Pular para o conteúdo principal

AS GIRLS SE DIVERTIRAM! >> Carla Dias >>

Natal de 1987...

Depois de anos participando de amigo secreto e ganhando cozinha de brinquedo, boneca, joguinhos, batom, fitas para os cabelos, camiseta e etc, eu já estava velha o suficiente para um presente diferente: um disco.

Eu insistia em espalhar a palavra: meu amigo secreto querido, por favor, um Long Play é o que quero, e assim segui, durante o mês que antecedeu o Natal deste ano: fazendo campanha para o presente perfeito.

O disco era o True Colors, da Cyndi Lauper. Eu escutara na rádio uma das músicas, e não era o hit que dá nome ao disco, mas sim Calm Inside The Storm. Apaixonei-me pela música, apesar de não entender nadinha do que ela dizia, a voz dela me encantou. Enfim, tornei-me fã, antes de concordar que as Girls Just Want to Have Fun.

Ontem, eu fui à casa de shows Via Funchal, aqui em São Paulo, para assistir ao show da Cyndi Lauper. “Borboletas no estômago”, porque, cada vez mais, tenho por certo que as músicas que trazemos no playlist da nossa alma têm sim a função de cuidar das nossas memórias. Na noite de ontem, veio-me, claramente, a alegria que senti, no Natal de 1987, quando meu pedido foi atendido e eu ganhei o meu Long Play tão desejado.

A emoção de ver um dos seus ídolos subir ao palco é sempre das mais fortes. Quando Cyndi Lauper apareceu, não como a colorida moça esboçada na capa de seu segundo disco, She’s So Unusual (1983), mas nem por isso menos exótica, a casa foi abaixo! E aposto que não fui a única a se sentir uma pessoa de sorte por estar ali, compartilhando da música de tão inspirada compositora, intérprete de primeira, uma artista com o domínio do palco, como poucas.

Cyndi Lauper lançou, no ano passado, o Memphis Blues, disco de trabalho e do qual as canções fazem parte do repertório do show da turnê da artista. Aliás, ela realmente tem o Blues! As interpretações de Cyndi para os clássicos são de arrepiar. Entre elas, a que mais me marcou, durante o show, foi Crossroads, de Robert Johnson. Em fato, a versão Blues de Cyndi Lauper é extremamente interessante e agradou muito ao público. E a banda tem crédito nessa sonoridade, e entre eles, estava a percussionista brasileira Lan Lan Moreira.


Crossroads (Robert Johnson)

Alguns momentos foram inusitados, como quando Cyndi desceu do palco e cantou em meio ao público, que, enlouquecido, tirava fotos, cantava junto, não acreditando naquela proximidade. Isso aconteceu mais uma vez, durante o show.

Obviamente, não faltaram as clássicas canções, entre elas She Bop, All Through The Night, Change of Heart, Time After Time, Iko, Iko e a top Girls Just Want To Have Fun. E eu não sei sobre os boys, mas as girls se divertiram, e muito!

Para fechar a noite, uma versão intimista de True Colors, com a percussionista Lan Lan ao pandeiro.

Enfim, um show inesquecível. Só me resta agradecer a Aninha pelo convite, pelo de Natal, em fevereiro. E a Rubia e a Daniela, pela companhia.


Daniela, Aninha, Rubia e eu.

carladias.com

Comentários

Antes de tudo temos que agradecer a minha amiga Ju Almeida e a Sueli, amiga dela, que conseguiram os convites, rolou uma sinergia puramente musical ;)
O seu texto ficou maravilhosoooo, parabéns !!! E com certeza as girls se divertiram muito! A Lan Lan mandou muito bem também, dá-lhe percussão, bjs ;)
fernanda disse…
Pôxa, Carla, pode sentir inveja? Naquele natal eu tinha 4 anos e acho que ganhei alguma coisa da Xuxa. Mas que bom que tem coisas que perduram e eu tive a oportunidade de conhecer Cyndi Lauper mais tarde. True Colors, com Lan Lan na percussão? Só me resta torcer pra alguém ter a bondade de colocar no Youtube...rs
Bjos!
Marilza disse…
Ainda hoje uma amiga e eu comentamos o quanto uma música marca a vida da gente. Parece algo tatuado, que nao sai, e cada x que ouvimos algo q nos tocou, tudo volta, intensamente.
Imagino a sua emoção depois de tanto tempo, por tudo. Pela música, pelo ídolo, por reviver um momento só seu. Que legal....
albir disse…
É verdade, Carla, o resgate de certos momentos pela música é tão intenso que a sensação chega a ser física.
Essa também tocou demais no meu coração. :)
Juliana disse…
Ia falar a mesma coisa que a Ferdi: pode invejar???

Queria muito, muito ter ido, mas a pobreza do bolso não permitiu!rs

Quem sabe um dia? Realmente deve ter sido um momento único!

Ah, que eu não ia chorar!rs

Adorei!
Carla Dias disse…
Aninha... Agradecimentos bem depois do presente, mas sinceros, a Ju Almeida e a Sueli. E meu texto só ficou como ficou porque você me deu a oportunidade de passar por essa experiência! Obrigada!

Fernanda... Eu que fiquei com inveja de ter 4 anos naquele Natal... rs. E colocaram no youtube, olha só: http://youtu.be/xY31j-u-PTI. Não está cinemax, mas dá pra ter uma ideia.
Beijos!

Marilza... Música não é apenas trilha sonora no cinema, mas na vida da gente também, não? Minha emoção foi das boas, sim, e das que inquietam, afinal, o tempo passou, eu sou uma variação de quem era, mas a música, bom, essa é a mesma. E tem o mesmo poder de fogo.

Albir... Sim, ela chega a ser física. Por isso que é bom : )

Eduardo... Ah, esses corações tocados demais : )

Juliana... Pode invejar, mas vou torcer para que você possa assistir a um show dela, e em breve. Foi um momento único, daqueles que a gente guarda na alma, sabe?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …