Pular para o conteúdo principal

O PEQUENO MUSEU DE MIM... >> Carla Dias >>

Quando a Carmen me disse que a sua exposição teria este título, confesso que me bateu, e não pela primeira vez, uma vontade de roubá-lo para criar um poema e dá-lo a ele. Mas ao invés disso, divaguei a respeito, até chegar o dia de ela vir ao Brasil e apresentar a exposição “O pequeno museu de mim e outras histórias”, aqui em São Paulo.

Carmen Novo é artista plástica e jornalista, com especialização em Museologia. Realizou diversas exposições no Brasil, em Cuba, em Portugal e na França, onde vive, desde 2003. Como jornalista, os trabalhos que desenvolveu estiveram sempre ligados à cultura, à educação e a projetos sociais com a arte como tema.

Como artista plástica, uma das funções de Carmen é expor sentimentos através das suas criações. O que mais me admira nas obras dela é a forma como esboça esses sentimentos. Há um flerte entre o caótico e o deslumbrante, como na instalação “De tudo fica um pouco”.

Ultimamente, tenho notado o apaixonamento dela pela fotografia, levando para tal forma de registro do olhar o que também enxerga nas suas obras artesanais. É um encontro de linguagens, uma forma de tê-las num mesmo espaço, dizendo os sentimentos com propriedade e sutileza.

Sábado passado, fui à Galeria Quarta Parede para conferir “O pequeno museu de mim e outras histórias”, exposição de fotos em preto e branco, instalação e vídeos.

A exposição fotográfica “A vida das coisas” desperta uma série de sensações, como se estivéssemos contemplando retratos emocionais. As fotografias são capazes sim de contar histórias, através dos sorrisos, dos olhares, das máscaras, até mesmo através do cenário desolado, bagunçado pela ausência. Cada imagem tem sua própria história.

“O pequeno museu de mim...” também trata das coisas que se tornam essenciais para nós pela importância afetiva que delegamos a elas. Trata da biografia dessas coisas que não são apenas coisas, mas coleções de lembranças. Os vídeos exibidos tratam com muita sutileza do assunto. Eles construídos através da combinação de depoimento de donos de objetos fotografados pela artista. Esses depoimentos se tornam, então, a trilha sonora deste filme sobre objetos tão peculiares que cultivam zelo e benquerença nos seus donos. E ao percebermos a diversidade dos objetos, também compreendemos a diversidade das emoções que eles provocam nestas pessoas.

A instalação “Para guardar nossas lembranças” atiçou o meu desejo de adivinhar a narrativa escondida na obra. No fundo de pequenas latas metálicas, Carmen colocou fotografias de lugares, pessoas, animais, criando um cenário de possibilidades. São 32 latinhas fixadas na parede que, ao observá-las de perto, me davam a sensação de proximidade, porque era como se eu olhasse por um olho mágico, alcançando um lá fora que não era o meu, mas sim desse lugar misterioso, e ao mesmo tempo agradável, criado pela artista.

Pensando bem, “o pequeno museu de mim” é um título muito bom para um poema, mas acontece que a poesia dele já se encontra na construção de Carmen Novo. É no museu construído pela sua arte que vive essa poesia graciosa, capaz de despertar no observador a sensação de visitar um lugar no qual as coisas têm a vida que damos a ela.

O pequeno museu de mim e outras histórias - Carmen Novo
Galeria Quarta Parede, São Paulo/SP
Até dia 25 de agosto
Informações: galeriaquartaparede.com

Carmen Novo: carmennovo.pagesperso-orange.fr


carladias.com



Comentários

albir disse…
Carla,
você sempre me atualiza. E é surpreendente como transita à vontade por todas as artes. Abraço.
Carla Dias disse…
Albir... Que bom que você se permite atualizar pelas minhas andanças!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …