segunda-feira, 2 de agosto de 2010

CINCO DA MANHÃ >> Kika Coutinho

Cinco da manhã e ela chora. Um chorinho curto, dá até pra deixar pra lá. Filha, filhinha, é hora de dormir, falo, enquanto ponho a chupeta, com calma.

Volto para o meu quarto e deito ao lado do meu amor.

Ali, penso, preocupada: Ela vai chorar de novo. Melhor eu nem dormir. Passam- se dez minutos, vinte e nada. Ok, já posso dormir, que alívio. Ai, mas e se bem quando eu dormir ela chorar, que chatice? Não, não chorou até agora, deve ter só se assustado. Será? Será que teve pesadelos? O que ela sonha de ruim? Deve sonhar que se acabaram as chupetas, que tombou quando estava sentada, que ficou sozinha na pracinha. Como ela pode sonhar isso? Não importa. Vou dormir. Não dormi? Não. Nossa, mas eu estava com tanto sono. Preciso aprender a relaxar. Mas vai que eu relaxo e ela acorda. Será que tá quentinha? Quantos cobertores eu pus? Subi a grade do berço? Vou lá ver. Não, não vou. Deito de novo. Vou mentalizar qualquer outra coisa. Preciso aprender a fazer meditação. Amor? Tá acordado? Queria aprender a fazer meditação. Já reparou que toda pessoa evoluída sabe meditar? Pode ver, é superimportante. Amor? Dormiu.

Vou fazer yoga, deve ser ótimo. Mas não essa de academia, essas populares. Vou naquele instituto aqui perto de casa. Sem falta. Eu posso fazer yoga a tarde e pilates de manhã, preciso fazer pilates, estou ficando corcunda, cruzes. Se eu fizesse alguma coisa aeróbica também seria bom. Vou fazer pilates duas noites, corrida três noites e yoga de manhã. Será que dá? Ai, mas e a dança de salão? Queria tanto. Amor, tá acordado? Já falei de fazer dança de salão, vamos? Amor, vamos, vamos, vamos, você viu no Faustão, como é lindo. Já pensou a gente, eu quero ser a Sharon. Ai, a Sharon é chata. Amor, tá ouvindo? Dormiu?
Eu vou na academia amanhã cedo, me informar sobre o pilates. Ai, depois tenho que passar na farmácia mandar fazer aquele remédio de homeopatia. Nossa, faz séculos que tô com a receita. E tenho que fazer a unha. Ou deixo pra fazer no sábado, que vamos jantar? E que roupa eu ponho nesse jantar? Hum, vou precisar passar no sapateiro pra arrumar aquele saltinho. Nossa, tenho tanta coisa pra fazer. E, se tiver sol, queria tanto ir no parque com a Sofia. Eu vi a previsão no Terra? Nem lembro mais. Amanhã vou ver a previsão e, se tiver sol, vamos passear de carrinho. Mas com esse tempo seco, não sei não. Ai, não acredito.... Amor, amor, você pingou rinossoro nela? Eu não.. esqueci. Tadinha, depois fica resfriada e a culpa é nossa, claro. Amor? É, a culpa é mesmo minha. Se eu tô esquecida assim e ainda nem voltei a trabalhar. Imagine só quando eu votlar...

Mas vou fazer uma lista, direitinho de tudo o que tem que fazer. Deixa eu já pensar: fruta de manhã, troca de fralda com rinossoro, brincar no tapete. Hum, brincar sentada pra não vomitar a fruta, será que a Rose vai lembrar? Ai, ela não vai saber fazer como eu. Claro. Mas tudo bem, preciso exercitar isso. Eu também esqueço, aliás será que eu coloquei dois cobertores? Ai, será que coloquei a etiqueta do cobertor na carinha dela? Vou lá ver. Não, não vou. Vou dormir. Nossa, preciso dormir, já é quase de manhã. Mas e se ela chorar. Vou dormir, vou dormir, quase dormindo, chega. Quase dormindo e: Uéééééé. Ai. Amor, ouviu? Ela tá chorando. Vai lá vai. Tô quase dormindo, pô. Vai lá.

www.embuchada.blogspot.com

Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Moral da história: Mulher se preocupa, mas quem resolve é o homem. :)

fernanda disse...

Pior (ou melhor, sei lá) é que vai ser assim pra sempre, né? Daqui alguns anos, você não vai dormir enquanto ela não chegar...rs
Minha mãe faz isso comigo até hoje...rs

albir disse...

Me enchem de nostalgia suas crônicas de bebê. Abraço.