Pular para o conteúdo principal

AH, A INOCÊNCIA >> Clara Braga

Nesse final de semana foi a primeira vez que minha banda tocou em um pub sem dividir palco com ninguém, tocamos sozinhos a noite toda. Na hora é tudo muito bom, claro, é uma experiência que a gente sempre quis ter, mas para isso tivemos que ensaiar muito e, claro, colocar mais e mais músicas no nosso set list. A hora de decidir quais músicas tocar é sempre um sofrimento, cada um quer uma música diferente, não gosta da música que o outro escolheu e vira uma confusão. Até que todas as músicas já estejam escolhidas leva muito, mas muito tempo.

Em uma dessas discussões das músicas que tocaríamos surgiu a idéia de tocarmos Mamonas Assassinas. Eu confesso que a princípio fui a única que ficou meio relutante, não achei que teria muito a ver com o resto do repertório, mas como fui voto vencido acabei tendo que desenterrar meu CD dos Mamonas lá do fundo do meu baú.

Enquanto ouvia as músicas só pensava o quanto pode ser bom ter a inocência de uma criança ou o quanto pode ser ruim também. Eu podia jurar que as pessoas morriam de rir de Mamonas Assassinas porque eles se vestiam engraçado, o vocalista fazia uma voz diferente pra cantar e porque eles tinham uma variedade de letras incrível, que ia desde uma simples volta ingênua no Chopis Centi até o Mundo animal. Que outra banda consegue falar de assuntos assim tão diferentes em um só cd? Nossa, eles eram realmente incríveis! É claro que algumas besteiras você sempre entende, quando eles falam do robocop gay por exemplo, acho que a palavra gay já está bem falada, já dá para todo mundo entender. Agora quando eu ouvi à música Vira-vira, aí sim eu me perguntei como minha mãe deixava eu não só ouvir, mas também dançar essas músicas!

Vamos analisar algumas frases da música: "Fui convidado pra uma tal de suruba". Pra mim suruba era um lugar onde as pessoas faziam uma festa tranquila, com bebidas e música, e conversavam, SÓ conversavam. "Depois de uma semana, ela voltou pra casa toda arregaçada, não podia nem sentar!" Nossa, coitada da Maria né, foi pra tal da festa que fica na Suruba e ainda apanhou, tá toda machucada a pobre coitada. "Me passaram a mão na bunda e ainda não comi ninguém". Tudo bem que passar a mão na bunda é algo que não se faz, mas também não precisa virar algum tipo de canibal e comer a pessoa porque ela fez isso, briga com a pessoa, os mais fortes e esquentados até batem na pessoa, mas comer eu realmente nunca tinha ouvido falar em ninguém que fazia isso! "Tu ficaste tão bonita monoteta, mas vale um na mão do que dois no sutiã". Monoteta?...

Bom, a música mesmo tem várias outras frases que eu não entendia, mas eu também não teria nem como explicar o que eu entendia. Acho que, na verdade, eu nem me preocupava muito com isso, só queria mesmo curtir! Mas agora fico me perguntando: será que eu era a única ou ninguém da minha idade realmente entendia?

Comentários

Rinaldo Morelli disse…
Clara, acho que essse assunto ainda renderia mais.
Eu não sei se os Mamonas faziam um serviço ou um des-serviço à nossa cultura e às nossas crinças.
Dizem que partiram cedo para não continuarem a falar besteiras...sei lá.
Acredito que devemos ter uma postura mais crítica ao que midia veicula, oferece, impõe.
Suas reflexões partem e seguem nesta direção. Acho legal isto.
Andrea Pio disse…
Clara... também não entendia muitas das músicas dos mamonas... e mesmo assim, curtia. Talvez porque me contagiava com a alegria deles no palco, ou com o ritmo... ou apenas com o fato de serem super originais.
Abço,
Andrea

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …