Pular para o conteúdo principal

AGOSTO [Maria Rita Lemos]

Agosto vai chegando ao fim, inaugurando o segundo semestre com seus derradeiros dias. Mês comprido, de cachorro louco, tempo de empinar pipa, que no meu tempo era sem cerol.

Agosto derruba as derradeiras folhas das árvores, desnudando-as despudoradamente. Despidas, elas parecem envergonhadas, em meio aos ipês amarelos e roxos, esplendorosos em suas vestes de gala, prenunciando a primavera. Em agosto, ainda, crianças e adolescentes voltam às escola, em bandos ruidosos, tal qual andorinhas retornando, após o inverno, à pátria de sua origem.

Agosto é tempo de avaliar, revisar, re-planejar. Tudo aquilo que foi programado lá atrás, quando o ano vinha nascendo, conta com agosto para um acerto de contas. Gosto desse jeito, que só agosto tem, de segunda chamada no vestibular anual da vida. O que não foi feito no primeiro turno, porque se planejou mal ou muito, pode ser mantido ou cancelado em agosto. Desta vez pra valer, senão só no ano que vem, que a gente nem sabe se vem.

Agosto tem o dia da “pindura”, do advogado, doutor das leis dos homens; tem o Dia dos Pais, tem até o Dia do psicólogo, mestre das mentes, bem no finzinho do mês. Agosto de mudança, transformação, nova chance, reciclagem. Eu ouvia sempre, em menina, vovó dizer que o mês de agosto leva folhas e vidas para seu ritual de renovação...

“Quando caem as folhas, levadas pelo vento de agosto, muita gente aproveita e vai embora junto”... Era uma das crenças de minha avó, que também partiu bem a seu gosto, como uma vela que se apagou mansa e quieta, num agosto distante.

Foi também num dia lindo de céu lavado, num finalzinho de agosto, que o primeiro amado meu fez sua travessia para outro plano. Lembro-me bem de que o dia raiava deslumbrante, lá pelas bandas da Santa Casa, onde eu vi, pela janela, que os ipês caíam de tantas flores, indiferente à dor das despedidas.

Agosto tem festa de pipas dos meninos, cruzando as ruas dos bairros humildes ou, em menor número, dos condomínios fechados, tocadas pelo vento. Vento gostoso de agosto, que toda vez que chega forte me cheira a expectativa, coração batendo forte, quem sabe chega a gosto tudo o que a gente sonha, o que se espera, ou tudo o que espera a gente. Tempo de trocar, renovar, reviver.

Agosto, na vida de quem é de bem com ela, tem até a vantagem do nome. A-GOS-TO, descendo macio boca abaixo. Sem a aspereza de abril, nem o som anasalado de junho. Bom de falar, agosto. Já pra quem tem, nos meses da vida, mais mau humor que sorrisos, agosto vem exatamente a gosto. Para todo mundo, porém, de mal ou de bem, não dá pra escapar de agosto. Há que curti-lo, então. Ainda que pensando, para se consolar, que a cada dia desses longos trinta e um, mais próxima estará sua grande e famosa vizinha, a estação maior, a primavera de nossas vidas.

RECADO: Aproveito para abraçar fortemente todos os psicólogos e psicólogas, que festejam o seu dia, ainda que cada um por si. O Dia do Psicólogo é comemorado, em todo o Brasil, no dia 27 de Agosto. Que Deus nos ilumine a todos, e ajude-nos, cada vez mais, a exercer nossa profissão com dignidade e sabedoria.

Comentários

Maria Rita, sua crônica ficou muito a meu gosto. :) Bela homenagem a esse mês de que gosto.
fernanda disse…
Você me fez até gostar de agosto, Maria Rita. Que crônica boa. Estava pensando em escrever sobre setembro e sua crônica me encorajou. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …