme, de disco, de programa de TV. Falar mal é apenas uma forma alternativa — e ingênua — de fazer propaganda. Ultimamente tenho preferido falar bem das coisas que vejo,  leio, escuto e gosto. Mas hoje vou pedir licença aos meus leitores para falar mal um pouquinho de vocês, dos leitores. Claro que não me refiro a todos, nem à maioria deles, mas o justo vai pagar pelo pecador.

Eu não sei se o problema é não ler, não entender ou não obedecer. Também não sei o que é pior: o leitor ser um analfabeto funcional, um burro ou um desobediente. Talvez o leitor prefira ser desobediente, já que a rebeldia se tornou um comportamento de moda, mas confesso que prefiro os burros e os analfabetos funcionais, pois estes teriam conserto. Rebelde não tem conserto: não é possível ensinar um rebelde porque ele se insurgiria contra o próprio aprendizado.

O caso é que inventei de fazer uns projetos, vários projetos, e esses projetos envolvem solicitar coisas das pessoas. E sempre aparece uma criatura, ou duas, ou dez, para desobedecer. Chega a ser divertido quando você está sem pressa. Nas minhas aulas, passei a incluir em meus planejamentos flexibilidade suficiente de tempo, de espaço e de recursos para dar conta desses gatos-pingados da desobediência. Quando um desobediente se manifesta, rio, gargalho e o ridicularizo em público, mas só um pouco, com cuidado, com jeitinho, para que o pobre coitado não se torne, além de rebelde, traumatizado.

Mas esses projetos em que me meti são coisa nova e, em meu planejamento de tempo, espaço e recursos, não previ muitas sobras. O limite é pequeno e os desobedientes não estão me fazendo rir.

O leitor, a essa altura, deve estar querendo um exemplo. Não posso dá-lo. Não posso dar um exemplo real porque corro o risco de alguns dos desobedientes exemplificados lerem esta crônica, e não quero me indispor com rebeldes, o que só aumentaria sua rebeldia. Darei, então, um exemplo contrário, de obediência, trazido pelo acaso, pelo santo protetor dos cronistas que precisam relatar um exemplo, mas não podem usar o exemplo real.

Enquanto escrevia o parágrafo anterior, minha enteada pediu que eu copiasse para ela um vídeo que está no meu computador. "É só trazer um pendrive de pelo menos 2Gb de capacidade que eu copio", falei. Segundos depois, recebo o pendrive, insiro-o no notebook e checo a capacidade: 2Gb. Exemplo perfeito de leitura, entendimento e obediência. Sabe o que aconteceria se eu pedisse a dez pessoas, por escrito, um pendrive de 2Gb?

Sete "leitores" fariam como minha enteada: me trariam um pendrive prontinho para que eu fizessse a cópia do arquivo. Agora, sabe o que me trariam os outros três "leitores" de minha solicitação por escrito?

O primeiro me traria um pendrive de 1Gb. E, quando eu dissesse, "o vídeo não vai caber, eu preciso de um pendrive de, pelo menos, 2Gb", ele diria, "ah, tá", e talvez voltasse daqui a alguns segundos com outro pendrive.

O segundo "leitor" me traria um pendrive de 2Gb completamente preenchido de arquivos. "Esse está cheio", eu diria. E o desobediente "leitor", todo sorridente: "Ah, pode apagar. Tudo não! Apaga as músicas. Não, essa aí não. Ai, acho que tem uns documentos importantes que eu só tenho aí. Deixa essa pasta todinha. É a que ocupa mais espaço? Não, esse vídeo não, esse vídeo eu ainda não vi..." E por aí vai. O que deveria ser uma cópia de arquivo se transforma numa faxina digital.

O terceiro "leitor" chegaria com um CD virgem nas mãos. "Não tenho pendrive, serve CD?". "Não, não serve, não cabe.". "E se for um DVD, cabe?". "Caber, cabe, mas eu não tenho como gravar DVD, por isso pedi um pendrive?". "Ah, seu notebook é velho, né? Deixa eu ver se consigo um pendrive ali, volto já".

Então... eu já sei que, para bom entendedor, meia palavra basta. Mas me diga, por favor, me diga: para um mau entendedor, esta crônica basta ou eu preciso acrescentar mais alguma coisa?

Comentários

Marilza disse…
Hahahahaha, entendi!
Acho que não se trata nem de burrice, nem de desobediência. Acho que é um misto de descaso, despreocupação e uma certa irresponsabilidade.
fernanda disse…
Eu sofro muito com esses rebeldes em meu trabalho. Às vezes me sinto ridícula de tanto que me explico em meios e-mails e, ainda assim, costuma não ser suficiente. E, bom, espero não estar sendo uma dessas que te aborrece naquele nosso projeto (pro bem ou pro mal, eu sempre acho que a crônica é comigo...rs).
Bjos!
É, Marilza, a lista de motivos é looooonga. :)

Fique tranquila Fernanda. Nossa turminha é 10. :)
Paloma Sabadini disse…
Felizmente, para mim, isso já basta :) eu acredito que o maior problema seja a falta de leitura, muitas vezes por pura preguiça. textos curtos e divertidos como crônicas bem escritas (como as encontradas nesse site) são uma possível solução: a pessoa vai tomando gosto pela leitura aos poucos. Abraço ^-^
Giovani Iemini disse…
nanananinha! rebelde é aquele se se revolta contra o que discorda. arruaceiro é que faz bagunça com tudo.

e para ensinar os que não sabem ouvir, ler ou entender, basta vc fazer como eles: não ouça, não leia, não entenda. será mais fácil que se irritar.
Pois é, Paloma, há que se ter paciência. :)

Giovani, adoro esses conselhos tipo chutar-o-pau-da-barraca. :)
Kika disse…
é manía d eperseguição eu estar pensando o que é, afinal, que eu não fiz direito?
:)
bjs
E o meu caso nem é de bom ou mau entendimento. Eu entregaria, sem dúvida alguma, um pendrive de, pelo menos, 4 Gb. Meu caso é de puro exagero, sempre...rs.
Bjs.
Kika, você é mesmo uma maníaca. :)

Marisa, você, definitivamente, é o paraíso de todo "escritor". :)
Carla Dias disse…
Eu entendo direitinho o que você diz... Sou chamariz desses rebeldes. Será que é coisa de quem se meteu a nascer escorpião? Espero não fazer o mesmo com ninguém... Ai, ai...
Carla, precisamos então inventar um repelente para rebeldes. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …