Pular para o conteúdo principal

O CANDIDATO I >> Albir José Inácio da Silva

“Pela saúde, pelo calçamento, pela água, pela escola e pela fé, vote Adailton da Birosca”. Era reconhecidamente um lutador por essas causas. Mesmo os desafetos que reclamavam da honestidade da sua balança, dos juros nas contas penduradas, dos produtos vencidos e, coisa de invejosos, até de incêndios em eventuais concorrentes, tinham de reconhecer seu envolvimento em todas essas áreas. Bem, quase todas, porque em coisas de fé sempre manteve distância para não criar amarras de um lado e ressentimentos de outro. E isso, se era bom para os negócios, não era nada bom para a campanha.

De sua tribuna, o balcão onde passava o dia e parte da noite atendendo os fregueses, exercia sua liderança. Sobre aquela madeira velha e manchada já conseguira centenas de assinaturas para pressionar as autoridades. E foram os próprios fregueses que o convenceram: se já fazia tanta coisa pelas pessoas, imagine quando estivesse na Câmara. Não podia fazer isso com eles. Não podia desamparar seus irmãos.

Resistiu quanto pôde. Não pensava em política, a não ser para criticar. Uma corja de aproveitadores que nada fazia pelo povo. Quando se empolgava, convencendo os clientes a fazer barulho na frente da Prefeitura, sempre desancava os políticos, “essa raça de abutres”. Como é que ia agora enveredar por esse caminho?

Mas, tanto insistiram, que ele prometeu pensar. E pensou. Numa trincheira adequada, talvez pudesse fazer muito mais por aquela gente. E não seria mais um arruaceiro, um criador de casos. Seria um legítimo representante do povo, investido nos poderes que lhe outorgavam a Constituição e outras coisas bonitas mais. Saberiam o que é um homem público

Tinham todos de concordar que, mesmo sem mandato, já conseguira muita coisa. Não veio a escola, mas veio a professorinha que dá aulas numa salinha atrás da igreja. Não tem posto de saúde, mas tem visita de médico e enfermeira, a cada quinze dias, na farmácia. Não conseguiu calçamento, mas pó de pedra foi jogado nos lugares mais cheios de lama e onde já não passava carroça. Ainda não havia água encanada nas casas, mas torneiras públicas foram instaladas em alguns lugares.

Só em assuntos de fé não tinha nada ainda para ostentar. Embora tratasse todo crente com respeito e cortesia, embora ouvisse pacientemente as admoestações, conselhos e bênçãos que sobre ele derramavam, nunca se interessou de fato por essas coisas. Por outro lado sabia que, sem apoio das lideranças religiosas, sua candidatura não tinha chance.

Procurou primeiro o Padre Jonas, porque ele era o mais marrento. Adailton, embora batizado, só frequentava a igreja nos casamentos, batizados e enterros. Já percebera os olhares enviesados do padre e, por isso, chegou todo sorrisos.

- Seu padre, a sua bênção. Sei que o senhor, assim como eu, é uma pessoa muito preocupada com a gente daqui e por isso venho colocar a minha candidatura a serviço da nossa paróquia.

- Nossa paróquia não, que o senhor não bota os pés aqui há muito tempo. – disse o padre, azedo.

Adailton xingou intimamente o pároco, mas manteve o sorriso.

(Continua aqui.)

Comentários

Carla Dias disse…
Ah, Albir! Vou ter de esperar 15 dias para saber no que deu essa tão conhecida ligação entre política e religião?
Ok : )
ADOREI SEU ESPAÇO. TOMEI A LIBERDADE DE POSTAR EM MEU BLOG UMA DE SUAS CRÔNICAS. PASSSAREI MAIS VEZES.JOSELIA CORINGA
albir disse…
Obrigado, Carla, por aguardar.


Joselia,
obrigado por visitar o Crônica do Dia. Sinta-se à vontade. Volte sempre. Abraço.
Fazer o quê? Esperar pelo segundo turno... :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …