Pular para o conteúdo principal

LIVROS QUE AINDA NÃO ESCREVI
>> Eduardo Loureiro Jr.


Sou platônico até em relação à escrita. Apesar de ter seis (ou sete) livros publicados, fico idealizando mesmo é aqueles que ainda não escrevi...

AS TRÊS DEUSAS. Esse é um livro sobre os três tipos básicos de mulher que os homens procuram: a deusa do amor, a deusa da beleza e a deusa da sabedoria. O livro tem três partes. Na primeira, são apresentadas deusas do amor, da beleza e da sabedoria em várias culturas diferentes. Na segunda parte, discorro sobre os três princípios relacionados a essas deusas: deusa do amor, princípio da satisfação; deusa da beleza, princípio do sonho; deusa da sabedoria, princípio do realidade. Na terceira parte do livro, apresento três textos ficcionais baseados em minha experiência afetiva e sexual com mulheres que representaram para mim os princípios-deusas do amor-satisfação, beleza-sonho e sabedoria-realidade.

AERONAVES NO PÁTIO. Esse é um livro escrito em parceria com meu caro amigo interno do pátio Fabiano dos Santos. Quando eu morava em Fortaleza e ele em São Paulo, descrevíamos um para o outro, em nossas cartas, mulheres lindas, lindas, lindas que encontrávamos. Essas cartas têm um forte teor de fantasia e de erotismo. Algumas delas foram publicadas nos fanzines do nosso grupo literário e musical, Os internos do pátiO. Uma das descrições foi num aeroporto, e essa mulher-avião descrita inspirou o título do livro.

Lembrei desses dois livros ainda não escritos porque hoje pela manhã, participando de uma mesa-redonda (que nunca é redonda) sobre leitura entre pais e filhos, me veio a ideia de escrever mais um livro que talvez não seja escrito tão cedo...

LER PRA QUÊ? Esse livro tem por objetivo destoar do coro de promoção da leitura que está tomando conta do Brasil. Seria composto de vários pequenos ensaios-questões: a promoção da leitura deveria ter preferência sobre a promoção da dança ou da música? Mesmo considerando a importância da leitura, por que se deveria fazer qualquer trabalho de mediação (escolar ou não) no sentido de desenvolvê-la? Por que ninguém chama a atenção para o aspecto anti-social da leitura, que é uma prática essencialmente individualista?

E esse monte de livro que só existe na minha cabeça também está me lembrando de um monte de crônicas não escritas, das quais eu tenho apenas apontamentos de ideias. Mas essas crônicas platônicas ficam para uma próxima ocasião.


Comentários

fernanda disse…
Hummm...espero que os dois primeiros saiam, um dia. Fiquei curiosa. Quanto ao terceiro, talvez seja melhor não. Você escreve muito bem. Vai acabar convencendo as pessoas dessa "loucura"...rs.
Abraço!
Quanto ao primeiro apontamento:Um alguém muito interessante me disse que enquanto homens se encantam com a beleza, ele em contra partida ama a beleza, com toques de realidade, isso associado a inteligência, é realmente a combinação ideal...
Será tanta utopia?
As mulheres buscam o msm...

Abç
O.
Cláudia disse…
Eduardo, espero ver os dois primeiros livros publicados. O terceiro é melhor ouvir o que a Fernanda disse. Vai que você convence alguém desta loucura... Realmente ler é uma atitude individual, mas quem lê sempre tem algo mais para contar, não é mesmo?!
Sam Green disse…
Fala, Eduardo!
Adoraria, de verdade, ler os seus livros. Mas, faça o que Fernanda e Cláudia disseram, deixe esse terceiro pra lá. hehe.
Grande abraço.
albir disse…
Que bom, Edu. Que venham os seus livros! E não se preocupe quanto à polêmica que o terceiro pode causar. Vai ser uma provocação e mais um incentivo à leitura. Abraço.
Puxa, Fernanda, Cláudia e Sam, vocês abortaram meu projeto de filho. :-( Brincadeirinha, grato pela sinceridade. :)

Albir, é que estou com saudade de ser polêmico. Tenho estado muito "bonzinho" ultimamente. :)

Oriane, utopia não custa nada e nem paga imposto. Podemos sonhar à vontade. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …